Possibilidades de internacionalização do Curso de Secretariado Executivo na América do Sul

Autores

  • Débora Andrea Liessem Vigorena Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná
  • Maura Bernardon Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná
  • Patrícia Stafusa Sala Battisti Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná
  • Caroline Alexandra de Barcellos Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v9i3.800

Palavras-chave:

Secretariado Executivo, Internacionalização do Ensino Superior, Matriz Curricular

Resumo

Tendo em vista os ganhos institucionais advindos do processo de internacionalização da educação superior, este estudo tem como objetivo geral buscar possibilidades para ações de internacionalização entre o Curso de Secretariado Executivo (SE) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e aqueles localizados em países sul-americanos. Como objetivo específico, pretende-se identificar os cursos de graduação que se assemelham à nomenclatura e à matriz curricular de formação do profissional de SE. A partir desse conhecimento, entende-se que haverá maior possibilidade de cooperação internacional a fim de fortalecer a formação dos estudantes, assim como contribuir com o processo de verticalização da área de SE. Para tanto, explana-se sobre conceitos de internacionalização da educação superior, bem como sobre a internacionalização do currículo. Trata-se de um estudo de caso comparativo, apoiado no método exploratório-descritivo e na técnica de coleta de dados secundários. Os resultados apontaram que, no contexto sul-americano, apenas o Equador oferta cursos de SE em nível superior em termos próximos aos do Brasil. Por um lado, a comparação entre as matrizes curriculares revelou muitas semelhanças entre as disciplinas da área secretarial; por outro lado, as disciplinas da área administrativa e comunicação demonstraram menores semelhanças. Essa dificuldade em encontrar cursos com maior compatibilidade sugere, como apontado na literatura, uma necessidade de maior flexibilização para a mobilidade acadêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Andrea Liessem Vigorena, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná

Graduada em Secretariado Executivo pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná - Curitiba/PR. Doutora em Administração pela Universidade Positivo - Curitiba/PR. Docente do Curso de Secretariado Executivo – UNIOESTE. Membro do GPSEB (Grupo de Pesquisa em Secretariado Executivo Bilíngue) da UNIOESTE.

Maura Bernardon, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná

Graduada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestre em Inglês e Literatura Correspondente pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Letras pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Curso de Secretariado Executivo – UNIOESTE. Membro do GPSEB (Grupo de Pesquisa em Secretariado Executivo Bilíngue) da UNIOESTE.

Patrícia Stafusa Sala Battisti, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná

Graduada em Secretariado Executivo pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Doutora em Administração pela Universidade Positivo de Curitiba/PR. Docente do Curso de Secretariado Executivo – UNIOESTE. Membro do GPSEB (Grupo de Pesquisa em Secretariado Executivo Bilíngue) da UNIOESTE.

Caroline Alexandra de Barcellos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná

Graduada em Publicidade e Propaganda pela Faculdade Sul Brasil - Fasul. Graduada em Letras Inglês e Literaturas Correspondentes pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Leciona inglês e espanhol há 15 anos em escola livre de idiomas.

Referências

Altbach, P. G. (2002). Knowledge and education as international commodities: The collapse of the common good. Current Issues. Catholic Higher Education. USA, 22, pp. 2-5.

Altbach, P. G., Reisberg, R. & Rumbley, L. E. (2009). Trends in global higher education: tracking an academic revolution. Unesco, a report of the Word Conference on Higher Education.

Aveiro, T.M.M. (2014). O programa Ciência sem Fronteiras como ferramenta de acesso à mobilidade internacional. Revista de Educação Ciência e Tecnologia. Rio Grande do Sul: Instituto Federal, 3 (2), pp.1-21.

Beelen, J. (2015). The long wait: researching the implantation of internationalization at home. Centre for Applied Research on Economics and Management (Carem, 2015). Hogeschool van Amsterdam, University of Applied Sciences The Netherlands.

Borges, G. da R. & Amal, M. (2016). Internacionalização de cursos stricto sensu: uma investigação sobre a distância psíquica e as práticas adotadas. Revista GUAL (Revista Gestão Universitária na América Latina). Florianópolis: UFSC, 9 (2), pp. 260-281, maio.

Brasil (2008). Institui a rede federal de educação profissional científica e tecnológica e dá outras providências. Congresso Nacional. Lei 11.892, de 29 de dezembro de 2008.

Capes - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2017). Avaliação da pós-graduação. Recuperado de: <http://www.capes.gov.br/avaliacao/ sobre-a-avaliacao>.

De Wit, H. (2002). Internationalization of higher education in the United State and Europe. Westport: Greenwood. (Cap. 6, pp.104-119).

_____. (2011). Internationalization of higher education: nine misconceptions. International Higher Education, 34, summer, pp. 6-7.

Feilzer, M. Y. (2010). Doing mixed methods research pragmatically: Implications for the rediscovery of pragmatism as a research paradigm. Journal of Mixed Methods Research. Stanford/US, Sage: pp. 6-16.

Hudzik, J. K. (2011). Comprehensive internationalization: from concept to action. Washington: Nafsa,

Ilari, R. (2006). Linguística românica (3a ed.). São Paulo: Ática.

Johanson, J. & Vahlne, J. (1977). The internationalization process of the firm – a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies. London/UK: Palgrave Macmillan, 8(1), pp. 23-32.

