Indicadores de desempenho e engajamento profissional em organizações inovadoras

Marília Maria de Oliveira Santos, Luiz Felipe Quel, Almir Martins Vieira, Alessandro Marco Rosini

Resumo


O presente estudo tem como objetivo analisar a inclusão do índice de engajamento profissional dentre os indicadores do Balanced Scorecard [BSC], particularmente na perspectiva Aprendizagem e Crescimento. A abordagem metodológica tem natureza exploratória e caráter quantitativo, sendo a pesquisa realizada com a participação de 185 gestores de organizações que estão listadas como inovadoras e não inovadoras. O instrumento utilizado foi o Ultrech Work Engagement Scale [UWES], que mede os níveis do engajamento. O resultado revelou que engajamento profissional pode agregar valor aos indicadores de desempenho estratégico nas organizações inovadoras. Conclui-se que a prática de desenvolvimento de pessoas, que está inserida na perspectiva de Aprendizagem e Crescimento do BSC, adicionada ao indicador de engajamento profissional, traz resultados positivos para as organizações, criando um clima propício para que os funcionários se sintam mais engajado sem suas tarefas, mais interessados e inseridos em um ambiente que lhes traga mais confiança e bem-estar.

Palavras-chave


Engajamento. Indicadores de desempenho. Inovação.

Texto completo:

PDF

Referências


Bakker, A. B., & Schaufeli, W. B. (2000). Burnout contagion processes among teachers. Journal of Applied Social Psychology, 30(11), 2289-2308.

Bakker, A. B., Schaufeli, W. B., Leiter, M. P., & Taris, T. W. (2008). Work engagement: an emerging concept in occupational health psychology. Work & Stress, 22(3), 187-200.

Bakker, A. B., & Leiter, M. P. (2010). Work engagement: a handbook of essential theory and research. London: Psychology Press.

Bakker, A. B., Demerouti, E., & Verbeke, W. (2004). Using the job demands: resources model to predict burnout and performance. Human Resources Management, 43, 83-104.

Boyatzis, R. E. & Skelly, R. (1995). The impact of changing values on organization life. The latest update. New Jersey: Prentice Hall.

Bussab, W. O. & Morettin, P. A. (2013). Estatística básica. (8a ed.). São Paulo: Saraiva.

Csikszentmihalyi, M. (1992). A Psicologia da felicidade. São Paulo: Saraiva.

Daft, R. L. (2005). Administração. (6a ed.). São Paulo: Thomson.

Demerouti, E., Bakker A. B., Nachreiner F., & Schaufeli, W. B. (2001). The job demands-resources model of burnout. Journal of Applied Psychology, 86(3), 499.

Demerouti, E., Bakker, A. B., & Leiter, M. P. (2014). Burnout and job performance: the moderating role of selection, optimization, and compensation strategies. Journal of Occupational Health Psychology, 19, 96-107.

Dutra, J. S. (2014). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Drucker, P. F. (1987). Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. (H. T. Yoshizaqui, Trad.). São Paulo: Pioneira.

Fernandes, C. M., Siqueira, M. M. M., & Vieira, A. M. (2014). Impacto da percepção de suporte organizacional sobre o comprometimento organizacional afetivo: o papel moderador da liderança. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(4), 140-162.

Freitas, C. P. P., Silva, C. S. C., Damásio, B. F., Koller, S. H., & Teixeira, M. A. P. (2016). Impact of job-related well-being on the relationship of self-efficacy with burnout. Paidéia, 26(63), 45-52.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (1998). Multivariate data analysis. (5th ed.). Upper Saddle River: Pearson Prentice Hall.

Halbesleben Jonathon, R. B. & Wheeler, A. R. (2008, july, september). The relative roles of engagement and embeddedness in predicting job performance and intention to leave. Work & Stress, 22(3), 242-256.

Hobfoll, S. E. (2001). The influence of culture, community, and the nested‐self in the stress process: advancing conservation of resources theory. Applied psychology, 50(3), 337-421.

Kahn, W. A. (1990). Psychological conditions of personal engagement and disengagement at work. Academy of Management Journal, 33(4), 692-724.

Kaplan, R. S. & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação: balanced scorecard. (L. E. T. Frazão Filho, Trad.). (21a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Le Blanc, P. M., Schaufelli, W. B., Salanova, M., Lhorens, S., & Nap, R. E. (2009). Efficacy beliefs predict collaborative practice among intensive care unit nurses. Journal of Advanced Nursing, 66 (3), 583–594.

Machado, P. G. B., Porto-Martins, P. C., & Amorim, C. (2012). Engajamento no trabalho entre profissionais da educação. Revista Intersaberes, 7(13), 193-214.

Maslach, C., Jackson, S. E., & Leiter, M. P. (1996). MBI Maslach Burnout Inventory. CPP: Incorporated.

Maslach, C., Schaufeli, W. B., & Leiter, M. P. (2001). Job burnout. Annual review of psychology, 52(1), 397-422.

Maslach, C. & Leiter, M. P. (2008). Early predictors of job burnout and engagement. Journal of Applied Psychology, 93(3), 498-512.

Medhurst, A. R. & Albrecht, S. L. (2016). Salesperson work engagement and flow: qualitative exploration of their antecedents and relationship. Qualitative Research in Organizations and Management, 11 (1), 22-45.

Norton, D. P. & Kaplan, R. B. (2004). Kaplan e Norton na prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (1997.). Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. [n. d.]: OCDE: FINEP.

Porter, M. (2000). A nova era da estratégia. HSM Management, 1(1), 18-28.

Salanova, M. & Schaufeli, W. B. (2009). El engagement en el trabajo: cuando el trabajo se convierte en pasión. Madrid: Alianza editorial.

Schaufeli, W. B., Salanova, M., Gonzalez-Roma, V., & Bakker, A. B. (2002). The measurement of engagement and burnout: a two sample confirmatory factor analytic approach. Journal of Happiness Studies, 3, 71-92.

Schaufeli, W. B. & Salanova, M. (2007). Work engagement: an emerging psychological concept and its implications for organizations. In S. W. Gilliland, D. D. Steiner & D. P. Skarlicki. Research in social issues in management (Volume 5): managing social and ethical issues in organizations. Greenwich, CT: Information Age Publishers.

Schaufeli, W. B., Dijkstra, P., & Vazquez, A. C. (2013). Engajamento no trabalho. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Schumpeter, J. (1961). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Senge, P. (1999). A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprendo. (5a ed.) São Paulo: Best Seller.

Sharma, A. (2009). Implementing balanced scorecard for performance measurement. IUP Journal of Business Strategy, 6(1), 7.

Shi, Y., Sears, L. E., Coberley, C. R., & Pope, J. E. (2013). The association between modifiable well-being risks and productivity: a longitudinal study in pooled employer sample. Journal of Occupational and Environmental Medicine, 55, 353–364.

Simpson, M. R. (2009). Engagement at work: a review of the literature. International Journal of Nursing Studies, 46, 1012-1024.

Siqueira, M. M. M. & Gomide Jr., S. (2004). Vínculos do indivíduo com o trabalho e com a organização. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil, 2, 317-348.

Siqueira, D. M. & Vieira, A. M. (2012). Valores organizacionais: percepção e legitimação. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2), 168-191.

Vazquez, A. C., Magnan, E. S., Pacico, J. C., Hutz, C. S, & Schaufeli, W. B. (2016). Avaliação do engajamento das pessoas com o seu trabalho: a versão brasileira da escala Utrecht de engajamento no trabalho (UWES). In C. S. Hutz (Org). Avaliação em Psicologia Positiva (75-89). São Paulo: Hogrefe.

Tamayo, A. & Gondim, M. D. G. C. (1996). Escala de valores organizacionais. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 31(2).

Taris, T. W. (2006). Is there a relationship between burnout and objective performance? A critical review of 16 studies. Work & Stress, 20, 316–334.

Taris, T. W. & Schreurs, P. J. G. (2009). Well-being and organizational performance: an organizational-level test of the happy-productive worker hypothesis. Work & Stress, 23, 120-136.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v10i1.874

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Marília Maria de Oliveira Santos, Luiz Felipe Quel, Almir Martins Vieira, Alessandro Marco Rosini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia