Assessoria executiva em arquivos: relato das percepções acadêmicas de um projeto de extensão universitária

Luciane Fontana Matoso Silva

Resumo


Além de possibilitar a formação do profissional cidadão, a extensão universitária credencia-se, cada vez mais, junto à sociedade, como espaço privilegiado de produção do conhecimento significativo para a superação das desigualdades sociais existentes. Com vistas ao aprendizado acadêmico das práticas secretariais, o projeto de extensão Assessoria Executiva em Arquivos procurou incentivar os acadêmicos do curso de Secretariado Executivo a disseminar conhecimentos pertinentes às técnicas de arquivamento por meio da assessoria nas organizações. Nesse sentido, um processo de assessoria executiva foi implementado nos arquivos de um departamento de uma universidade pública do estado do Paraná e, a partir do projeto citado, indagou-se: Como a assessoria em arquivos pode contribuir para a formação do profissional de secretariado executivo? Esse questionamento direcionou para o objetivo geral deste artigo, que foi relatar a percepção dos acadêmicos de Secretariado Executivo de uma universidade pública do Paraná durante a participação do Projeto de Extensão Assessoria Executiva em Arquivos. Os objetivos específicos do estudo foram: a) identificar as percepções acadêmicas a respeito da experiência da assessoria em arquivos; e b) evidenciar o profissional de secretariado executivo como gestor documental nas organizações. Para tanto, a partir de um estudo de caso, a pesquisa contou com uma metodologia qualitativa e de natureza descritiva, em que foram coletados relatos dos discentes participantes do projeto a partir da técnica de observação participante, da triangulação dos dados e da análise de conteúdo. A assessoria prestada evidenciou que a prática do secretariado possibilita ao profissional de secretariado executivo orientar e acompanhar a implementação de planos de arquivo, além de compartilhar seus conhecimentos adquiridos no ambiente acadêmico.


Palavras-chave


Arquivo. Assessoria Executiva. Secretariado Executivo.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2004). Análise de Conteúdo. Lisboa, Edições 70.

Beltrão, M., & Passos, E. I. (1991). Prática de secretariado: recepção, telefonia, correspondência, arquivística, reprografia. (2a ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Biscoli, F. R. V., Alves, J. K. D., Moura, J. E. de, & Vorpagel, J. S. (2012). A extensão universitária e os acadêmicos de Secretariado Executivo da Unioeste/Campus Toledo. Revista Conexão, 8(2). Recuperado em 12 novembro, 2017 de http://www.revistas2.uepg.br/ index.php/conexao/article/view/4558.

Camargo, A. M. A, Bellotto, H. L., & Botani, A. S. L. (1996). Dicionário de Terminologia Arquivística. Associação dos Arquivistas Brasileiros. Núcleo Regional de São Paulo.

Flick, U. (2004). Entrevistas semiestruturadas. In: Flick, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 35(2), 57-63. Recuperado em 15 janeiro, 2017 de http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/10.1590_S0034-75901995000200008.pdf.

Godoy, A. S. (2010). Estudo de caso qualitativo. In: Godoi, C. K. (Org.). Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, pp.115-146.

Gomes, R. C. S., Figueiredo, A. M. R., & Ghedin, E. (2011). Os processos cognitivos mobilizados pelo ensino com pesquisa na pedagogia universitária. Rev. Areté, 4(6), Manaus, 9-13.

Jenize, E. (2004). As Práticas Curriculares e a Extensão Universitária. In: Congresso Brasileiro De Extensão Universitária, 2., Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte. Recuperado em 12 novembro, 2017 de http://br.monografias.com/trabalhos-pdf901/as-practicas-curriculares/as-practicas-curriculares.pdf.

Montezano, N. S., Souza, R. B. de, & Baeta, O. V. (2015). A importância da gestão da informação para a atuação profissional do secretário executivo – uma revisão de literatura nacional integrativa. R.G.Secr.,GESEC, São Paulo, 6(2), 111-133, maio./agosto.

Nonato Júnior, R. (2009). Epistemologia e Teoria do Conhecimento em Secretariado Executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Paes, M. L. (2004). Arquivo: teoria e prática. (3a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Paterson, B. L., Bottorff, J. L., & Hewat, R. (2003). Blending observational methods: possibilities, strategies and challenges. International Journal of Qualitative Methods, 2(1), 29-38.

Piccoli, A. L., Moreira, K. D., & Martins, C. B. (2017). O profissional de secretariado e a gestão documental: processo de implantação de arquivo digital em uma organização do setor privado. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 12(2).

Programa Nacional de Modernização e Gestão Pública – Pnage. (2007). Título 3: Da documentação e arquivo. 20p. Recuperado em 12 novembro, 2017 de http://www.pnage.pa.gov.br/sites/default/files/4_Documentaçao_e_Arquivo.pdf.

Rodrigues, A. L. L., Prata, M. S., Batalha, T. B. S., Costa, C. L. N. do A., & Passos Neto, I. de F. (2013). Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de Graduação – Ciências Humanas e Sociais - UNIT, 1(16),141-148.

Santos, B. S. (1994). Pelas mãos de Alice: o social e política na pós-modernidade. Porto, Portugal: Edições Afrontamento.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. (23a ed.). São Paulo: Cortez.

Schellenberg, T. R. (2006). Arquivos modernos, princípios e técnicas. Rio de Janeiro: FGV.

Silva, E. W. da. (2012). Extensão universitária no Rio Grande do Sul: concepções e práticas. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Silva, M. S., & Vasconcelos, S. D. (2006). Extensão universitária e formação profissional: avaliação da experiência das Ciências Biológicas na Universidade Federal de Pernambuco. Estudos em Avaliação Educacional, 17(33), jan./abr. Recuperado em 10 setembro, 2017 de http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1280/1280.pdf.

Sousa, R. F. R. de, Barros, C. M. P. de, & Agostinho Filho, J. C. (2017). Docência e Extensão: projeto “Caminhos do Saber em Secretariado Executivo”. Revista Extensão em Ação, 2(14), jul./dez., 67-80. Recuperado em 15 setembro, 2017 de file:///D:/Arquivos%20Usuario/Downloads/20314-91607-1-PB.pdf.

Varela, K., & Neumann, S. E. (2011). A importância da arquivologia na profissão de secretário executivo. Secretariado Executivo em Revist@, Passo Fundo, 7, 36-48, jan. Recuperado em 10 setembro, 2017, de http://www.upf.br/seer/index.php/ser/article/view/2325/1479.

Vaz, C. de F. M., Oliveira, I. R. de., & Stocco, J. A. P. (2014). A extensão universitária no Secretariado Executivo: algumas contribuições do projeto Super’ação – secretariado vai à escola. Cataventos. Cruz Alta, 1. Recuperado em 15 setembro, 2017, de http://revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/Cataventos/article/view/565.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zwirtes, C. L., & Durante, D. G. (2007). Gestão documental: atuação do secretário executivo. Secretariado Executivo em Revist@, 3, 1-11.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v10i1.792

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Luciane Fontana Matoso Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia