Processo Sucessório: Estudo de Caso Em Uma Organização Familiar de Pequeno Porte do Ramo Imobiliário Conduzida Por Mulheres

Andreia Pandolfi dos Santos, Chaiene Oliveira, Simone Sehnem, Jorge Brognoli

Resumo


Este artigo uniu dois temas de importância significativa – sucessão familiar e gênero –em uma única pesquisa, visando trazer uma contribuição tanto prática quanto acadêmica. O objetivo da pesquisa é analisar o processo sucessório de uma empresa familiar no ramo imobiliário, conduzida por mulheres. Para alcançar este objetivo são analisadas as principais etapas que compuseram o processo sucessório dessa organização, via estudo de caso único. Os dados coletados são qualitativos, obtidos por intermédio de entrevistas em profundidade, e são analisados por meio da análise de conteúdo e análise de narrativa. Constatou-se que o processo de sucessão familiar não foi planejado e o quesito de gênero não foi considerado na escolha da sucessora. A relação família e propriedade sempre foi muito bem dividida entre os sócios majoritários da organização estudada. Entre as principais lacunas de pesquisa sugere-se a ampliação desse estudo e novas pesquisas correlacionadas com o tema sucessão familiar conduzida por mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


Ahrens, J. P.; Landmann, A. &Woywode, M. (2015). Gender preferences in the CEO successions of family firms: Family characteristics and human capital of the successor. Journal of Family Business Strategy, 6.2: 86-103.

Allen, E. E. &Langowitz, N. S. (2003). Women in family-owned businesses. Massachusetts Mutual Life Insurance Company and affiliated Companies.

Bardin, L.(1977). Análise de conteúdo Análise. Lisboa: Edições, 70.

______. (2004). Análise de conteúdo. 3.ed. Lisboa: Edições, 70.

Bird, B., Welsch, H., Astrachan, J. H., &Pistrui, D. (2002). Family business research: The evolution of an academic field. Family Business Review, 15(4), 337-350.

Blumentritt, T., Mathews, T., &Marchisio, G. (2013). Game Theory and Family Business Succession An Introduction. Family Business Review, 26(1), 51-67.

Borges, A. F.; Lima, J. &Carvalho, F. (2008). Interação entre indivíduos, família e empresa na construção do processo de sucessão em uma empresa familiar. In: Encontro da EnANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Bornholdt, W. (2005). Governança na empresa familiar: implementação e prática. São Paulo: Bookman.

Cappuyns, K. (2007). Women behind the scenes in family businesses. Electronic Journal of Family Business, v.1, n 1, p. 38-61.

Chittoor, R., & Das, R. (2007). Professionalization of management and succession performance—A vital linkage. Family Business Review, 20(1), 65-79.

Cruz Machado, R. M., Wetzel, U., & Rodrigues, M. E. (2008). A experiência de sucessão para herdeiras de empresas familiares do Rio de Janeiro.Cadernos EBAPE. BR, (3), 1-24.

Curimbaba, F. (2002). The dynamics of women's roles as family business managers. Family Business Review, 15(3), 239-252.

Dahl, G. B. & Moretti, E. (2008). The demand for sons. The Review of Economic Studies,75.4: 1085-1120.

Debicki, B. J., Matherne, C. F., Kellermanns, F. W., & Chrisman, J. J. (2009). Family business research in the new millennium an overview of the who, the where, the what, and the why. Family Business Review, 22(2), 151-166.

Dugan, A. M., Krone, S. P., LeCouvie, K., Pendergast, J. M., Kenyon-Rouvinez, D. H., & Schuman, A. M. (2011). A woman's place: The crucial roles of women in family business. Macmillan.

Dumas, C. (1998). Women's pathways to participation and leadership in the family-owned firm. Family Business Review, 11(3), 219-228.

Dupas, G., LANK, A. G., AIRES, A., VRIES, M. K. D., & COSTA, R. T. D. (2003). Governando a empresa familiar. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Family Business Network. Planejamento da sucessão em empresas familiares.Disponível em 15 maio, 2016, de

Fitzgerald, M. A., Winter, M., Miller, N. J., & Paul, J. (2001). Adjustment strategies in the family business: Implications of gender and management role.Journal of family and Economic issues, 22(3), 265-291.

Gersick, K. E., Davis, J. A., Hampton, M. M., &Lansberg, I. (1997). De geração para geração: ciclos de vida das empresas familiares. São Paulo: Negócio.

Gersick, K. E., Davis, J. A., HAMPTON, M. M., &Lansberg, I. (1997). De geração para geração: ciclos de vida das empresas familiares. São Paulo: Negócio.

Gomes, T. S. &Militão, M. S. R. (2005). Planejamento da sucessão familiar. Revista CEPPG, Catalão, v. 6, n. 11, p. 153-165.

Grzybovski, D., Hoffmann, P. Z., &Muhl, E. E. (2008). Estratégia e sucessão na gestão de empresas familiares: um estudo do caso Gerdau. V Encontro de Estudos Organizacionais.

Gupta, V., &Levenburg, N. M. (2013). 16 Women in family business: three generations of research. Handbook of Research on Family Business, 346.

Haberman, H., & Danes, S. M. (2007). Father‐daughter and Father‐son family business management transfer comparison: Family FIRO model application.Family Business Review, 20(2), 163-184.

Ip, B., & Jacobs, G. (2006). Business succession planning: a review of the evidence. Journal of Small Business and Enterprise Development, 13(3), 326-350.

Janjuha-Jivraj, S., & Woods, A. (2002). Successional issues within Asian family firms learning from the Kenyan experience. International Small Business Journal, 20(1), 77-94.

Jimenez, R. M. (2009). Research on women in family firms current status and future directions. Family Business Review, 22(1), 53-64.

Kets de Vries, M., Carlock, R. S., &Florent-Treacy, E. (2009). A empresa familiar no divã: uma perspectiva psicológica. Porto Alegre: Bookman.

Leach, P., &Bogod, T. (2006). Claves de la empresa familiar. Instituto de Estudios Económicos.

Lambrecht J. (2005). Multigenerational transition in family business: a new explanatory model. Family business: a new explanatory model. Family Business Review. San Francisco, v.18, n4, p. 267-82, dez.

Leone, N. M. D. C. P. (2004). O processo sucessório em empresas familiares: o exemplo dos comerciantes e o processo no Saara. Organizações&Sociedade, 11(29), 149-172.

Lerner, M. &Malach-Pines, A. (2011). Gender and culture in family business: A ten-nationstudy. InternationalJournalof Cross Cultural Management, 11(2), 113-131.

Machado, H. V., Silveira, A., Hoeltgebaum, M., & Gouveia, A. (2008, setembro). Significados de sucesso e fracasso nos negócios: o que dizem mulheres empreendedoras. XXXII, Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação Em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Massis, A., Chua, J. H., & Chrisman, J. J. (2008). Factors preventing intra‐family succession. Family Business Review, 21(2), 183-199.

Oliveira, D. D. P. R. (2006). Empresa Familiar: Como Fortalecer O Empreendimento E Otimizar O Processo Sucessório . Editora Atlas SA.

Oliveira, L. G. M., & da Silva, G. A. V. (2012). Sucessão em uma empresa familiar: valores, racionalidades e dilemas. Revista de Administração FACES Journal, 11(2).

Passos, E., Bernhoeft, R., Bernhoeft, R., & Teixeira, W. (2006). Família, família, negócios à parte. São Paulo: Gente.

Petry, L. I., & Nascimento, A. M. (2009). Um estudo sobre o modelo de gestão e o processo sucessório em empresas familiares. RevistaContabilidade&Finanças, 20(49), 109-125.

Resnick, R. (1994). Mother daughter teamwork. Nation's Business, 82(12), 48.

Rodrigues, A. M. (1991). Padrões afetivos na família e empresa familiar. Revista de Administração de Empresas, 31(4), 35-48.

Salvato, C &Corbetta, G. (2013). Transitional leadership of advisors as a facilitator of successors’ leadership construction. Family Business Review, 0894486513490796.

Scheffer, A. B. B. (1995). Fatoresdificultantes e facilitadoresaoprocesso de sucessão familiar. Revista de Administrada Universidade de São Paulo, v. 30, n. 3.

Schlepphorst, S. & Moog, P. (2014). Left in the dark: Family successors’ requirement profiles in the family business succession process. Journal of Family Business Strategy, 5.4: 358-371.

Schröder, E., Schmitt-Rodermund, E., & Arnaud, N. (2011). Career choice intentions of adolescents with a family business background. Family Business Review, 24(4), 305-321.

Sharma, P., Chrisman, J. J., Pablo, A. L., & Chua, J. H. (2001). Determinants of initial satisfaction with the succession process in family firms: A conceptual model. Entrepreneurship Theory and Practice, 25(3), 17-36.

Vera, C. F., & Dean, M. A. (2005). An examination of the challenges daughters face in family business succession. Family Business Review, 18(4), 321-345.

Vidigal, A .C. (2000). A sobrevivência da empresa familiar no Brasil. Revista de Administração, 35, 2, pp. 66-71.

Yin, R. K., &Pinnelli, S. (2005). Lostudiodi caso nellaricercascientifica: progetto e metodi. Armando.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v8i3.638

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Andreia Pandolfi dos Santos, Chaiene Oliveira, Simone Sehnem, Jorge Brognoli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia