Planejamento Participativo da Paisagem na Cidade Digital: Análise de Potencialidades Em Curitiba, Paraná

Regina Maria Martins de Araujo Klein, Letícia Peret Antunes Hardt, Denis Alcides Rezende

Resumo


As tecnologias e serviços aplicados em ambiente virtual oferecem alternativas de inclusão dos cidadãos no processo de qualificação de cenas urbanas, sendo, portanto, oportunos para a prevenção da falta de articulação da temática paisagística na esfera da administração pública. Diante desses pressupostos, a questão central da pesquisa é voltada à interpretação das reais possibilidades de incorporação do tema e da factual participação da população na gestão municipal por meio de recursos tecnológicos de informação. Nesse contexto, o objetivo geral da investigação é analisar o potencial do planejamento participativo da paisagem na cidade digital. Assim, é apoiada em estudo documental sobre a realidade de Curitiba, Paraná. A unidade de observação abrangeu a legislação interveniente na composição das áreas verdes, definidas como recortes relevantes dos componentes paisagísticos da malha urbanizada. As normas legais foram associadas tanto a parâmetros qualiquantitativos de elementos morfológicos e compositivos, quanto a perspectivas de interface com a comunidade. Os resultados obtidos demonstram a insuficiência de efetiva integração dos citadinos nos atuais processos de ordenamento desses espaços na capital paranaense. Não obstante as limitações dos procedimentos adotados, conclui-se pela existência de capacidade de ampliação dessa conexão no âmbito da cidade digital. Este fato é diagnosticado pela identificação de oportunidades de intensificação do envolvimento virtual dos munícipes e de diversidades de opções tecnológicas para esta finalidade.


Palavras-chave


Paisagem urbana. Tecnologia da informação. Interface com cidadão. Gestão municipal. Áreas verdes.

Texto completo:

PDF

Referências


Albertin, A. L. & Albertin, R. M. de M. (2012). Dimensões do uso de tecnologia da informação: um instrumento de diagnóstico e análise. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – Ebrape – da Fundação Getúlio Vargas – FGV, vol. 46, n.1, pp.25-51, jan./fev.

Barz, E. L.; Boschilia, R.; Hladczuk, A. M. & Sutil, M. S. (1997). História de Curitiba. Recuperado em 22 de novembro, 2012, de .

Besselaar, P. V. D. & Beckers, D. (2009). Demographics and sociographics of the digital city. Recuperado em 2 de fevereiro, 2009, de .

Cândido, G. A. & Araújo, N. M. (2003). As tecnologias de informação como instrumento de viabilização da gestão do conhecimento através da montagem de mapas cognitivos. Ciência e Informação, Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT, vol.32, n. 3, pp. 38-45, set./dez.

Cardoso, O. N. P. & Machado, R. T. M. (2008). Gestão do conhecimento usando data mining: estudo de caso na Universidade Federal de Lavras. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – Ebrape – da Fundação Getúlio Vargas – FGV vol.42, n. 3, pp. 495-528, maio/jun.

Cosgrove, D. (2006). Modernity, community and the landscape idea. Journal of Material Culture, London: University College London, vol.11, n. 1-2, pp. 49-66, jul.

Curitiba. (1975). Lei Municipal nº 5.234, de 10 de dezembro de 1975, Modifica a Lei nº 4.199/72 [dispõe sobre o zoneamento urbano de Curitiba] e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1976). Decreto Municipal nº 400, de 9 de julho de 1976, Regulamenta os Setores Especiais de Preservação de Fundos de Vale. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1978). Decreto Municipal nº 226, de 14 de março de 1978. Aprova o Plano de Arborização de Curitiba. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1988a). Lei Municipal nº 7.230, de 30 de agosto de 1988. Torna obrigatório o plantio de árvores, arbustos e vegetações rasteiras, nas faixas não edificáveis de fundos de vale. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1988b). Decreto Municipal nº 471, de 27 de outubro de 1988. Dispõe sobre os parques municipais e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1991a). Lei Municipal n°7.622, de 1º de abril de 1991. Dispõe sobre a utilização do recuo do alinhamento predial dos terrenos edificados como área verde. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1991b). Lei Municipal nº 7.651, de 14 de maio de 1991. Dispõe sobre a obrigatoriedade do plantio de árvores nos passeios para a expedição do certificado de conclusão de obra. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1991c). Lei Municipal nº 7.833, de 19 de dezembro de 1991. Dispõe sobre a política de proteção, conservação e recuperação do meio ambiente e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1993). Lei Municipal nº 8.353, de 22 de dezembro de 1993. Dispõe sobre o monitoramento da vegetação arbórea e estímulos à preservação das áreas verdes no município de Curitiba. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000a). Lei Municipal nº 9.800, de 3 de janeiro de 2000. Dispõe sobre o zoneamento, uso e ocupação do solo no município de Curitiba e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000b). Lei Municipal nº 9.804, de 3 de janeiro de 2000. Cria o sistema de unidades de conservação do município de Curitiba e estabelece critérios e procedimentos para implantação de novas unidades de conservação. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000c). Lei Municipal nº 9.805, de 3 de janeiro de 2000. Cria o Setor Especial do Anel de Conservação Sanitário Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000d). Lei Municipal nº 9.806, de 3 de janeiro de 2000. Institui o Código Florestal do município de Curitiba, revoga as Leis nº 8.353/93 e 8.436/94, e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000e). Decreto Municipal nº 195, de 3 de abril de 2000. Dispõe sobre o Setor Especial Residencial – Áreas Verdes – CIC. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2002). Decreto Municipal nº 673, de 18 de setembro de 2002. Cria o Setor Especial do Parque Natural Municipal Tanguá e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2008). Decreto Municipal nº 473, de 5 de junho de 2008. Define as espécies florestais consideradas como exóticas invasoras para o município de Curitiba e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2009). Decreto Municipal nº1.181, de 15 de setembro de 2009. Declara imune de corte as árvores que especifica e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2010). Lei Municipal nº 13.519, de 17 de junho de 2010. Institui a campanha permanente de incentivo à arborização de ruas, praças e jardins de Curitiba, e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2015). Lei Municipal nº 14.771, de 17 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a revisão do Plano Diretor de Curitiba de acordo com o disposto no artigo 40, § 3º, do Estatuto da Cidade, para orientação e controle do desenvolvimento integrado do Município e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

Dorigo, T. A. & Ferreira, A. P. N. L. (2015). Contribuições da percepção ambiental de frequentadores sobre praças e parques no Brasil (2009-2013): revisão bibliográfica. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, São Paulo: Universidade Nove de Julho – Uninove, vol.4, n.3, pp. 31-45, set./dez.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Guerreiro, E. P. (2006). Cidade digital: infoinclusão social e tecnologia em rede. São Paulo: Editora do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial de São Paulo – Senac São Paulo.

Haesbaert, R. (2004). O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hardt, L. P. A. (2000). Subsídios à gestão da qualidade da paisagem urbana: aplicação a Curitiba, Paraná. Tese de doutorado em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, Paraná, Brasil.

Hardt, L. P. A. (2004). Ecologia da paisagem: fundamentos à gestão do espaço urbano. OLAM Ciência & Tecnologia, vol.4, n.1, pp. 597-612.

IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba. (2016). Informando o cidadão. Recuperado em 9 de março, 2016, de .

Ishida, T. (2012). Activities and technologies in digital city Kyoto. Lecture Notes in Computer Science, State-of-the-Art Survey, 3081, 2004. Recuperado em 11 de setembro, 2012, de .

Lamas, J. M. R. G. (2014). Morfologia urbana e desenho da cidade (7a ed.). Porto: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Leis Municipais. (2016). Leis ordinárias e decretos. Recuperado em 10 de maio, 2016, de .

Lynch, K. (2011). A imagem da cidade (3a ed.). Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes.

Macedo, S. S. (2010). Paisagismo brasileiro na virada do século: 1990-2010. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo – Edusp.

Mendes, S. L.; Bottoli, L. M. & Breda, D. G. (2010). Digital cities and open MANs: a new communications paradigm. IEEE Latin America Transactions, New York: Institute of Electrical and Electronics Engineers – IEEE, vol.8, n.4, pp. 394-402, aug.

Mitchell, W. J. T. (2002). Landscape and power (2a ed.). Chicago: University of Chicago Press.

Mossberger, K.; Tolbert, C. J. & Franco, W. W. (2013). Digital cities: the internet and the geography of opportunity. Oxford: Oxford University Press.

Mossberger, K.; Tolbert, C. J. & McNeal R. S. (2008). Digital citizenship: the internet, society, and participation. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology – MIT Press.

Nava, A. & Dávila, I. (2005). M-government for digital cities: value added public services. In The Proceedings of the 1st European Mobile Government Conference, Brighton, UK: Mobile Government Consortium International, pp. 304-312.

O’Brien, J. A. (2011). Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet (3a ed.). Tradução de Cid K. Moreira. São Paulo: Saraiva.

Olwig, K. R. (2013). The law of landscape and the landscape of law: the things that matter. In Howard, P., Thompson, I. & Waterton, E. (Ed.) The Routledge companion to landscape studies. Abingdon; New York: Routledge. pp.166-178.

Relph, E. (2008). Place and placelessness. Repr. London: Paperbach.

Rezende, D. A. (2012a). Cidade digital estratégica: modelo e aplicação em um município paulista. Anais do VIII Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, São Paulo: Universidade de São Paulo Campus Leste – USP Leste, pp.126-131. Recuperado em 24 de outubro, 2015, de .

_____. (2012b). Planejamento de estratégias e informações municipais para cidade digital: guia para projetos em prefeituras e organizações públicas. São Paulo: Atlas.

Rezende, D. A. & Abreu, A. F. (2013). Tecnologia da informação aplicada a sistemas de informação empresariais: o papel estratégico da informação e dos sistemas de informação nas empresas (9a ed.). São Paulo: Atlas.

Rossetti, A. G. & Morales, A. T. (2007). O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência e Informação, Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT, vol.36, n. 1, pp.124-135.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – EBRAPE – da Fundação Getúlio Vargas – FGV, vol.43, n. 2, pp. 347-369. mar./abr.

Sgard, A. (2012). Le partage du paysage. Geography, Grenoble: Université de Grenoble, s.n., pp. 1-261.

Trindade, E. M. C. (1997). Cidade, homem e natureza: uma história das políticas ambientais de Curitiba. Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente – Unilivre.

Tuan, Y. (2012). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina – Eduel.

Turban, E.; Rainer, R. K. & Potter, R. E. (2007). Introdução a sistemas de informação: uma abordagem gerencial. Tradução de Daniel Vieira. Rio de Janeiro: Elsevier.




DOI: http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v7i3.557

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Regina Maria Martins de Araujo Klein, Letícia Peret Antunes Hardt, Denis Alcides Rezende

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia