Instituição de ensino superior: análise das capacidades resilientes diante das políticas de ações afirmativas

Rosa Freitas Albuquerque, Cristiane Drebes Pedron, Luc Quoniam

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar as capacidades resilientes de uma Instituição de Ensino Superior [IES] diante da implementação de Políticas de Ações Afirmativas [PAA]. A pesquisa tem natureza qualitativa e exploratória e foi conduzida a partir de um estudo caso em uma EIS pública brasileira. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas, recolha de dados secundários e observação direta. Apesar de os resultados indicarem que as capacidades resilientes de colaboração, adaptação, consciência da situação e identificação das vulnerabilidades possam influenciar positivamente na implementação das PAA em uma IES pública, constatou-se que, na organização estudada, é necessário um maior envolvimento dos diferentes stakeholders para se desenvolver a capacidade de colaboração e identificação das vulnerabilidades diante da adoção das PAA.


Palavras-chave


Políticas de Ações Afirmativas. Resiliência organizacional. Instituições públicas de ensino superior.

Texto completo:

PDF

Referências


Aprile, M. R., & Barone, R. E. M. (2009). Educação superior: políticas públicas para inclusão social. Revista Ambiente Educação, 2(1), 39-55.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Benedito, V. L. (2006). Ações afirmativas à brasileira: em busca do consenso. Caderno CRH, 15(36).

Boin, A., & Van Eeten, M. J. (2013). The resilient organization. Public Management Review, 15(3), 429-445.

Burnard, K., & Bhamra, R. (2011). Organisational resilience: development of a conceptual framework for organisational responses. International Journal of Production Research, 49(18), 5581-5599.

Capano, G., & Woo, J. J. (2017). Resilience and robustness in policy design: A critical appraisal. Policy Sciences, 1-28.

Cho, S., Mathiassen, L., & Robey, D. (2007). Dialectics of resilience: a multi-level analysis of a telehealth innovation. Journal of Information Technology, 22(1), 24-35.

Cruz Neto, O., & Moreira, M. R. (1999). A concretização de políticas públicas em direção à prevenção da violência estrutural. Ciência & Saúde Coletiva, 4 (1), 33-52.

Daflon, V. T., Feres Júnior, J., & Campos, L. A. (2013). Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, 43(148), 302-327.

Da Silva, S. P. M. (2005). Discriminação positiva: ações afirmativas na realidade brasileira. Brasília Jurídica.

Dos Santos, A. P. (2012). Itinerário das ações afirmativas no ensino superior público brasileiro: dos ecos de Durban à Lei das Cotas.

Feres Júnior, J., Daflon, V., & Campos, L. A. (2011). A ação afirmativa no ensino superior brasileiro – (GEMAA). Rio de Janeiro: IESP-UERJ.

Feres Júnior, J., & Daflon, V. (2014). Políticas da igualdade racial no ensino superior. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, (5), 31-44.

Feres Júnior, J., Daflon, V., Ramos, P., & Miguel, L. (2013). O impacto da Lei nº 12.711 sobre as universidades federais. Levantamento das políticas de ação afirmativas (GEMAA)(Rio de Janeiro: IESP-UERJ) setembro, 1-34.

Erol, O., Sauser, B. J., & Mansouri, M. (2010). A framework for investigation into extended enterprise resilience. Enterprise Information Systems, 4(2), 111-136.

Gibson, C. A., & Tarrant, M. (2010). A conceptual models approach to organisational resilience. Australian Journal of Emergency Management, 25(2), 6.

Gittell, J. H., Cameron, K., Lim, S., & Rivas, V. (2006). Relationships, layoffs, and organizational resilience: Airline industry responses to September 11. The Journal of Applied Behavioral Science, 42(3), 300-329.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Godwin, I., & Amah, E. (2013). Knowledge management and organizational resilience in Nigerian manufacturing organizations. Developing Country Studies, 3(9), 104-120.

Gomes, J. B. B., & Silva, F. D. L. L. D. (2001). As ações afirmativas e os processos de promoção da igualdade efetiva. Cadernos do CEJ, 24, 86-123.

Goldemberg, J., & Durham, E. R. (2007). Cotas nas universidades públicas. Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, pp. 167-172.

GEMAA - Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa. (2011). "Ações afirmativas".

Haas, C. M., & Linhares, M. (2013). Políticas públicas de ações afirmativas para ingresso na educação superior se justificam no Brasil? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 93(235), 836-863.

Hamel, G., & Valikangas, L. (2003). The quest for resilience. Harvard Business review, 81(9), 52-65.

Heringer, R. (2014). Um balanço de 10 anos de políticas de ação afirmativa no Brasil. Revista TOMO.

Horne, J. F., & Orr, J. E. (1997). Assessing behaviors that create resilient organizations. Employment Relations Today, 24(4), 29-39.

Leite, J. L. (2011). Política de cotas no Brasil: política social?. Revista Katálysis, 14(1).

Lengnick-Hall, C. A., Beck, T. E., & Lengnick-Hall, M. L. (2011). Developing a capacity for organizational resilience through strategic human resource management. Human Resource Management Review, 21(3), 243-255.

McCann, J., Selsky, J., & Lee, J. (2009). Building agility, resilience and performance in turbulent environments. People and Strategy, 32(3), 44-51.

McManus, S. T. (2008). Organisational resilience in New Zealand. Tese de Doutorado. University of Canterbury.

Medeiros, C. A. (2005). Ação Afirmativa no Brasil: um debate em curso. Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas, 121.

Moehlecke, S. (2002). Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 117(11), 197-217.

Moura, D. M. D. (2014). Políticas públicas educacionais PROUNI e FIES: democratização do acesso ao ensino superior. Seminário Internacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, (11).

Munanga, K. (2001). Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Sociedade e cultura, 4(2).

Passos, J. C. (2015). Relações raciais, cultura acadêmica e tensionamentos após ações afirmativas. Educação em Revista, 31(2), 155-182.

Pellissier, R. (2010). The implementation of resilience engineering to enhance organizational innovation in a complex environment. International Journal of Business and Management, 6(1), 145.

Pereira, T. I., & da Silva, L. F. S. C. (2010). As políticas públicas do ensino superior no governo Lula: expansão ou democratização?. Revista Debates, 4 (2), 10.

Richardson, R. J., & Peres, J. A. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Salgado, C. M. (2012). La Resiliencia y su empleo en las organizaciones. Gestión y Estratégia, 41, pp. 29-39.

Segato, R. L. (2006). Cotas: por que reagimos?. Revista USP, (68), 76-87.

Seville, E. (2008). Resilience: Great Concept But What Does It Mean?. Paper Presented at the US Council on Competitiveness Workshop, Risk and Resilience. Wilmington, USA.

Sheffi, Y. (2007). Building a resilient organization. Bridge-Washington-National Academy of Engineering, 37(1), 30.

Souza, E. A. D., & Pereira, R. D. R. (2016). Políticas de ações afirmativas e os desafios da universidade no século XXI. Simpósio Nacional de Educação (9.: 2016: Frederico Westphalen, RS). Anais. Frederico Westphalen.

Starr, R., Newfrock, J., & Delurey, M. (2003). Enterprise resilience: managing risk in the networked economy. Strategy and Business, 30, 70-79.

Sutcliffe, K. M., & Vogus, T. J. (2003). Organizing for resilience. Positive Organizational Scholarship, 94-110.

Toubia, A. A. T., & Lima, P. G. (2015). Ações afirmativas na educação: os avanços na realidade brasileira na perspectiva da universidade para todos. Laplage em Revista, 1(3), 118-129.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2010). Relatório de Avaliação Institucional 2014. Cuiabá-MT, Reitoria /UFMT.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2009). Resolução CONSEPE Nº 110, DE 10 de novembro de 2003/UFMT.

Whitehorn, G. (2010). Building Organisational Resilience, in the Public Sector. In Comcover Insurance and Risk Management Conference (Vol. 21).

Vickers, M. H., & Kouzmin, A. (2001). ‘Resilience’in organizational actors and rearticulating ‘voice’: towards a humanistic critique of New Public Management. Public Management Review, 3(1), 95-119.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. (4a ed.). Porto Alegre: Bookman editora.

Yunes, M. A. M., Szymanski, H., & Tavares, J. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. Resiliência e Educação, 2, 13-43.

Zolkoski, S. M., & Bullock, L. M. (2012). Resilience in children and youth: A review. Children and Youth Services Review, 34(12), 2295-2303.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v10i1.752

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Rosa Freitas Albuquerque, Cristiane Drebes Pedron, Luc Quoniam

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia