Questões Socioambientais da Cidade de Laranjal do Jari/Ap: Reflexões na Perspectiva da Educação Popular

Autores

  • Eliana do Socorro de Brito Paixão Universidade Federal do Amapá - UNIFAP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v7i2.544

Palavras-chave:

Configuração urbana. Questões socioambientais. Educação popular.

Resumo

O objetivo deste artigo é suscitar reflexões acerca das questões socioambientais da cidade de Laranjal do Jari sob a ótica dos moradores participantes da pesquisa. Trata-se de uma cidade situada na área de fronteira, ao sul do estado do Amapá, que concentra 94,9% da população do município, constituída por 39.942 habitantes. Morar em tal cidade significa conviver com heranças perversas induzidas pela instalação do Projeto Jari, na região, nos anos de 1970 – época, a partir da qual, grande parte da população mora em palafitas sobre o rio Jari, cuja tessitura se assemelha a uma extensa favela fluvial. A cidade convive com graves questões socioambientais, as quais, historicamente, naturalizam-se à vida de seus moradores, relacionadas ao lixo, água, esgoto, moradia, dentre outros, as quais ratificam o índice de pobreza na ordem de 46,2% e se destacam em sua configuração urbana. A pesquisa foi de cunho qualitativo, realizada junto a 48 moradores da cidade, com os quais foram desenvolvidas atividades de campo inspiradas no Círculo de Cultura, de Paulo Freire. Os resultados apontaram que quando se trata de propor alterações no meio ambiente construído é fundamental convocar quem conhece a realidade em que vive.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliana do Socorro de Brito Paixão, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2013), com tese sobre Educação Popular na abordagem freireana e foco em questões socioambientais urbanas. Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Federal do Amapá (2008) na área de Planejamento Urbano Regional. Graduada em Ciências Contábeis pelo Centro de Ensino Superior do Amapá (1998). Atualmente é professora titular da Universidade Federal do Amapá. Atua principalmente nos seguintes temas: ensino superior, contabilidade gerencial, políticas públicas, planejamento urbano, auditoria interna no Setor Público, uso de mídias na educação, educação ambiental popular e questões socioambientais urbanas na perspectiva da educação popular.

Sou professora do Curso de Secretariado Executivo na UNIFAP, vinculada ao Departamento de Filosofia e Ciências Humanas, e membro do Grupo de Pesquisa Arquitetura e Urbanismo na Amazônia, cadastrado no CNPq. 

Referências

Acselrad, H. (2004). As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, Henri (Org). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fundação Heinrich Böll.

Bardin, L. Análise de Conteúdo. (1977). Tradução de Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. (2010). Lisboa-Portugal: Edições 70.

Bogdan, R. C.; Biklen, S. K. (1994). Investigação Qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. (1991). Trad.: Maria João Alvarez et al. Porto – PT: Porto Editora.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental (SEF). Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

Brasil. Lei Nº 5.764 de 16. 12. 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Web site. Acessado em Out 20, 2011, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm.

Brasil. Lei Nº 9.795 de 27. 04. 1999. Dispõe sobre a educação ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Web site. Acessado em Out 13, 2009, em http//: www.planalto.gov.br/ccvil_03/LEIS/L9795.

Brasil. Lei Nº 12.305 de 02. 08. 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Web site. Acessado em Out 13, 2003, em http//: www.planalto.gov.br/ccvil_03/LEIS/L12305.

Brasil. Decreto Nº 8.281 de 25. 06. 2002. Regulamenta a Lei 9795 de 1999. Regulamenta a Lei 9795 de 1999. Web site. Acessado em Out 13, 2009, em http//: www.planalto.gov.br/ccvil_03/LEIS.

Carvalho, V. S. de. (2008). Educação ambiental urbana. Rio de Janeiro: Wad Ed.

Castells, M. (2000). A questão urbana. São Paulo: Paz e Terra.

Esteban, M. T. (2007). Educação Popular: desafio à democratização da escola pública. In: Cad. CEDES, Campinas, vol.27, n.71, p. 9-17, jan. / abr.

Freire, P. (1967). Educação como Prática de Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

______. (1979). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. Tradução de Kátia de Mello e Silva. São Paulo: Cortez & Moraes.

______. (2011).Pedagogia do oprimido. (1968). 50ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gamboa, S. S. (2007). Pesquisa em Educação: métodos e epistemologias. Chapeçó: Argos.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGE. Mapa de Pobreza e Desigualdade – Municípios Brasileiros. (2003). web site. Acessado em Set 25, 2013, em http://cidades.ibge.gov.br/xtras/.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico. (2008). web site. Acessado em Set 26, 2013, em http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=.

IBGE. Censo Demográfico. (2010). web site. Acessado em Mai 14, 2013, em http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/.

Laplantine, F.; Trindade, L. (2003). O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense (Coleção primeiros passos; 309).

Lefebvre, H. (1968). O Direito à Cidade. Tradução de Rubens Eduardo Farias (2006). São Paulo: Centauro.

Paixão, E. do S. de B. (2008). Plano diretor participativo: análise das contribuições e alternativas para os problemas urbanos das áreas de várzea do município de Laranjal do Jari (AP).148f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) - Universidade Federal do Amapá, Macapá.

Pérez et al. (1996) Los métodos teóricos de investigación. In: Metodología de la investigación educacional. Primera parte. La Habana.

Reigota, M. (2004). Meio ambiente e representação social. 6ª ed., São Paulo: Cortez.

Veiga-Neto, A. (2002). Uma Lança com duas pontas. In: Rosa, D. E. G.; Souza, V. C. de. Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de janeiro: DP&A.

Wanderley, L. E. (2010). Educação Popular: bases históricas e conexões contemporâneas. In: ______. Educação Popular: metamorfoses e veredas. São Paulo: Cortez. p.19-42.

Downloads

Publicado

2016-09-11

Como Citar

Paixão, E. do S. de B. (2016). Questões Socioambientais da Cidade de Laranjal do Jari/Ap: Reflexões na Perspectiva da Educação Popular. Revista De Gestão E Secretariado, 7(2), 80–103. https://doi.org/10.7769/gesec.v7i2.544

Edição

Seção

Temática