______. (2013). The Uppsala model on evolution of the multinational business enterprise – from internalization to coordination of networks. International Marketing Review. Bingley/UK: Emerald Group Publishing, 30, pp. 189-210.

Johanson, J. & Wiedersheim-Paul, F. (1975). The Internationalization of the firm – Four Swedish Cases. Journal of Management Studies. Malden, EUA: Wiley On-line Library, 3(12), pp. 305-322.

Knight, J. (1994). Internationalization: elements and checkpoints. CBIE Research Paper, n. 7, Ottawa: Canadian Bureau for International Education.

_____. (2004). Internationalization remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of Studies in International Education, 8(1), pp. 5-31.

_____. (2012). Student mobility and internationalization: trends and tribulations. Research in comparative & international education, 7(1), pp.20-33.

_____. (2008). Higher education in turmoil: the changing world of internationalization. Rotterdam: Sense Publishers. Recuperado de: <https://www.sensepublishers.com/media/475-higher-education-in-turmoil.pdf>.

Laus, S. P. & Morosini, M. C. (2005). Internationalization of higher education in Brazil. In De Wit, H.; Jaramillo, I. C.; Gacel-Ávila, J. & Knight, J. Higher education in Latin America: the international dimension. World Bank Group. (Eds.), pp. 111-148.

Leal, F. G. & Moraes, M. C. B. (2017). Perspectivas de atuação do Secretário Executivo na gestão da internacionalização da educação superior. Revista de Gestão e Secretariado, 8(1), pp.138-167.

Leal, F.; Céspedes, R. R. & Stallivieri, L. (2017). O perfil do gestor universitário de cooperação internacional no Brasil. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais. São Paulo, 12(2), 1-16, maio/ago.

Leask, B., Hunter, F. & Rumbley, L. (2014). Editorial. Journal of Studies in International Education, 18(1), pp. 3-5.

Leite, D. & Genro, M. E. H. (2012). Avaliação e internacionalização da educação superior: quo vadis América Latina? Avaliação, Campinas; Sorocoba, SP, 17(3), pp.763-785

Lima, M. C. & Contel, F. B. (2011). Internacionalização da Educação Superior: Nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda.

Lopes, João R.C. (2015). Assimetria de distância psíquica: uma medição extrarregional no Brasil. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, UFRJ.

Maçaneiro, M. B. & Kühl, M. R. (2013). Estado da arte e o rumo do conhecimento científico em secretariado executivo: mapeamento e análise de áreas de pesquisa. R. G. Secr., GESEC, 4(3), pp. 157-188.

Moreira, A. F. B. & Candau, V. M. (2007). Indagações sobre o currículo: currículo, conhecimento e cultura. MEC/SEB, Brasília, 2007. Recuperado de: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf>.

Moreira, A. F. B. & Silva, T. T. (1994) Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: Moreira, A. F. B.; Silva, T. T (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez.

Morosini, M. C. (2006). Estado do conhecimento sobre internacionalização da educação superior: conceitos e práticas. Educar, Editora UFPR, 28, pp. 107-124.

Paige, R. M. (2005). Internationalization of higher education: performance assessment and indicators. Journal Nagoya, 8(5), pp. 99-122. Retrieved from: <http://www.cshe. nagoya-u.ac.jp/publications/journal/no5/08.pdf >.

Restrepo, J. M. (2005) El sistema de créditos académicos en la perspectiva colombiana y Mercosur: aproximaciones al modelo europeo. Revista de la Educación Superior, 3(135), jul.-set., pp. 131-152.

Rodrigues, F. (2016). Ciências sem fronteiras muda e deixa de fora estudantes da graduação. Recuperado de: https://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2016/07/23/ciencia-sem-fronteiras-muda-e-deixa-de-fora-estudantes-da-graduacao.

Rudzki. R. E.J. (2000) Implementing internationalization: the practical application of the fractal process model. Journal of Studies in International Education, 4, Fall, pp. 77-90.

Sacristán. J. G. (2002) Educar e conviver na cultura global: as exigências da cidadania. Porto Alegre: Artmed.

Santos, B.S. (2011). Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Editora Cortez.

Uleam – Universidad Laica Eloy Alfaro de Manabí (2017). Facultad de Gestión, Desarrollo y Secretariado Ejecutivo. Recuperado de: <http://carreras.uleam.edu.ec/secretariado-ejecutivo/>.

Unioeste – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. (2017). Projeto político-pedagógico do Curso de Secretariado Executivo. Toledo/PR: Colegiado Secretariado.

Van Der Wende, M. (1999). An innovation perspective on internationalization of higher education: the critical phase. Journal of Studies in International Education, 3, Spring, pp.3-14.

_______. (2003). Globalization and access to higher education. Journal of Studies in International Education, 7, summer, pp. 193-206, 2003.

Vigorena, D. A. L. (2017). Internacionalização na pós-graduação stricto sensu em administração. Tese de Doutorado, 2017. Universidade Positivo, Programa Mestrado e Doutorado em Administração, Curitiba, BR-PR

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2019-01-07

Como Citar

Vigorena, D. A. L., Bernardon, M., Battisti, P. S. S., & Barcellos, C. A. de. (2019). Possibilidades de internacionalização do Curso de Secretariado Executivo na América do Sul. Revista De Gestão E Secretariado, 9(3), 178–205. https://doi.org/10.7769/gesec.v9i3.800

Edição

Seção

Artigos