O Gênero Ata e as Preposições: Reflexões para o Ensino de Espanhol para Secretariado

Viviane Cristina Poletto Lugli

Resumo


Este artigo analisa dados sobre o comportamento das preposições de, en, a, no gênero “Ata”, redigido em língua espanhola, tentando situá-las de acordo com os sentidos de base (origem, meta e conteúdo) e eixos espaciais (horizontal e continente/conteúdo) propostos por Castilho (2004). Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e documental, cujo objetivo é observar se esse suposto pode ser aplicado à língua espanhola e verificar se os sentidos das preposições, revelados no gênero textual Ata, correspondem àqueles descritos por uma gramática utilizada atualmente no ensino de espanhol em um curso de Secretariado Executivo. Tivemos como apoio teórico para o estudo das preposições em espanhol os pressupostos de Alarcos Llorach (1999), Martin Cid (2002), Vigón Artos (2007) e Araus (1987) e os pressupostos funcionalistas de Castilho (2004), Neves (2000, 2001, 2007) e Cunha (2008). Tomamos o gênero textual “Ata” como objeto de estudo por considerarmos o gênero como um instrumento autêntico e de referência para o ensino de espanhol para Secretariado. Os resultados demonstram que os eixos espaciais propostos por Castilho (2004) podem ser aplicáveis ao espanhol e que a gramática utilizada contempla parcialmente os valores preposicionais expressos pelo gênero Ata. 

 


Palavras-chave


Preposições. Gramática. Ata.

Texto completo:

PDF

Referências


Alarcos Llorach, E. (1999). Gramática de la Lengua Española. Madrid: Editorial Espasa Calpe.

Araus, M. L. G. (1987). Sobre la transitividad preposicional en español. Verba. v. 14, pp. 367-381, 1987. Recuperado em 7 de julho, 2013, de < http://dspace.usc.es/bitstream/10347/4881/1/pg_369-384_verba14.pdf.>

_____. (2004). Elementos de Relación: la preposición y la conjunción. In: Araus, M. L. G. Problemas fundamentales de la gramática del español como 2/L. Madrid: Arco/Libros.

Bajtín, M. (2005). Estética de la creación verbal (1a. ed.). Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina.

Bolívar, A. & Erlich, F. D. (2011). La práctica del análisis del discurso en contextos políticos polarizados. Aled 11, pp. 9-30. Recuperado em 10 de julho de 2013, de

Castilho, A. T. (2004). Diacronia das preposições do eixo transversal no Português brasileiro. In Negri, M. J. F. & Oliveira, R. P de (Orgs.). Sentido e significação: em torno da obra de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto.

______. (2007). Abordagem da língua como um sistema complexo: contribuições para uma nova linguística Histórica. In: Castilho et alli (orgs). Descrição, história e aquisição do português brasileiro. Campinas, SP: Pontes/Fapesp.

______. (2012). Funcionalismo e gramáticas do português brasileiro. In. Souza, E. R. et al. Funcionalismo linguístico: novas tendências teóricas. São Paulo: Contexto.

Cunha, A. F. da. (2008). Funcionalismo. In Martellota, M.E.(Orgs). Manual de linguística. São Paulo: Contexto.

Decat, M. B. N. (2008). A relevância da investigação dos processos linguísticos, numa abordagem funcionalista, para os estudos sobre os gêneros textuais. In Antonio, J. D (Org). Estudos descritivos do português – história, uso, variação. São Carlos: Editora Claraluz, pp.169-191.

Dias, R. & Cristovão, V. L .L. (2009). (Orgs.). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Dionísio, A. P.; Machado, A. R. & Bezerra, M. A. (2003). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna.

Dik, S. C. (1997). The theory of functional grammar. Edited by Kees Hengeveld, 2 nd, pp. 409-441.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Hermans, T. (1996). Translation´s other. Inaugural lecture. London: UCL.

Kramsch, C. (1993). Context and culture in language teaching. Oxford, Oxford University Press.

López, M. L. (1972). Problemas y métodos en el análisis de preposiciones. Madrid: Editorial Gredos.

Lugli, V. C. P. (2006). Os gêneros textuais no ensino de espanhol: análise de uma coleção de livros didáticos de E/LE. Dissertação de mestrado em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Martin Cid, M. (2002). Las conjunciones coordinantes del español actual desde el punto de vista funcional. Boletín de Lingüística, n.18, pp. 49-70. Recuperado em 12 de setembro, 2013, de .

Monteiro, A. C. (2008). Livro didático: reflexões sobre atividades de análise linguística em uma abordagem enunciativa. Dissertação de mestrado em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Neves, M. H. de M. (2000). Gramática de usos do Português. São Paulo: Unesp.

______. (2001). A gramaticalização e a organização dos enunciados. Scripta, Belo Horizonte, vol.5, n. 9, pp. 13-22, 2º.sem.

______. (2007). A referência e sua expressão. In Castilho, A. T. de; Morais, M. A. T; Lopes, R. E. V. & Cyrino, S. M. L. (Orgs.). Descrição, história e aquisição do português brasileiro. São Paulo: Fapesp, Campinas: Pontes Editora.

_______. (2010). Ensino de língua e vivência de linguagem. Temas em confronto. São Paulo: Editora Contexto.

Nonato Júnior, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em secretariado executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Nord, C. (2009). El funcionalismo en la enseñanza de traducción. Mutatis Mutandis. Vol. 2, No. 2, pp. 3-35. Recuperado em 2 de agosto, 2016, de < http://letras.uc.cl/programa_traduccion/html/noticias/NORD_Funcionalismo_en_espanol/2009funcionalismoensenanzasMutMut.pdf>.

Olher, R. M. (2010). Heterogeneidade nas representações de tradução em contexto de ensino superior de literaturas estrangeiras: um lugar “entre-línguas”. Tradução & Comunicação: Revista Brasileira de Tradutores, n. 20. Recuperado em 16 de agosto, 2016, de.

Pons Rodríguez, Lola. (2002). De nuevo sobre las preposiciones en el diccionario académico. Anuario de Estudios Filológicos, vol XXV, pp. 385-398. Recuperado em 26 de julho, 2016, de < https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/298625.pdf >.

Pontes, V. O. (2012). O pretérito imperfeito do indicativo e as perífrasis imperfectivas de passado em contos literários escritos em espanhol: um estudo sociofuncionalista. Tese apresentada ao programa de pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará. Recuperado em 5 de agosto, 2016, de < http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/8256/1/2012_tese_vopontes.pdf>.

Real Academia Española. (1992). Diccionario de la lengua española (21a. ed.). Madrid: Real Academia Española.

Rojo, R. & Batista, A. A. (2003). Livro didático de língua portuguesa, letramento e cultura da escrita. Campinas: Mercado de Letras.

Ticks, L. K. (2003). Contribuições da análise de gêneros para o estudo de conceitos de linguagem em livros didáticos e no discurso de professoras de inglês. Dissertação apresentada ao programa de pós-graduação em Letras. UFMS, RS.

Vargas, M. D. & Killner, M. (2010). Análise de um livro didático de gramática de língua inglesa. In III Silid. Simpósio sobre o Livro Didático de Língua Materna e II Simar. Simpósio sobre materiais e recursos didáticos. Rio de Janeiro, Anais… Rio de Janeiro. Edições Entrelugar, pp. 30-43. Recuperado em 29 de julho, 2016, de

Vigón Artos, S. (2007). Influências do funcionalismo alarquiano em Portugal. Península, Revista de Estudos Ibéricos, n. 4, pp. 203-21.Recuperado em 20 de agosto, 2013, de .




DOI: http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v7i3.514

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Viviane Cristina Poletto Lugli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia