Questões Identitárias: O Secretariado Executivo e as Atividades Tradutórias

Aline Cantarotti

Resumo


Questões identitárias nos levam a refletir sobre o que significa ser tradutor para o secretariado executivo e o que significa também traduzir para esses profissionais, tema relevante para a formação. Considerando as línguas estrangeiras, corroboramos Rajagopalan (1998) quando ele problematiza uma ação errônea de linguístas os quais não se voltam para os falantes reais, com todas as hibridizações que possuem, com o atravessamento de diferentes perspectivas, culturas e contatos na constituição de uma sociedade. O pluralismo linguístico é um fenômeno social, assim como a constituição de comunidades linguisticamente pluralistas também é e o secretariado executivo se insere neste contexto. Tendo em vista que a globalização é contribuinte desse panorama e que a profissão do secretário executivo é globalizada, este estudo objetiva investigar e retratar a identidade do secretário executivo, na perspectiva dos alunos em formação, considerando atividades tradutórias em seu locus de trabalho. Para tanto, questionários foram aplicados aos alunos em um curso de secretariado executivo e suas respostas analisadas qualitativamente. Os futuros secretários percebem a necessidade de estudos na área de tradução e consideram que só poderão executar atividades tradutórias se forem expostos a esses conhecimentos e à sua prática ainda na graduação.


Palavras-chave


Estudos da Tradução; Secretariado Executivo; Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Coracini, M. J. (2005). Discurso sobre tradução: aspectos da configuração identitária do tradutor. Tradterm, n.11, pp. 29-51.

Costa, A. P. A. T. da (2008). Traduzir para comunicar: a tradução como componente no ensino-aprendizagem de inglês como língua estrangeira. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília.

Eco, U. (2007). Quase a mesma coisa. Rio de Janeiro: Record.

Frota, M. P. (2013). A escrita do inconsciente no texto traduzido. Revista Escrita, n. 17, pp. 1-15.

Hall, S. (2001). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DPA.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. de (2013) Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Rajagopalan, K. (1998).O conceito de identidade em Linguística: é chegada a hora para uma reconsideração radical? In: Signorini, I. (org.) Lingua(gem) e identidade. Campinas: Mercado de Letras, p. 21-45.

Rodrigues, C. C. (2008). A ética da apropriação. Tradução e Comunicação – Revista Brasileira de Tradutores, n.17, pp 21-28.

Silva, T. T. da et al. (org.) (2012). Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

Venutti, L. (2002). Escândalos da Tradução. Bauru: Edusc.

Wyke, B. V. (2010) Ethics and Translation. Handbook of Translation Studies. vol. 1, John Benjamins Publishing Company.




DOI: http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v8i1.595

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Aline Cantarotti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia