A Gestão Democrática em Servidores do IFRN: Um Estudo das Representações Sociais

Ionara Dantas Estevam, Paula Francinete Araújo Batista, NILTON SOARES FORMIGA

Resumo


O processo de gestão educacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte aparece como gestão democrática, crítica e dialética, no qual o poder é descentralizado e as decisões são tomadas por meio dos conselhos e da participação da comunidade escolar. Assim, neste estudo, a concepção de gestão democrática-participativa foi adotada a partir de sua relação com a Teoria das Representações Sociais, pois tal intersecção possibilita o estudo elaborado e compartilhado do senso comum, uma vez que está sempre pautada na inter-relação entre os atores sociais e o seu entorno. Sendo assim, este estudo tem como objetivo analisar as representações dos servidores em relação ao processo de gestão democrática no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho exploratório-descritivo, realizada em três campi do IFRN, com 130 servidores, sendo estes do sexo masculino e feminino e com idade acima de 21 anos. Utilizou-se como instrumento para a coleta de dados uma entrevista estruturada. Os dados coletados foram submetidos à Técnica de Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados apontam para a necessidade de materialização do que está escrito nos documentos oficiais e o desenvolvimento da concepção de gestão democrática dentro da instituição. As dificuldades encontradas têm relação com vários fatores, tais como: falta de participação dos servidores, conhecimento superficial dos documentos oficiais, teoria sem prática, dificuldade de usufruir das ações macro da instituição, entre outras.


Palavras-chave


Gestão; Democracia; Representação social; Servidores públicos

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barcelar, I. V. (1997). Escola, descentralização e autonomia. Revista de Administração Escolar, 1 (1), 27-37.

Bordenave, J. E. D. (1983). O que é participação. São Paulo: Brasiliense.

Brasil, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.

_____. (1996). Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, Brasília, DF.

_____. (2008). Lei nº. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de 88 Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 30 dez. 2008, Seção 1, p. 1. Brasília, DF.

Brito, L. M. & Holanda, F. C. (2009). Gestão participativa na educação. Pretexto, 10 (1), 29-48.

Dourado, L F. (2007). Políticas e gestão da educação básica no Brasil: Limites e perspectivas Educ.Soc., 28(100), 921-946. Recuperado em outubro, 2017, de HTTP:// www.cedes.unicamp.br.

Gramsci, A. (2001). Cadernos do cárcere. Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. (2a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Faul, F., Erdfelder, E., Lang, A. G., & Buchner, A. (2007). G* Power 3: A flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behavior research methods, 39(2), 175-191.

Ferreira, N. S. C. (2004). Gestão democrática da educação: ressignificando conceitos e possibilidades. In: Ferreira, N. S. C. & Aguiar, M. A. S. (org.). Gestão da educação: impasses, perspectiva e compromissos. São Paulo: Cortez.

Fernandes, F. C. M. (2015). Racionalidades e ambiguidades da organização Instituto Federal: o caso do Rio Grande do Norte. Braga: Universidade do Minho - Instituto de Educação.

França, M. (2004). Gestão educacional nos anos 90: um estudo da descentralização financeira. Tese de doutorado em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, Natal.

Gatti J, D. A. (2002). A história das instituições educacionais: inovações paradigmáticas e temáticas. In: Araújo, J. C, S. & Gatti J. D. A. (Org). Novos temas da educação brasileira; instituições escolares na imprensa, (pp. 3-24) Campinas: Autores associados, Edufu.

Gracindo, R.V. (2009). O gestor escolar e as demandas da gestão democrática. Exigências, práticas, perfil e formação. Revista Retratos da Escola, Brasília, 3(4), 135-147. Disponível em: .

IFRN -Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (2010). Regimento Geral do IFRN. Natal-RN.

_____. (2012). Projeto Político Pedagógico do IFRN. Natal-RN.

_____. (2014). Plano de Desenvolvimento Institucional do IFRN. Natal-RN.

Jodelet, D. (2001). Representação social: um domínio em expansão. In: Jodelet, D. As representações sociais, (pp. 17-44). Rio de Janeiro: UERJ.

Jovchelovitch, S. (2001). Cultura e pesquisa. Representações sociais: saberes sociais e polifasia cognitiva, (pp.1-56). EduCadernos, Caderno 2.

Luck, H. (2006). Concepções e processos democráticos de gestão educacional. Petrópolis: Vozes.

_____. (2004). A escola participativa: o trabalho do gestor escolar (6a ed). Rio de Janeiro: DP&A.

_____. (2000). Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em Aberto, 17(72), 22.

Lima, L. (2000). Escola como organização educativa. São Paulo: Cortez.

Macedo, G. (2000). A universidade dialética: Consciência, liberdade e saber (4a ed.). Ed. Edufal, Editora da Universidade.

Moscovici, S. (1978). Comunicação apresentada ao Colóquio: Representações Sociais (pp. 8-10). Paris, EHESS.

_____. (1996). La Psychnalyse, son, image et son public. Paris: Presses Universitaires de France.

_____. (2003). Representações sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis- RJ: Vozes.

Melo, M. T. L. et al. (2000). Gestão da educação: impasses, perspectiva e compromissos. São Paulo: Cortez.

Nascimento-Schulze, C. & Camargo, B. (2000) Psicologia social, representações sociais e métodos. Temas em Psicologia, 8 (3), 287-299.

Paro, V. H. (2012). Administração Escolar: introdução crítica (17a ed). São Paulo: Editora Cortez.

Veiga, I. P. A. (1997). Projeto político pedagógico – Uma construção possível. Campinas, SP: Papirus.

Santos, M. de F. & Almeida, L. M. (2005). Diálogo com a teoria das representações sociais. Universitária: UFPE.

Santos, I.M. & Prado, E.C. (2014). A gestão da educação e o programa mais educação. Educação em Perspectiva, 5(1), 156-173.

Souza, A. R. de. (2009). Explorando e construindo um conceito de gestão escolar democrática. Educação em revista. 25(3), 123-140.

Trindade, Z. A.; Santos, M. F. S.; & Almeida, A.M. O. (2014). Ancoragem: notas sobre consensos e dissensos. Em: Oliveira, A. M. el al. (Org). Teoria das Representações Sociais:50 anos. Brasília: Techopolitik.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v9i2.744

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Ionara Dantas Estevam, Paula Francinete Araújo Batista, NILTON SOARES FORMIGA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia