Análise da evidenciação ambiental nas corporações brasileiras de alto impacto ambiental listadas na BM&FBOVESPA

Raiziane Cássia Freire da Silva, Rosane Maria Seibert, Lucélia Ivonete Juliani, Berenice Beatriz Rossner Wbatuba

Resumo


O objetivo deste estudo foi o de identificar quais são as informações ambientais que as corporações brasileiras, classificadas como de alto impacto ambiental listadas na BM&FBOVESPA, divulgam em seus sítios de internet. A amostra foi constituída por 43 corporações. A abordagem metodológica utilizada foi quantitativa e a coleta de evidências foi bibliográfica, documental e observação não participante nos sites das corporações que compõem a amostra. Os dados foram tratados por meio de análise de conteúdo, estatística descritiva e análise de variância (Anova). Os resultados demonstram que a categoria “Outras informações ambientais” é a mais divulgada, enquanto “Políticas ambientais” é o indicador com maior nível de evidenciação. Também aponta o segmento de “Celulose e papel” como o que mais disponibiliza informações ambientais. Quando as informações são analisadas por segmento constata-se o baixo nível de evidenciação, o que indica a necessidade do aumento de divulgação de informações ambientais pelas corporações. A análise da variância indica que as médias não são iguais entre os indicadores expostos, o que confirma os diferentes níveis de evidenciação das corporações classificadas como de alto impacto ambiental.


Palavras-chave


Evidenciação Ambiental. Teoria da Legitimidade. Corporações de Alto Impacto Ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bebbingont, J., Larrinaga, C. & Moneva, J. M. (2008). Corporate social reporting and reputation risk management. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(3), 337-361.

Beuren, I. M. & Söthe, A. (2009). A teoria da legitimidade e o custo político nas evidenciações contábeis dos governos estaduais da região sudeste do Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(5), 98-120.

Beuren, I. M., Hein, N. & Boff, M. L. (2011). Estratégias de legitimidade organizacional de Lindblom versus geração familiar gestora de empresas familiares. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, 9(17), 56-72.

Burgwal, D. V. de & Vieira, R. J. O. (2014). Determinantes da divulgação ambiental em companhias abertas holandesas. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), 60-78.

Cho, C. H., Freedman, M. & Patten, D. M. (2012). Corporate disclosure of environmental capital expenditures: A test of alternative theories. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 25(3), 486-507.

Cho, C. H., & Patten, D. M. (2007). The role of environmental disclosures as tools of legitimacy: A research note. Accounting, Organizations and Society, 32(7), 639-647.

Clarkson, P. M., Xiaohua, F., Li, Y. & Richardson, G. (2013). The relevance of environmental disclosures: Are such disclosures incrementally informative? Journal of Accounting and Public Policy, 32(5), 410-431.

Conselho Federal de Contabilidade. (2004). NBC - T 15 – Informações de natureza social e ambiental. Recuperado em 28 de março, 2016, de http://www.portaldecontabilidade.com.br/nbc/t15.htm:

Cormier, D. & Magnan, M. (2015). The economic relevance of environmental disclosure and its impact on corporate legitimacy: An empirical investigation. Business Strategy and the Environment, 24(6), 431-450.

Correa, J. C., Gonçalves, M. N. & Moraes, R. de O. (2015). Disclosure ambiental das companhias do setor petróleo, gás e biocombustíveis listadas na BM&FBOVESPA: Uma análise à luz da teoria da legitimidade. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 4(3), 139-154.

Dantas, J. A., Zendersky, H. C., Santos, S. C. dos & Niyama, J. K. (2008). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Revista Economia & Gestão, 5(11), 56-76.

Deegan, C. (2002). Introduction: the legitimizing effect of social and environmental disclosures-a theoretical foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), 282-311.

Deegan, C. & Rankin, M. (1996). Do Australian companies report environmental news objectively? An analysis of environmental disclosures by firms prosecuted successfully by the environmental protection authority. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), 282-311.

Dye, R. A. (1986). Proprietary and nonproprietary disclosures. The Journal of Business, 59(2), 331-366.

Elijido-Ten, E.; Kloot, L. & Clarson, P. (2010). Extending the application of stakeholder influence strategies to environmental disclosures: An exploratory study from a developing country. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 23(8), 1032-1059.

Ezhilarasi, G. & Kabra, K. C. (2017). Factors influencing environmental disclosures: Evidence from India. Journal of Accounting Research & Audit Practices, 16(1), 7-24.

Fifka, M. S. (2013). Corporate Responsibility Reporting and its Determinants in Comparative Perspective – a Review of the Empirical Literature and a Meta‐analysis. Business Strategy and the Environment, 9(2), 50-67.

Freeman, E. R. (2002). Stakeholder theory of the modern corporation. Cambridge University Press.

Gallopin, G. C. (1996). Environmental and sustainability indicators and the concept of situational indicators. A system approach. Environmental Modelling & Assessment, 1, 101-117.

Global Reporting Iniciative (2015). Diretrizes para relatório de sustentabilidade. Recuperado em 28 de março, 2016, de https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/GRI-G3-Brazilian-Portuguese-Reporting-Guidelines.pdf.

Hammond, A. et al. (1995). Environmental indicators: a systematic approach to measuring and reporting on environmental policy performance in the context of sustainable development. Washington, D.C.: World Resources Institute.

Hardi, P. & Barg, S. (1997). Measuring sustainable development: review of current practice. Winnipeg: IISD.

Lei n. 10.165, de 27 de dezembro de 2000 (2000). Altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981 que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 2000. Recuperado em 14 maio, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10165.htm.

Lindblom, C. K. (1994). The implications of organizational legitimacy for corporate social performance and disclosure. In: Critical Perspectives on Accounting Conference, New York.

Macagnan, C. B. & Silva, V. (2012). Categorias de informações evidenciadas nos relatórios anuais. Redes, 17(2), 154-174.

Macêdo, F. F. R. R., Moura, G. D. de Dagostini, L. & Hein, N. (2013). Evidenciação ambiental voluntária e as práticas de governança corporativa de empresas listadas na BM&FBOVESPA. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(1), 3-18.

Marquezan, L. H. F., Seibert, R. M., Bartz, D., Barbosa, M. A. G. & Alves, T. W. (2015). Análise dos determinantes do disclosure verde em relatórios anuais de empresas listadas na BM&FBOVESPA. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(1), 127-150.

Martins, G. A. & Domingues, O. (2011). Estatística geral e aplicada (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Michelon, G. (2011). Sustainability disclosure and reputation: A comparative study. Corporate Repution Review, 14(2), 79-96.

Mir, M. Z. & Rahaman, A. S. (2011) In pursuit of environmental excellence: A stakeholder analysis of the environmental management strategies and performance of an Australian energy company. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 24(7), 848-878.

Morhardt, J. E. (2010). Corporate social responsibility and sustainability reporting on the internet. Business Strategy and the Environment, 19(7), 436-452.

Murcia, F. D. R., Fávero, L. P. L., Rover, S., Lima, G. A. S. F. & Lima, I. (2008). “Disclosure Verde” nas demonstrações contábeis: características da informação ambiental e possíveis explicações para a divulgação voluntária. Contabilidade, Gestão e Governança, 11(1-2), 260-278.

Murcia, F. D. R., & Santos, A. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 3(2), 72-95.

Nor, N. M., Bahari, N. A. S., Adnan, N. A., Kamal, S. M. Q., & Ali, I. M. (2016). The effect of environmental disclosure on financial performance in Malaysia. Procedia Economics and Finance, 35, 117-126.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

O’Donovan, G. (2002). Environmental disclosures in the annual report: Extending the applicability and predictive power of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), 344-371.

Ortas, E., Gallego‐Alvarez, I. & Etxeberria, I. A. (2014). Financial factors influencing the quality of corporate social responsibility and environmental management disclosure: A quantile regression approach. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 22(6), 362-380.

Parmar, B. L., Freeman, R. E., Harrison, J. S., Wicks, A. C., Purnell, L. & Colle, S. (2010). Stakeholder theory: The state of the art. The Academy of Management Annals, 4(1), 403-445.

Patten, D. M. (1992). Intra-industry environmental disclosures in response to the Alaskan oil spill: A note on legitimacy theory. Accounting, Organizations and Society, 17(5), 471-475.

Patten, D. M. (2002). The relation between environmental performance and environmental disclosure: a research note. Accounting, Organizations and Society, 27(8), 763-773.

Phillips, R. (2003). Stakeholder legitimacy. Business Ethics Quarterly, 13, 25-41.

Rempel, R. S., Andison, D. W. & Hannon, S. J. (2004). Guiding principles for developing an indicator and monitoring framework. The Forestry Chronicle, 80(1), 82-90.

Rover, S.; Borba, J. A. & Murcia, F. D. R. (2009). Características do disclosure ambiental de empresas brasileiras potencialmente poluidoras: análise das demonstrações financeiras e dos relatórios de sustentabilidade do período de 2005 a 2007. Contextus – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 7(1), 23-36.

Rover, S.; Murcia, F. D., & Murcia, F. C. S. (Fall/2015). The determinants of social and environmental disclosure practices: The Brazilian case. Environmental Quality Management, 25(1), 05-24.

Rover, S., Tomazzia, E. C., Murcia, F. D. R. & Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração, 47(2), 217-230.

Shocker, A. D. & Sethi, S. P. (1973). An approach to incorporating societal preferences in developing corporate action strategies. California Management Review, XV (4), 97-105.

Souza, J. L., Sousa, A. L. S., Parente, P. H. N., Ferreira, F. E. F. R., & Souza Filho, F. A. (2013). Disclosure ambiental de empresas listadas na BM&FBOVESPA: Avaliação de 19 itens do modelo ISAR/UNCTAD em 40 empresas. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Salvador, BA, Brasil, 33.

Suchman, M. C. (1995). Managing legitimacy: Strategic and institutional approaches. Academy of Management Review, 20(3), 571-610.

Van Bellen, H. M. (2004). Indicadores de sustentabilidade: um levantamento dos principais sistemas de avaliação. Cadernos Ebape.BR, II(1), 2004.

Vergara, S. C. (2010). Métodos de pesquisa em administração (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Verrecchia, R. E. (1983). Discretionary disclosure. Journal of accounting and economics, 5, 179-194.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of accounting and economics, 32(1), 97-180.

Wagenhofer, A. (1990). Voluntary disclosure with a strategic opponent. Journal of Accounting & Economics, 12, 341-363.

Watts, R. L. & Zimmerman, J. L. (1978). Towards a positive of the determination of accounting standards. The Accounting Review, 53(1), 112-134.

Yusoff, H., Lehman, G. & Nasir, N. M. (2006). Environmental engagements through the lens of disclosure practices: a Malaysian story. Asian Review of Accounting, 14(1/2), 122-148.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v9i3.705

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Raiziane Cássia Freire da Silva, Rosane Maria Seibert, Lucélia Ivonete Juliani, Berenice Beatriz Rossner Wbatuba

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia