Competências Comportamentais dos Profissionais de Secretariado: o impacto da atuação internacional da empresa

Walkíria Aparecida Gomes de Almeida, Felipe Mendes Borini, Eduardo Cesar Pereira Souza

Resumo


Competência é uma característica que demonstra o quanto o indivíduo está se desenvolvendo num determinado projeto, trabalho ou tarefa. Está relacionada ao conhecimento adquirido e a articulação a partir das habilidades desenvolvidas no dia a dia (Fleury & Fleury, 2001). Considerando tais afirmativas, este artigo tem por objetivo identificar se a natureza internacional da empresa implica no desenvolvimento de diferentes competências individuais para o profissional de Secretariado. A abordagem da pesquisa foi quantitativa, o método de pesquisa foi o levantamento e a técnica de coleta de dados foi do tipo survey. Os resultados coletados demonstram que uma parte do conjunto de competências estabelecidas pelo MEC (Brasil, 2005) está relacionada às cinco competências apuradas na pesquisa. Com relação às competências comportamentais percebe-se que o profissional pesquisado aponta somente quatro das competências averiguadas na revisão da literatura. Os achados deste trabalho indicam que os profissionais de empresas nacionais e internacionais desenvolvem competências semelhantes. Por fim, acredita-se que esta pesquisa possa contribuir com a área de Estudos Organizacionais (estudo das competências secretariais) no Brasil e em outros países.


Palavras-chave


Profissional de Secretariado; Competências; Internacionalização; Estudos organizacionais

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, W. (2013). A importância da formação específica. In D’Elia, B., Amorim, M., & Sita, M. (Orgs.). Excelência no Secretariado: a importância da profissão nos processos decisórios – Como assessorar e atingir resultados corporativos e pessoais com competência e qualidade. pp. 91-97. São Paulo: Ser Mais.

Amatucci, M. (2000). Perfil do administrador brasileiro para o Século XXI: um enfoque metodológico. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Anderson, D., Sweeney, D. J., & Williams, T. A. (2007). Estatística Aplicada à Administração e Economia. (2a ed.), São Paulo: Cengage Learning.

Arora, A., Jaju, A., Kefalas, A. G. & Perenich, T. (2004). An exploratory analysis of global managerial mindset: a case of U.S textile and apparel industry. Journal of international Management, 10 (3), 393- 411.

Barros, C. M. P., Silva, J. S., Lima, G. A. & Brito, D. G. S.; (2013). As Competências Gerenciais Desenvolvidas pelos Secretários Executivos. Revista de Gestão e Secretariado, 4 (2), 25-47.

Berto, R. M. V. S. & Nakano, D. N. A. (2000). Produção Científica nos anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção: um levantamento de métodos e tipos de pesquisa. Revista ABEPRO, 9 (2), 65-76.

Borges, C. J. P. (2010). O debate internacional sobre competências: explorando novas possibilidades educativas. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Boyatzis, R. E. (2008). Competencies in the 21st century. Journal of Management Development, 27(1), 5-12.

Brandão, H. P., Andrade, J. E. B. & Guimaraes, P. (2012). Desempenho organizacional e suas relações com competências gerenciais, suporte organizacional e treinamento. Revista de Administração, 47 (4), 523-539.

Brasil. (2005). Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Brasília, DF.

Bruno, I. M. (2006). O poder de influência do profissional de secretariado no processo decisório das organizações. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, Brasil.

Carvalho, V. (2003). Sobre construtos epistemológicos nas ciências: uma contribuição para a enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, 11(4), 420-428.

Cheetham, G. & Chivers, G. (1996). Towards a holistic model of professional competence.

Journal of European Industrial Training, 20-30.

Cortina, J, M. (1993). Interaction nonlinearity and multicollinearity: implication for multiple regression. Journal of Management, (19), 915-922.

Damasceno, A. (2007). Identificação de competências como instrumento para a formulação de objetivos instrucionais. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Dias, C. M., Jr., Morei, B. C. M., Stosick, E. Z. & Pereira, A. R. (2014). Desenvolvimento de competências do administrador: um estudo em ambiente simulado. Revista de Ciência da Administração, 16(38), 172-182.

Dutra, J. (2004). Competências: conceitos e instrumentos para gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas.

Faissal, R. (2005). Atração e Seleção de Pessoas. Rio de Janeiro: FGV Editora.

Favero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L. & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

Felício, M. J., Lopes, A., Salgueiro, F. & Parreira, P. (2007). Competências de gestão: um instrumento de medida para a realidade portuguesa. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 6(3).

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, Online version.

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. (2004). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Editora UFRGS. Porto Alegre.

Iizuka, E. S. & Almeida, W, A. G. (2014). Produção acadêmica em secretariado: análises dos artigos da Revista Gestão e Secretariado- GESEC e da Revista Secretariado Executivo em Revist@ entre 2005 e 2012. Revista de Gestão e Secretariado, 5(3).

Kretzer, J. & Menezes, E. A. (2006). A importância da visão baseada em recursos na explicação da vantagem competitiva. Revista de Economia Mackenzie, 4(4), 63-87.

Leite, J. B. D. & Porsse, M. C. S. (2003). Competição baseada em competências e aprendizagem organizacional: em busca da vantagem competitiva. Revista de Administração Contemporânea, 7 (Edição Especial), 121-144.

Lustri, D., Miura, I. K. & Takahashi, S. (2005). Gestão do conhecimento desenvolvendo competências. Revista Inteligência Empresarial, 25, 20-27.

Natalense, M. L. (1998). A secretária do futuro. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Neiva, E. G. & D´Elia, M. E. S. (2009). As novas competências do profissional de secretariado. 2. ed. São Paulo: IOB.

Neves, M. C. O. (2008). Introdução ao Secretariado Executivo. 1ª ed. São Paulo: Editorama.

Menegon, L. F., Reis, G. G. & Sarfati, G. (2003). Gestão em ambientes multiculturais. São Paulo: Atlas.

Michaux, V. (2011). Articular as competências individual, coletiva, organizacional e estratégica: esclarecendo a teoria dos recursos e do capital social. Porto Alegre: Bookman.

Nassif, V. M. J. & Hanashiro, D. M. M. (2002). Visão baseada em recursos. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 3(1).

Oliveira, C. V. (2006). A busca da competência: um estudo sobre a seleção de pessoal baseada em competências. Monografia, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, Brasil.

Penrose, E. T. (1959). The theory of the growth of the firm. New York: John Wiley.

Perrenoud, P. (1999). Construir competências é virar as costas aos saberes? Revista Pedagógica, (11), 15-19.

Pignataro, C. (2013). O executivo brasileiro: assessorando diferentes gestores, seus estilos gerenciais e as diversas áreas. In D’Elia, B., Amorim, M. & Sita, M. Excelência no Secretariado: a importância da profissão nos processos decisórios – Como assessorar e atingir resultados corporativos e pessoais com competência e qualidade. pp. 302-308. São Paulo: Ser Mais.

Ribeiro, N. A. (2002). Secretário: do escriba ao gestor: um estudo sobre o novo perfil do profissional do secretariado. São Luís: Edfama.

Sabino, R. F. & Rocha, F. G. (2004). Secretariado: do escriba ao web writer. Rio de Janeiro: Brasport.

Sacristan, J, G. (2010). Educar por competências: o que há de novo. São Paulo: Artmed.

Sant’anna, A.S, Moraes, L.F.R. & Kilimnik, Z.M. (2005). Competências individuais, modernidade organizacional e satisfação no trabalho: Um estudo de diagnóstico comparativo. RAE Eletrônica, 4(1).

Silva, D., Lopes, E. L. & Braga, S. S. (2014). Pesquisa Quantitativa: elementos, paradigmas e definições. Revista de Gestão e Secretariado, 5(1).

Souza, K. M. L., Sampaio, L. A. C., Silva, L. C., Nina, R. & Lemos, W. S. (2008). Competência: diferentes abordagens e interpretações como estimulo à ciência da informação. Anais do XV Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, São Paulo, SP, Brasil.

Ubeda, C. L. A. (2009). A influência das competências individuais na gestão da inovação: uma análise com o uso da triangulação de métodos. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Carlos, Brasil.

Zarifian, P. (2001). Objetivo Competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v9i1.632

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Walkíria Aparecida Gomes de Almeida, Felipe Mendes Borini, Eduardo Cesar Pereira Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia