Gestores Ambientais de Organizações Públicas: Uma Análise das Competências Sob a Ótica Acadêmica

Wesley Ricardo de Souza Freitas, Romero Albuquerque Maranhão, Cláudia Terezinha Kniess, Cláudia Echevenguá Teixeira

Resumo


Este artigo tem como objetivo identificar quais as competências individuais e gerenciais fundamentais para a função de gestor ambiental público, na visão de pesquisadores e docentes de graduação e pós-graduação. Com uma abordagem qualitativa e a partir da opinião de treze pesquisadores especialistas na área ambiental, constatou-se que as competências dos gestores públicos em relação à gestão ambiental não diferem dos gestores privados. Os pesquisadores são claros quando afirmam que as organizações públicas devem possuir uma área responsável pelo meio ambiente e consequentemente um gestor ambiental, contudo, está é uma situação embrionária, pois a questão ambiental normalmente não é vista de forma estratégica pelas organizações do primeiro setor.

Palavras-chave


Gestão ambiental; Nova gestão pública; Gestão por competências.

Texto completo:

PDF

Referências


Ayres, C. B. (2006). A administração pública brasileira e as vicissitudes do paradigma de gestão gerencial. Sociologia, problemas e práticas, 51, 29-52.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Ed. Saraiva,.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brandão, H. P. & Guimaraes, T. A. (2001). Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? Revista de Administração de Empresa, 41(1), 8-15.

Bresser-Pereira, L. C. (1996). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, 47(1).

Chan E. S. W. & Wong, S. C. K. (2006). Motivations for ISO 14001 in the hotel industry. Tourism Management, 27, 481-492.

Claver, E.; Lopes, M. D.; Molina, J. F. & Tari, J. J. (2007). Environmental management and firm performance: A case study. Journal of Environmental Management, 84(4), 606-619.

Corazza, R. I. (2003). Gestão ambiental e mudanças da estrutura organizacional. RAE-eletrônica, 2(2), jul.-dez.

Coutinho, M. J. V. (2000). Administração pública voltada para o cidadão: quadro teórico conceitual. Revista do Serviço Público. 51(3), 40-73.

Creswell, J. W. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Daily, B. F. & Huang, S.C. (2001). Achieving sustainability through attention to human resource factors in environmental management. International Journal of Operations & Production Management, 21(12), 1539-1552.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. The Academy of Management Review, 14 (4), 532-550.

Fernandes, B. H. R. & Fleury, M. T. (2007). Modelo de gestão por competência: Evolução e teste de um sistema. Análise, 18(2), 103-122.

Fleury, A. C. C. & Fleury, M. T. L. (2003). Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Gestão e Produção, 10 (2).

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, vol. r. número especial.

González-Benito, J. & González-Benito, O. (2006) A review of determinant factors of environmental proactivity. Business Strategy and the Environment, 15, 87–102.

Hind, P.; Wilson, A. & Lenssen, G. (2009). Developing leaders for sustainable business. Corporate Governance, 9(1), 7-20.

Kleef, J. A. G. & Roome, N. J. (2007). Developing capabilities and competence for sustainable business management as innovation: a research agenda. Journal of Cleaner Production, 15, 38-51.

Lambrechts, W.; Mulà, I.; Ceulemans, K.; Molderez, I. & Gaeremynck, V. (2013). The integration of competences for sustainable development in higher education: an analysis of bachelor programs in management. Journal of Cleaner Production, 48, 65-73.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed.

Marconi, M. D. A. & Lakatos, E. M. (1996). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Mattar, F. N. (1996). Pesquisa de marketing: edição compacta. São Paulo: Atlas.

Oderich, C. L. (2001). Gestão de competências gerenciais: Noções e processos de desenvolvimento em três empresas gaúchas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Porter, M. & Van Der Linde, C. (1995). Toward a new conception of the environment-competitiveness relationship. Journal of Economic Perspectives, 9(4), 97-118.

Ribeiro, S. M. R. (2002). Reforma do aparelho de Estado no Brasil: uma comparação entre as propostas dos anos 60 e 90. VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Portugal, 8-11 Out.

Ruas, R. L. (2005). Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das empresas. In.: Ruas, R. L.; Antonello, C. S. & Boff, L. H. (Orgs.). Os novos horizontes da gestão: aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman.

Saraiva, L. A. S. & Capelao, L. G. F. (2000). A nova administração pública e o foco no cidadão: burocracia X marketing? Revista de Administração Pública, 34(2), 59-77.

Seiffert, M. E. B. & Loch, C. (2005) Systemic thinking in environmental management: support for sustainable development. Journal of Cleaner Production, 13 (12), 1197-1202.

Silveira, D.; Lima, A.; Magalhaes, E.; Martins, G. & Magalhaes, E. (2006). Competências requeridas no contexto da gestão ambiental. In.: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, III SEGeT. Anais... Rio de Janeiro.

Sroufe, R.; Liebowitz, J.; Sivasubramaniam, N. & Donahue, J. F. (2010). Are you a leader or a laggard? HR’s role in creating a sustainability culture. People & Strategy, 33(1), 34-42.

SUDIN, S. Strategic GHRM: A proposed model that supports Corporate Environmental Citizenship. In.: 2011 International Conference on Sociality and Economics Development IPEDR, Singapore, v. 10, 2011.

Urban, B. & Govender, D. P. (2012). Empirical evidence on environmental management practices. Inzinerine Ekonomika-Engineering Economics, 23(2), 209-215.

Vergara, S. C. (2005). Projeto e relatórios de pesquisa em administração (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Voss, C.; Tsikriktsis, N. & Frohlich, M. (2002). Case research in operations management. International Journal of Operations & Production Management, 22(2), 195-219.

Wee, Y. S. & Quazi, H. A. (2005). Development and validation of critical factors of environmental management. Industrial Management & Data Systems, 105(1), 96-114.

Wilkinson, A. Hill, M. & Gollan, P. (2001). The sustainability debate. International Journal of Operations & Production Management, 21(12), 1492-1502.

Yin, R. K. (2005) Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zanelli, J. C. (2002). Pesquisa qualitativa em estudos da gestão de pessoas. Estudos da Psicologia, 7, 79-88.




DOI: http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v8i1.526

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Wesley Ricardo de Souza Freitas, Romero Albuquerque Maranhão, Cláudia Terezinha Kniess, Cláudia Echevenguá Teixeira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia