Modelagem orientada a objetivo como suporte à gestão estratégica de TI nos Institutos Federais de Educação

Dayene Mendes Silva Gonçalves, André Leal Luiz de Castro Leal, Maria Cristina Drumond e Castro, Fábio Carlos Macêdo

Resumo


Em uma organização, a área de Tecnologia da Informação deve dar suporte às demais, possibilitando o alinhamento entre as decisões e as ações, a fim de atender aos objetivos almejados. A proposta deste trabalho é investigar a realidade da Gestão Estratégica de TI nos Institutos Federais de Educação, através da verificação de como os gestores dessa área elaboram e mantém um planejamento estratégico, partindo do pressuposto de que eles enfrentam dificuldades devido à falta de alinhamento e planejamento da área com os objetivos estratégicos institucionais.  Em termos metodológicos, trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa no que concerne às características e ao modo de investigação. A base desse estudo foi feita pelo levantamento de dados de pesquisas realizados pelo Tribunal de Contas da União, pela percepção dos gestores de TI e por documentos disponibilizados pelos Institutos Federais. Os dados analisados permitiram que os autores confirmassem seus pressupostos, mas que esse já é um tema de importância reconhecida entre os gestores que procuram meios de propiciar o fortalecimento da gestão estratégica e da governança de TI.

Palavras-chave


Planejamento Estratégico de TI; Modelagem Orientada a Objetivo; iStar; Institutos Federais

Texto completo:

PDF

Referências


Ali, R., Dalpiaz, F. and Giorgini, P. (2010). A goal-based framework for contextual requirements modeling and analysis. Requirements Engineering, 15(4), pp.439-458.

Beal, A. (2004). Gestão Estratégica da Informação: como transformar a informação e a tecnologia da informação em fatores de crescimento e de alto desempenho nas organizações? (1 ed.). São Paulo: Atlas.

Decreto n° 200, de 25 de fevereiro de 1967 (1967). Dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências, 1967. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0200.htm.

Casartelli, A., Rodrigues, A., Bittencourt, H., & Garibotti, V. (2010). Inteligência estratégica em instituições de ensino superior. Perspectivas Em Ciência Da Informação, 15(2), 183-197. doi: 10.1590/s1413-99362010000200012

Cardoso, E. C. S., & Guizzardi, R. S. S. (2008). Alinhando análise de objetivos e modelagem de processos: uma experiência em um ambiente de saúde. The Acm Digital Library, 1, 215-224.

Coutinho, W. (2018). A institucionalização da gestão estratégica no instituto federal do sudeste de Minas Gerais (Mestrado em Administração). Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais. Recuperado de http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/22486.

Cunha, M., & Neto, J. (2014). Comitês de governança de tecnologia da informação na administração pública federal brasileira: fatores críticos de sucesso. Revista Do Serviço Público Brasília, 65(3), 355-381.

Fernandes, A., & Abreu, V. (2014). Implantando a governança de TI. 4. Ed. Rio de Janeiro: Brasport.

Fernandes, F. (2009). Gestão dos Institutos Federais: O Desafio do Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. HOLOS, 2, 3. doi: 10.15628/holos.2009.267

Flaviano, V., & Lucca, G. (2013). Planejamento Estratégico de Tecnologia de Informação nas Universidades Federais Brasileiras. In XXXVII ENANPad. Rio de Janeiro.

Franch, X., López, L., Cares, C., & Colomer, D. (2016). The i* Framework for Goal-Oriented Modeling. Domain-Specific Conceptual Modeling. Springer, Cham. Retrieved from https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-319-39417-6_22

Gil, A. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Gray, D. (2012). Pesquisa no mundo real. Porto Alegre: Penso.

Henderson, J., & Venkatraman, H. (1993). Strategic alignment: Leveraging information technology for transforming organizations. IBM Systems Journal, 32(1), 472-484. doi: 10.1147/sj.382.0472

Horkoff, J., Aydemir, F., Cardoso, E., Li, T., Maté, A., & Paja, Salnitri, M., Piras, Luca., Mylopoulos, J. & Giorgini, P. (2017). Goal-oriented requirements engineering: an extended systematic mapping study. Requirements Engineering, 1-28. doi: 10.1007/s00766-017-0280-z. ). Retrieved from https://link.springer.com/content/pdf/10.1007%2Fs00766-017-0280-z.pdf

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC. (2015). Código das Melhores Práticas de Governança Corportativa. Retrieved from http://www.ibgc.org.br/userfiles/files/Publicacoes/Publicacao-IBGCCodigo-CodigodasMelhoresPraticasdeGC-5aEdicao.pdf

Instrução Normativa n. 4, de 11 de setembro de 2014. Dispõe sobre o processo de contratação de Soluções de Tecnologia da Informação pelos órgãos integrantes do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática (SISP) do Poder Executivo Federal. Recuperado de https://www.governodigital.gov.br/documentos-e-arquivos/legislacao/1%20-%20IN%204%20%2011-9-14.pdf

IT Governance Institute - ITGI. (2007). Cobit 4.1. Rolling Meadows. Recuperado em 12 fev. 2019 de https://www.isaca.org/Knowledge-Center/cobit/Documents/COBIT4.pdf

i* Wiki. (2019) iStarQuickGuide. Retrieved from http://istar.rwth-aachen.de/tiki-index.php?page=iStarQuickGuidE

Lapouchnian, A. (2005). Goal-oriented requirements engineering: An overview of the current research. University Of Toronto, 32. Retrieved from http://www.cs.toronto.edu/~alexei/pub/Lapouchnian-Depth.pdf

Lessa, A., Couto, L., & Farias, R. (2009). Política externa planejada: os planos plurianuais e a ação internacional do Brasil, de Cardoso a Lula (1995-2008). Revista Brasileira De Política Internacional, 52(1), 89-109. doi: 10.1590/s0034-73292009000100005

Luftman, J. (2000). Assessing Business-IT Alignment Maturity. Communications Of The Association For Information Systems, 4. doi: 10.17705/1cais.00414

Ministério da Educação (2019). Formulário do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Recuperado de http://www2.mec.gov.br/sapiens/form_pdi.htm

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MPOG (2017). Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação. Guia de Governança de TI do SISP, v 2.0. Recuperado de http://www.sisp.gov.br/govtic/wiki/download/file/Guia_de_Governan%E7a_de_TIC_do_SISP_v_2.0

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – MPOG (2018). Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação. Portal do SISP. Planejamento de TI. Recuperado de http://www.sisp.gov.br/faq_governancati/one-faq?faq_id=13941590

Moraes, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

Mylopoulos, J., Chung, L., & Yu, E. (1999). From object-oriented to goal-oriented requirements analysis. Communications Of The ACM, 42(1), 31-37. doi: 10.1145/291469.293165

Rezende, D. A. (2000). Planejamento de sistemas de informação e informática. Editora Atlas S.A.

Rohweder, A. (2017). A governança de TI e a agregação de valor ao negócio: estudo de caso numa indústria de Joinville (Mestrado em Administração de Empresa). Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.

Salomon, D. (2010). Como fazer uma monografia. São Paulo (SP): Martins Fontes.

Santos, B. (2008). IStar Tool: uma proposta de ferramenta para modelagem de I*. (Mestrado em Ciência da Computação). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI. (2015). Guia de Elaboração de PDTI do SISP: versão 2.0. Brasília: MP/SLTI, 2015. Recuperado de http://www.sisp.gov.br/guiapdti/wiki/download/file/Guia_de_PDTI_do_SISP_v2_Beta.pdf

Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação - SEFTI. (2016). Levantamento de Governança de TI. Recuperado de https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A15E39AE45015E58A53AB44700

Vergara, S. C. (2013). Projetos e Relatório de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Weill, P., & Ross, J. W. (2006). Governança de TI, Tecnologia da Informação. São Paulo: M. Books do Brasil Editora.

Xavier, M. B. G. (2010). Mensuração da maturidade da governança de TI na Administração Direta Federal Brasileira. (Mestrado em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia da Informação). Universidade Católica de Brasília, Brasília.

Yu ESK, Mylopoulos J , 1998 Why goal-oriented requirements engineering. In: Dubois E, Opdahl AL, Pohl K (eds) Proceedings of the 4th international workshop on requirements engineering: foundation for software quality (RESFQ 1998). Presses Universitaires de Namur, Namur

Yu, E. (1995). Modelling Strategic Relationships for Process Reengineering (PhD. Thesis.). University of Toronto. Retrieved from https://pdfs.semanticscholar.org/2b5c/ea3171e911c444f8253c68312d93c1545572.pdf

Yu, E. (2002). Agent-Oriented Modelling: Software Versus World, In: Proceedings of the Agent-Oriented Software Engineering, Edited by Wooldridge, M., Weiss, G. and Ciancarini, P., LNAI, 2222, Springer-Verlag, p. 206 – 225.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v11i1.921

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Dayene Mendes Silva Gonçalves, André Leal Luiz de Castro Leal, Maria Cristina Drumond e Castro, Fábio Carlos Macêdo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia