Os Grupos de Pesquisa Institucionalizados em Secretariado Executivo e Sua Contribuição Para o Fomento do Conhecimento Secretarial

Dalila Cassagni de Mendonça Carvalho, Lara Lúcia Silva

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar os grupos de pesquisa em Secretariado Executivo e a sua importância para a construção de uma teoria própria. Ademais, de forma secundária, buscou-se compreender a rede social formada pelos pesquisadores da área. Para isso, utilizou-se a abordagem qualitativa, bem como a aplicação de um questionário e a operacionalização de um software, que auxiliou na formação das ligações da rede social existente. Os resultados obtidos revelaram a existência de 10 grupos de pesquisa na área secretarial, sendo que a maioria possui uma afinidade com a Administração. Verifica-se uma tendência em qualificação stricto-sensu, principalmente pelo fato de que a atividade fim dos grupos é a investigação científica, demandando, assim, formação acadêmica que auxilie no crescimento do grupo e da equipe. Além disso, impasses como falta de pessoal, financiamento e literatura adequada são queixas presentes. A rede social demonstrou que 61% dos pesquisadores de Secretariado Executivo formam ligações fortes entre eles, porém somente 40% se conectam. Pode-se chegar à conclusão de que os grupos de pesquisa ajudam a fazer com que aos poucos o número de produções científicas aumente, podendo assim embasar as atividades mais “técnicas” do Secretariado e contribuir com a formação de uma epistemologia. Combinados à formação de parcerias entre os autores da mesma ou de universidades diferentes, a rede social fortalece e possibilita a criação de outros grupos de estudo, atraindo cada vez mais o interesse dos estudantes.  


Palavras-chave


Grupos de pesquisa; Secretariado Executivo; Redes de pesquisa; Construção do conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B. (2008). Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento. Recuperado em 25 janeiro, 2016, de http://webeduc.mec.gov.br/midiaseducacao/material/introdutorio/popups/m1_e2_pop_TecnologiaNaEscola.html

ARAÚJO, V. C.; MASCARINI, S.; SANTOS, E. G.; COSTA, A. R. (2015). A influência das percepções de benefícios, resultados e dificuldades dos grupos de pesquisa sobre as interações com empresas. Rev. Bras. Inov, Campinas (SP), vol. 14, n. 1, p. 77-104.

Associação Brasileira de Pesquisa Secretariado. Recuperado em 04 junho, 2016, de http://www.abpsec.com.br/

BÍSCOLI, F. R. V.; BILERT, V. S. S. (2013) A evolução do Secretariado Executivo: caminhos prováveis a partir dos avanços da pesquisa científica e dos embates teóricos e conceituais na área. Revista Expectativa, vol. 12, n. 12, p. 09-42.

BRASIL. Conselho Nacional de Pesquisa. Grupos de Pesquisa. Recuperado em 25 janeiro, 2016 de www.cnpq.br/diretório dos grupos de pesquisa5

CAMPOS, F. G. G.; SANTOS, R. F.; SANTOS, F. C. P. (2009). A importância da pesquisa científica na formação profissional dos alunos do curso de educação física do UNILESTEMG. Movimentum – Revista digital de Educação Física, Ipatinga: Unileste-MG, vol. 04, n. 02.

CHAGAS, A. T. R. (2000). O questionário na pesquisa científica. Administração On line: prática, pesquisa, ensino. vol. 1, n. 1.

CORBIN, J.; STRAUSS, A. (2015). Basics of Qualitative Research: Techniques and Procedures for Developing Grounded Theory. 4ed, SAGE Publications.

DURANTE, D. G. (2010). Tópicos especiais em técnicas de secretariado. Curitiba: IESD.

DURANTE, D. G. (2012). A evolução da profissão secretarial por meio da pesquisa. Pesquisa em Secretariado: cenários, perspectivas e desafios. Passo Fundo: UPF Editora.

DURANTE, D. G.; PONTES, E. S. (2015). Produção intelectual em Secretariado Executivo: Estudo na revista de Gestão e Secretariado (GESEC). Revista de Gestão e Secretariado - GeSec, vol. 6, n. 1, p. 23-47.

GARCIA, R.; ARAÚJO, V.; MASCARINI, S.; SANTOS, E. G.; COSTA, A. R. (2014). Interações universidade-empresa e a influência das características dos grupos de pesquisa acadêmicos. Revista de Economia Contemporânea, vol. 18, n. 1, p. 125-146.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre; Editora da UFRGS.

GIL, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas.

GUNTHER, H. (2003). Como Elaborar um Questionário (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, n. 1). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.

FREITAS, H.; OLIVEIRA. M.; SACCOL, A. Z.; MOSCAROLA, J. (2000). O método de pesquisa survey. Revista de Administração, São Paulo, vol. 35, n. 3, p. 105-112.

HOELLER, P. A. F. (2006). A natureza do conhecimento em Secretariado Executivo. Revista Expectativa, vol. 5, n. 5.

LIMA, K. K.; AMARAL, D. C. (2008). Práticas de gestão do conhecimento em grupos de pesquisa da rede Instituto Fábrica do Milênio. Revista Gest. Prod., vol. 15, n, 2, p. 291-205.

LORDÊLO, P.; SÁ, K. (2015). Um retrato dos grupos de pesquisa da fisioterapia e terapia ocupacional no Brasil. Revista Pesquisa em Fisioterapia, vol. 5, n. 1, p. 4-6.

MAÇANEIRO, M. B. (2012). A construção da identidade científica em Secretariado Executivo. Pesquisa em Secretariado: cenários, perspectivas e desafios.

MAÇANEIRO, M. B.; KUHL, M. R. (2013). Estado da arte e o rumo do conhecimento científico em Secretariado Executivo: Mapeamento e análise de áreas de pesquisa. Revista de Gestão e Secretariado – GeSec, vol. 4, n. 3, p. 157-188.

MAIA, M. F.; CAREGNATO, S. E. (2008). Coautoria como indicador de redes de colaboração científica. Perspectivas em Ciência da Informação, vol. 13, n. 2, p. 18-31.

MARAFON, G. J. (2008). A importância dos grupos de pesquisa na formação dos profissionais de geografia agrária: a experiência do NEGEF1. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, vol. 3, n. 5, p. 284-290.

MATTAR, F. N. (2005). Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento. 6 ed. São Paulo: Atlas.

MOLINARI, D. R.; KREMER, J. (2010). Escala de likert criada a partir de indicadores que melhor avaliam a responsabilidade socioambiental das indústrias de cosméticos. In: Congresso Certificadas FGV. Fundação Getúlio Vargas.

MOROSINI, M. C. (2006). Enciclopédia de Pedagogia Universitária. Glossário, v.2.

NASCIMENTO, E. P. (2012). Pesquisa aplicada e interdisciplinaridade: da linguística ao secretariado. Pesquisa em Secretariado: cenários, perspectivas e desafios. Passo Fundo: UPF Editora.

NASCIMENTO, S.; BEUREU, I, M. (2011). Redes Sociais na Produção Científica dos Programas de Pós Graduação de Ciências Contábeis do Brasil. RAC, Curitiba, vol. 15, n. 1, art. 3, p. 47-66.

NONATO JÚNIOR, R. (2011). A gestão dos recursos da informação nas ciências sociais aplicadas: uma abordagem para Secretariado Executivo. Revista Capital Científico, vol. 5, n. 1.

NONATO JÚNIOR, R. (2008). Epistemologia do Secretariado Executivo: por uma teoria do conhecimento em Secretariado. In: XVI Congresso Nacional de Secretariado. Anais (Resumos). Brasília: Federação Nacional de Secretariado, p. 7-8.

NONATO JÚNIOR, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em Secretariado Executivo: a fundação das Ciências da Assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

ODELIUS, C. C.; SENA, A. C. (2009). Atuação em grupos de pesquisa: competências e processos de aprendizagem. FACES Journal, vol. 8, n. 4.

PEREIRA, I. A.; MOREIRA, N. C.; BAETA, O. V. (2012). Fatores Motivacionais para pesquisa na área de Secretariado Executivo das IFES brasileiras. Revista Sociais e Humanas, ed. 1, vol. 25, p. 140-155.

PIAGET, J. (2002). Epistemologia genética. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PIVETTA, H. M. F.; BACKES, D. S.; CARPES, A.; BATTISTEL, H. T.; MARCHIORI, M. (2010). Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária: em busca de uma integração efetiva. Linhas Críticas, vol. 16, n. 31, p. 377-90.

QUEIROZ, F. C. B. P.; SILVA, H. F. N.; QUANDT, C. O. (2015). Formas de compartilhamento de informações e do conhecimento na cooperação internacional de pesquisadores. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, vol. 25, n.3, p. 147-161.

ROSSONI, L.; HOCAYEN-DA-SILVA, A. J.; FERREIRA JÚNIOR, I. (2008). Aspectos estruturais da cooperação entre os pesquisadores no campo de administração pública e gestão social: análise das redes entre instituições no Brasil. Revista de Administração Pública, vol. 42, n. 6.

SABINO, R. F.; MARCHELLI, P. S. (2009). O debate teórico-metodológico no campo do secretariado: pluralismos e singularidades. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, vol. 7, n. 4, p. 607-621.

SOLER, L. (2009). Introduction à l'épistémologie. Ellipses, p. 335. Recuperado em 25 junho, 2016, de https://hal.archives-ouvertes.fr/halshs-00512386/.

SOUZA, F. C.; ROVER, S.; GALLON, A. V.; ENSSLIN, S. R. (2008). Análise das IES da Área de Ciências Contábeis e de seus Pesquisadores por meio de sua Produção Científica. Revista Contabilidade Vista e Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, vol. 19, n. 3, p. 15-38.

WERNECK, V. R. (2006). Sobre o processo de construção do conhecimento: O papel do ensino e da pesquisa. Ensaio: aval. Pol. Públ. Educ., vol. 14, n. 51, p. 173-196, 2006




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v8i3.620

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Dalila Cassagni de Mendonça Carvalho, Lara Lúcia Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia