A Importância da Língua Portuguesa na Matriz Curricular dos Cursos Superiores de Secretariado Executivo

Katia Cristina de Souza, Mariana Sabino Petean Galvão

Resumo


O presente estudo tem como objetivo analisar a oferta da disciplina da Língua Portuguesa e correlatas na matriz curricular dos cursos superiores de Secretariado Executivo oferecidos na modalidade bacharelado. Conforme previsto nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) preestabelecidas pelo Ministério da Educação, o profissional de Secretariado Executivo deve ter o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira; devendo, igualmente, obter condições de ensino-aprendizagem que propiciem o aprofundamento da língua nacional. Entretanto, o que constatamos nas matrizes curriculares dos cursos oferecidos em âmbito nacional é a ênfase ao ensino de línguas estrangeiras e a redução da carga horária para as disciplinas de Língua Portuguesa e correlatas. Desse modo, aspiramos demonstrar, por meio de pesquisas exploratória e documental, uma análise das matrizes curriculares do curso de Secretariado Executivo em universidades federais e particulares das cinco regiões brasileiras, no intuito de avaliar o impacto que tal ausência pode acarretar no desenvolvimento das competências de comunicação necessárias para a atuação do profissional de Secretariado Executivo na esfera corporativa. Após análise dos resultados, compreendemos que é necessária uma futura reformulação da matriz curricular com o foco na disciplina da Língua Portuguesa e correlatas, no intuito de aprimorar as competências do profissional em relação ao mercado de trabalho.


Palavras-chave


Comunicação. Língua Portuguesa. Matriz Curricular. Secretariado Executivo

Texto completo:

PDF

Referências


Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Bissaco, C. M. & Reatto, D. (2007). O ensino como língua estrangeira: uma discussão sócio-política e educacional. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, Ano 4, n. 7.

Brasil (1996a). Lei nº 9.261, de 10 de janeiro de 1996. Dispõe sobre o exercício da profissão de Secretário e dá outras providências e altera a redação dos incisos I e II do art. 2º, o caput do art. 3º, o inciso VI do art. 4º e o parágrafo único do art. 6º da Lei nº 7.377, de 30 de setembro de 1985. Brasília, DF: Senado. Recuperado em 11 de outubro, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9261.htm.

Brasil (1996b). Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura. Recuperado em 11 de outubro, 2015, de .

Brasil (2005a). Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Brasília: DF, Ministério da Educação. Recuperado em 10 de outubro, 2015, de .

Brasil (2005b). Lei nº. 11.161, de 5 de agosto de 2005. (2005). Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Brasília, DF: Senado. Recuperado em 12 de outubro, 2015, de .

Brasil (2007). Resolução nº 2, de 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Brasília: DF, Ministério da Educação. Recuperado em 11 de outubro, 2015 de .

Certo, S. C. (2003). Administração moderna (9a ed.). São Paulo: Prentice Hall.

Creswell, J.W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Guia do estudante. Recuperado em 10 de março, 2016, de .

IDHM – definição. Recuperado em 11 de outubro, 2015, de .

Lima, S. F. (2002). Tendências do mercado: profissão Secretariado Executivo. In Carvalho, A. P. e Grisson, D. (orgs.). Manual do Secretariado Executivo (5a ed. rev.e atual). São Paulo: D’Livros Editora, pp. 447-456.

Maffesoli, M. (2010). Saturação. São Paulo: Iluminuras.

Markus, K. (2012). O futuro quatro horas atrás – comunicação ecosófica nas organizações. In Galindo, D. (org.). Comunicação institucional & mercadológica: expansões conceituais e imbricações temáticas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, pp. 31-67.

Martins, C. B.; Genghini, A. L & Assis Todorov, M. C. (2011). A resiliência na atuação profissional em Secretariado Executivo. Revista do Secretariado Executivo, Passo Fundo: n.7, pp.9-20.

Mazulo, R. & Liendo, S. (2010). Secretária: rotina gerencial, habilidades comportamentais e plano de carreira. São Paulo: Editora Senac São Paulo.

Medeiros, J. B. & Hernandes, S. (2010). Manual da secretária: técnicas de trabalho (12a. ed.). São Paulo: Atlas.

Medeiros, J. B. (1998). Redação empresarial (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Mota, A. & Magalhães, V. (2013). O “invejável currículo” dos projetos pedagógicos.

Neiva, E. Garcia & D’Elia, M. E. S. (2009). As novas competências do profissional de Secretariado Executivo (2a ed.). São Paulo: IOB.

Nonato Júnior, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em Secretariado Executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Sacristán, J. G. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática (3a ed.). Porto Alegre: ArtMed.

Santos, E. F. (2005). O ensino superior no Brasil e os acordos MEC/USAID: o intervencionismo norte-americano na educação brasileira. Recuperado em 1º de novembro, 2014, de .

Sodré, M. (2012). Reinventando a educação: diversidade, descolonização e redes (2a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v7i3.488

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Katia Cristina de Souza, Fátima Regina Silva Santos, Euclydes Ghedin Coelho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC e-ISSN:2178-9010

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia