Mobilidade internacional profissional: uma revisão bibliométrica

Ágson Aquino Zago, Carlos Roberto Domingues, Adrianne Marina dos Santos Silva

Resumo


O debate sobre mobilidade internacional de profissionais e suas implicações para as empresas e para os indivíduos apresenta-se como um tema atual e importante. Assim, a sistematização do que tem sido pesquisado e quem são os principais autores são questões fundamentais para que o campo venha a ser melhor compreendido. O presente artigo teve por objetivo a realização de uma pesquisa bibliométrica, com um recorte nos Estudos Organizacionais Interculturais, com trabalhos publicados em periódicos nacionais que relatam o processo de mobilidade internacional. Foram analisados 53 artigos encontrados nas bases de dados Portal de Periódicos Capes e Spell, entre os anos 2000 e 2017, os quais foram escolhidos pela significância dos achados nesse período. Por meio da análise desses artigos, chegou-se à conclusão que o número cada vez maior de pesquisas produzidas denota o crescente interesse e a relevância do tema, ainda que esse número seja baixo quando comparado com os de bases internacionais. Observou-se, também, uma evolução dos assuntos relacionados ao assunto: desde a preocupação inicial sobre os elementos motivadores e o papel da família no processo de mobilidade, passando por questões mais processuais e chegando à discussão sobre a importância desse tipo de mobilidade profissional para a estratégia das empresas. Observaram-se, por fim, lacunas a serem exploradas e discutidas sobre os tipos de mobilidade internacional e as configurações organizacionais que têm surgido por transformações também da área de Recursos Humanos.

 


Palavras-chave


Bibliometria. Gestão de Expatriados. Mobilidade. Mobilidade Internacional. Recursos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


Adler, N., & Gundersen, L. (2008). International dimensions of organizational behavior. 4 ed. Cincinnati: South- Western College Publishing.

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução história e questões atuais. Revista em Questão, 12(1), 11-32, jan/jun.

Beck, U. (1999). O que é globalização? Tradução de André Caron. São Paulo: Paz e Terra.

Black, J. S. & Mendenhall, M. (1991). The U-Curve adjustment hypothesis revisited: A review and theoretical framework. Journal of International Business Studies, 22(2), 225-247.

Bueno, J. M. (2004). O Processo de expatriação como instrumento de integração de culturas em uma organização no Brasil: o caso Renault. Dissertação (Mestrado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Bueno, J. M. (2010). Brasileiros e estrangeiros na construção de um cotidiano organizacional intercultural. Tese (Doutorado). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Bueno, J. M., & Freitas, M. E. (2015). As equipes multiculturais em subsidiárias brasileiras de multinacionais: um estudo de casos múltiplos. Revista Organizações & Sociedade, 22(72), 15-34.

Caligiuri, P. M. (2000). Selecting expatriates for personality characteristics: a moderating effect of personality on the relationship between host national contact and cross-cultural adjustment. Management International Review, 40(1), 61–80.

Cerdin, J. L. (2002). L’expatriation. (10a ed.). Paris: Éditions d’Organisation.

Domingues, C. R. (2011). Políticas de carreiras para o gestor internacional: um estudo em empresas brasileiras internacionalizadas. Tese (Doutorado). Fundação Getúlio Vargas. São Paulo.

Domingues, C. R., & Bueno, J. M. (2008). Gestão internacional e cultura nacional brasileira: retratos das abordagens e pontos de contato. REBRAE - Revista Brasileira de Estratégia (Impresso), 1(1), 5-20.

Freitas, M. E. (2002). Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? (3a ed.). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Freitas, M. E. (2009). A mobilidade como novo capital simbólico ou sejamos nômades. Revista Organizações & Sociedade, 16(49), 247-264, abr./jun.

Gallon, S., Scheffer, A. A. B., & Bitencourt, B. M. (2014). A expatriação e o seu papel estratégico nas empresas internacionalizadas. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 9(1), 38-56.

González, J. M. R., & Oliveira, J. A. O. (2011). Os efeitos da expatriação sobre a identidade: estudo de caso. Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 1122–1135, dez.

Homem, I. D., & Tolfo, S. R. (2004). Gestão intercultural: perspectivas para o ajustamento de executivos expatriados. In: Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 28., 2004, Curitiba. Anais... 1-16.

Marcelo, J. F., & Hayashi, M. C. P. I. (2013). Estudo bibliométrico sobre a produção científica no campo da Sociologia da Ciência. Revista Informação & Informação, 18(3), 138-153.

Moreira, M. Z., Norões, J. L., & Ogasavara, M. H. (2014). Framework da estratégia de expatriação no âmbito do indivíduo, da organização e do ambiente internacional. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 9(1), 81-100.

Oliveira, A. C., Dórea, J. G., & Domene, S. M. A. (1992). Bibliometria na avaliação da produção científica da área de nutrição registrada no Cibran: período de 1984-1989. Revista Ciência da Informação, 21(3), 239-242, set./dez.

Peltokorpi, V., & Froese, F. (2009). Organizational expatriates and self-initiated expatriates: who adjusts better to work and life in Japan? The International Journal of Human Resource Management, 20(5), 1096-1112.

Rego, A., & Cunha, M. P. E. (2009). Manual de gestão transcultural de Recursos Humanos. Lisboa: Editora RH.

Ribeiro, H. C. M., & Corrêa, R. (2014). 10 anos de pesquisa da Revista Brasileira de Inovação sob a ótica da bibliometria e da rede social. Revista Administração: Ensino e Pesquisa, 15(4), 729-767, dez.

Santos, A. R. (2007). Metodologia científica: a construção do conhecimento. (7a ed.). Rio de Janeiro: Lamparina.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. (4a ed.). Florianópolis: UFSC.

Spanger, M. A. F. C. (2012). Glamour e sombras na expatriação de executivos e executivas globais: intercorrências no trabalho e na família. Tese de Doutorado em Tecnologia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

Suutari, V., & Brewster, C. (2000). Making their own way: international experience through self-initiated foreign assignments. Journal of World Business, 35(4), 417-436.

Tanure, B., Evans, P., & Pucik, V. (2007). A gestão de pessoas no Brasil: Virtudes e Pecados Capitais. Estudos de Caso. Rio de Janeiro: Elsevier.

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, 31(2), 152-162, maio/ago.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v10i1.844

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Ágson Aquino Zago, Carlos Roberto Domingues, Adrianne Marina dos Santos Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia