Gestão de Pessoas e Ações de Prevenção Do Assédio Moral: Os Casos de Duas Cooperativas Agropecuárias Do Paraná

Aline Alves Storti, Carlos Roberto Domingues, Janaina Maria Bueno

Resumo


Este estudo tem como objetivo identificar e analisar como são trabalhadas preventivamente as questões relativas ao assédio moral em duas cooperativas agropecuárias do Paraná. O lócus escolhido para análise justificou-se pela necessidade de ações que coíbam o assédio moral nas organizações e na peculiaridade do ambiente, além das duas cooperativas pesquisadas serem grandes empregadoras da sua região. A abordagem foi qualitativa, do tipo estudo de casos, a pesquisa foi do tipo descritiva com coleta de dados por meio de pesquisa documental e entrevista com quatro gestores de duas cooperativas paranaenses. Como resultados, a pesquisa revelou que as duas cooperativas analisadas não possuem nenhum registro de assédio moral no Tribunal Regional do Trabalho, que elas utilizam alguns métodos de prevenção ao assédio moral e que os discursos dos profissionais de Recursos Humanos apresentam algumas discrepâncias dos outros profissionais entrevistados. A Cooperativa Verde apresentou mais métodos preventivos ao assédio moral que a Cooperativa Azul, dentre eles estão o código de ética, denúncias via email, pesquisa de clima organizacional, caixa para denuncias e treinamento para futuros líderes abordando o tema do assédio. A Cooperativa Azul utiliza os canais formais de comunicação e diálogo com os funcionários, mas nada voltado diretamente para situações de assédio, pesquisa de clima organizacional, e código de ética. Sugere-se que as áreas de gestão de pessoas invistam mais na comunicação das ações de prevenção junto aos envolvidos, incentivando o diálogo e a disseminação do conhecimento sobre o que vem a ser o assédio e suas formas de prevenção.


Palavras-chave


Assédio moral; Prevenção; Cooperativas agropecuárias.

Texto completo:

PDF

Referências


Arendt, H. (1998). Sobre a violência. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barreto, M. (2004). Assédio moral no trabalho: uma odisseia de sofrimento e incertezas. In Nunes Sobrinho, F. de P. & Nassaralla, I. (Org.). Pedagogia institucional: fatores humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Zit.

Bialoskorski Neto, S. (2002). Estratégias e cooperativas agropecuárias: um ensaio analítico. In Braga, M. J., & Reis, B. S. dos (Org.). Agronegócio cooperativo – reestruturação e estratégias. Viçosa.

Bourdieu, P. (2010). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brasil (2000). Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por acidentes e violência. Revista de Saúde Pública, 34 (4), 427-430.

Campos, A. S. (2004). A violência como objeto para a saúde do trabalhador: agressões contra trabalhadores das unidades básicas de saúde do distrito sanitário norte de Belo Horizonte. 2004. Dissertação de mestrado, Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Chaddad, F. R. (2007). Cooperativas no agronegócio do leite: mudanças organizacionais e estratégicas em resposta à globalização. Organizações Rurais & Agroindustriais, 9 (1), 69-78.

Dias Júnior, P. C. (2013, nov.). Cooperativismo agropecuário: câmara temática de insumos agropecuários. Sistema OCB: CNCOOP/OCB/SESCOOP, 1-22. Recuperado em 15 de abril, 2015, de: .

Dellagnelo, E. H. L. & Silva, R. C. (2005). Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In Vieira, M. M. F. & Zovain, D. M. (Orgs.), Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. São Paulo: FGV.

Farias, R. P. (2008, jan./abr.). Assédio moral e a empresa. Desafio: Revista de Economia e Administração de Campo Grande, 9, 104-110.

Ferreira, M. A. M. & Braga, M. J. (2004, out). Diversificação e competitividade nas cooperativas agropecuárias. Revista de Administração Contemporânea, 8(4), 33-55.

Freitas, M. E. (2001, abr./jun.). Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas, 41 (2), 8-19.

Freitas, M. E.; Heloani, J. R.; & Barreto, M. (2008). Assédio moral no trabalho.

São Paulo: Cengage Learning, 2008.

Gosdal, T. C.; Soboll, L. A.; Schatzmam, M. & Eberle, A D. (2009). Assédio moral organizacional: esclarecimentos conceituais e repercussões. In Gosdal, T. C.; Soboll, L. A. P. (Orgs.). Assédio moral interpessoal e organizacional: Um enfoque interdisciplinar. São Paulo: LTr.

Gonçalves, W. J. (2008, jan./abr.). Danos na relação de emprego e o reflexo no capital humano. Desafio: Revista de Economia e Administração de Campo Grande, 9 (17), 94-103.

Heloani, R. (2004, jan./jun.). Assédio moral: um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. Revista de Administração de Empresas, 3 (1), 1-18.

Hirigoyen, M. F. (2006). Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral (3a ed). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

¬¬¬¬¬

. (2008). El acoso moral en el trabajo: distinguir lo verdadero de lo falso (1a ed. 2ª reimp). Buenos Aires: Paidós.

Lago, A. & Silva, T. N. (2012). Condicionantes do desenvolvimento de relacionamentos intercooperativos no cooperativismo agropecuário. Organizações Rurais & Agroindustriais, 14 (2), 212-226.

Nunes, T. S& Tolfo, S. da R. (2012). Prevenção e desenvolvimento de uma política antiassédio moral no trabalho. In> EnANPAD, 35.,2012, Rio de Janeiro. Encontro Nacional da Anpad, Rio de Janeiro.

Oliveira, R. P. de; & Nunes, M. de O. (2008, out.). Violência relacionada ao trabalho: uma proposta conceitual. Saúde e Sociedade, 17 (4), 22-34

Organização das Cooperativas Brasileiras (2014). Movimento livre da influência do Estado (2014). Recuperado em 19 de fevereiro, 2015, de: .

Pinto, R. A. B.; & Paula, A. P. P. (2013). Do assédio moral à violência interpessoal: relatos sobre uma empresa júnior. Cadernos Ebape.BR, 11(3), 340-355.

Rosa, A. R.; & Brito, M. J. de. (2009). Ensaio sobre violência simbólica nas organizações. Organizações & Sociedade, 16 (51), 629-646.

Santos, J. V. T. (2002, dez). Violências, América Latina: a disseminação de formas de violência e os estudos sobre conflitualidades. Sociologias, 8, 16-32.

Siqueira, M. V. S. (2009). Gestão de pessoas e discurso organizacional (2a ed.). Curitiba: Juruá.

Teixeira, R. F.; Munck, L.; & Reis, M. C. D. (2011). Assédio moral nas organizações: percepção dos gestores de pessoas sobre danos e políticas de enfrentamento. Revista Gestão Organizacional, 4 (1) 30-48.

Teixeira, R. F., Reis, M. C. D., & Santos, L. M. L. D. (2013). Assédio moral no trabalho: um estudo sobre as práticas de prevenção e combate ao fenômeno em empresas do norte do Paraná. Revista de Administração da UFSM, 6(4), 658-671.




DOI: http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v8i1.504

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Aline Alves Storti, Carlos Roberto Domingues, Janaina Maria Bueno

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia