As Competências Contemporâneas do Secretário Executivo e a Relação Com as Competências do Middle Manager

Katia Denise Moreira, Luci Mari Aparecida Rodrigues, Juliana Cidrack Freire do Vale, Marize Helena da Rosa

Resumo


À medida que se considera o profissional do Secretariado Executivo como atuante junto às posições de liderança, pressupõe-se que haja correlação entre as competências desse profissional e aquelas do middle manager. Realizou-se, então, esta pesquisa de abordagem qualitativa e descritiva, na qual se procurou analisar a possível natureza de tal correlação. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, baseada em livros, artigos, leis e outros documentos que tratam do assunto. Após se elencar as competências e funções de ambos os profissionais, os dados levantados foram categorizados e analisados a partir da tipologia da gerência intermediária elaborada por Floyd e Wooldridge (1992), com o auxílio da técnica de Análise de Conteúdo. Como resultado, confirmou-se, em âmbito teórico, uma forte correlação entre as funções e competências daqueles profissionais. 


Palavras-chave


Competências. Secretário Executivo. Middle manager.

Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo, I., & Costa, S. I. (2002). Secretária: um guia prático (3a ed.). São Paulo: Senac.

Barros, C. M. P., Braga, M. C., & Silva, J. S. (2011). As competências gerenciais na atuação do secretário executivo no nível estratégico. Revista Expectativa, 10(10), 91-106.

Bortolotto, M., & Willers, E. (2005). Profissional de Secretariado Executivo: Explanação das principais características que compõem o perfil. Revista Expectativa, 1(4), 45-56.

Boyatzis, A. R. (1982). The competent manager: a model for effective performance. New York: John Wiley e Sons.

Brito, D. G. S., Nunes, L. G., & Pontes, M. D. V. S. (2013, maio). O Secretário Executivo como líder e gestor de pessoas: uma abordagem descritiva dos desafios enfrentados. Anais do XII Semissec, Porto Seguro, BA, Brasil, 12. Recuperado em 24 março, 2015, de http://www.fenassec.com.br/xii_semissec2013_artigos/o-secretario-executivo-como-lider-e-gestor-de-pessoas.pdf.

Bündchen, E.;, Rossetto, C. R., & Silva, A. B. da (2011). Competências gerenciais em ação: o caso do Banco do Brasil. Revista Eletrônica de Administração, 17(2), 396-423. Recuperado em 30 março, 2015, de http://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/38530.

Burgoyne, J. G. (1993). The competence movement: issues, stakeholders and prospects. Personnel Review, 22(6), 6-13. Recuperado em 30 março, 2015, de http://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/EUM000000000081.

Carvalho, M. S. M. V. (1998). Gestão de competências: Uma nova (?) abordagem em recursos humanos. Revista de Administração Pública, 32(5), 162-71. Recuperado em 30 março, 2015, de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7761.

Cordeiro, R. L. (2009). Competências complementares: secretário executivo e administrador trabalho final de graduação em secretariado executivo bilíngue. Monografia de Graduação.

Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Rio Grande do Sul.

Drucker, P. F. (1997). As novas realidades: no governo e na política, na economia e nas empresas, na sociedade e na visão do mundo (4a ed.). (C. A. Malferrari, Trad.). São Paulo: Pioneira.

Dutra, J. S. (2009). Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas.

Filenga, D.;, Moura, V. F., & Rama, A. L. F. (2010, setembro). Gestão por competências: análise metodológica e proposição de um instrumento para gestão de pessoas. Anais do XXXIV Encontro da Anpad-Enanpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Fleury, A., & Fleury, M. T. L. (2004). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Floyd, S. W., & Wooldridge, B. (1992). Middle management involvement in strategy and its association with strategic type: a research note. Strategic Management Journal, 13, 153-167.

Garcia, E. V. (1999). Muito prazer sou a secretária do senhor: um estudo sobre a profissional secretária a partir da análise do discurso. Passo Fundo: Elisabeth Virag.

Garfield, E. (1986). From scribes to secretaries in 5000 years; from secretaries to information managers in 20. Current Contents, 9(15), 3-8.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Hornsby, S. J.;, Kuratko, F. D., & Zahra, A. S. (2002). Middle managers’ perception of the internal environment for corporate entrepreneurship: assessing a measurement scale. Journal of Business Venturing, 17, 253-273.

Lasta, A., & Durante, D. G. (2008). A gestão secretarial no cenário organizacional contemporâneo. Secretariado Executivo em Revista, 4, 49-65.

Lavarda, B. A. R.;, Giner-Cantet, T. M., & Bonet-Peris, J. F. (2010). How middle managers contribute to strategy formation process: connection of strategy processes and strategy practices. Revista de Administração de Empresas, 50(4), 358-370.

Le Boterf, G. (1994). De la compétence. Essai sur un attracteur étrange. Paris: Les Editions d’organisation.

Leal, F. G., & Dalmau, M. L. B. (2014). Análise das competências secretariais requeridas pela Universidade Federal de Santa Catarina em comparação ao perfil profissiográfico do secretário executivo. Revista de Gestão e Secretariado, 5(3), 143-174.

_____., & Fiates, G. G. (2013). Competências dos secretários executivos de uma universidade pública federal: uma análise a partir da perspectiva dos gestores. Revista de Gestão e Secretariado, 4(3), 30-57.

Lei n. 6.556, de 5 de setembro de 1978 (1978). Dispõe sobre a atividade de Secretário e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 24 março, 2015, de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-6556-5-setembro-1978-366543-publicacaooriginal-1-pl.html.

Lei n. 7.377, de 30 de setembro de 1985 (1985). Dispõe sobre o exercício da profissão de Secretário e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 24 março, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7377.htm.

Lima, T. F., & Cantarotti, A. (2010). A formação e a construção de competências para a atuação do profissional de Secretariado Executivo: um estudo de caso de uma empresa júnior. Revista de gestão e secretariado, 1(2), 94-122.

Machado, A. J., & Lavarda, B. A. R. (2011, maio). Os papéis que o middle manager desempenha na formação e implementação da estratégia. Anais do V Encontro de Estudos em Estratégia, Porto Alegre, RS, Brasil, 5.

MacNeil, A., & Fossey, R. (2003). The case of secretary versus principal or the recalcitrant secretary. Journal of Cases in Educational Leadership, 6(3), 33-40. Recuperado em 22 março, 2015, de http://doi.org/10.1177/155545890300600304

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than for intelligence. American Psychologist, 28(1), 1-14. Recuperado em 22 março, 2015, de http://dx.doi.org/10.1037/h0034092.

Magalhães, S. J.;, Wanderley, M. H., & Rocha, J. (1997). Desenvolvimento de competências: o futuro agora! Revista Treinamento e Desenvolvimento, 3(14), 12-14.

Mattos, V. (2000). Supersecretária (2a ed.). São Paulo: Nobel.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2002). Classificação Brasileira de Ocupações – CBO.

Recuperado em 22 março, 2015, de: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/downloads.jsf.

Moreira, K. D., & Olivo, L. C. C. (2012). O Profissional de Secretariado Executivo como mediador de conflitos. Revista de Gestão e Secretariado, 3(1), 30-53.

Nascimento, I. B. N. , & Silva, G. L. (2013). A informação e suas tecnologias: uma análise descritiva e correlativa das ementas das disciplinas de informática em cursos de bacharelado em Secretariado Executivo de instituições públicas de ensino superior no Brasil. Revista de Gestão e Secretariado, 4(3), 1-29.

Natalense, M. L. C. (1995). Secretária executiva: manual prático. São Paulo: IOB.

Neiva, E. G., & D’Elia, M. E. S. (2009). As novas competências do profissional de secretariado (2a ed.) São Paulo: IOB.

Nonaka, I. (1988). Toward middle-up-down management: accelerating information creation. Sloan Management Review, 29 (3), 9-18.

Paiva, K. C. M., Ésther, A. B., & Pires, A. C. R. (2006). Milícias, malícias e delícias da função gerencial: o setor hoteleiro em foco. Revista Turismo em Análise. Recuperado em 30 março, 2015, de: http://www.revistas.usp.br/rta/article/view/63759.

Pereira, A. L. C., & Silva, A. B. (2011, julho). As competências gerenciais nas instituições federais de educação superior. Cadernos EBAPE.BR, 9, 632-647. Recuperado em 22 março, 2015, de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/5445.

Portela, K. C.A., & Schumacher, A. J. (2009). Gestão secretarial: o desafio da visão holística (1a. ed.). Cuiabá: Adeptus.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review, 68(3), 79-91.

Rabaglio, M. O. (2001). Seleção por competência. São Paulo: Educator.

Resende, E. (2000). O livro das competências: desenvolvimento das competências: a melhor auto-ajuda para pessoas, organizações e sociedade. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Resolução CES nº 3, de 23 de junho de 2005 (2005). Estabelece diretrizes curriculares nacional dos cursos de graduação em secretariado executivo. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Recuperado em 24 março, 2015, de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces003_05.pdf.

Roesch, S. M. A. (1999). Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Rouleau, L., & Balogun, J. (2011). Middle managers, strategic sensemaking, and siscursive competence. Journal of Management Studies, 48(5), 953-983.

Ruas, R. (2005). Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das organizações. In R. Ruas, C. S. Antonelo, & L. H. Boff (Orgs.). Aprendizagem organizacional e competências: os novos horizontes da gestão. Porto Alegre: Bookman.

Seiblitz, V. M. L. (1999). Super Secretária: o guia para a profissional que quer vencer na vida. São Paulo: Nobel.

Taylor, F. W. (1970). Princípios da administração científica. São Paulo: Atlas

U. S. Department of Labor, Office of the Secretary, Women's Bureau. (1985). Women and office automation; issues for the decade ahed. Washington, D. C.: Government Printing Office.

Vergara, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, M. M. F. (2004). Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In M. M. F. Vieira & D. M. Zouain (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro, RJ: FGV Editora.

Weymer, A. S. Q., & Silva, E. D. (2009, novembro). A contribuição do conceito de competências nos campos científico e gerencial: um tour sobre pesquisas empíricas e suas relações epistemológicas. Anais do II Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Curitiba, PR, Brasil, 2.

Zarifian, P. (1994). Compétences et organisation qualifiante en milieu industriel. Lacompétence: mythe, construction ou réalité. Paris: Liaisons.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v7i1.400

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Katia Denise Moreira, Luci Mari Aparecida Rodrigues, Juliana Cidrack Freire do Vale, Marize Helena da Rosa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia