Análise dos Gêneros na Linguagem: A Atuação e o Preconceito Contra os Homens na Área de Secretariado Executivo

Weidman Machado Bernardino, Warley Steffany Nunes

Resumo


Existe a concepção social de que os homens possuem maior desempenho em trabalhar no campo das engenharias, da medicina, das ciências políticas e jurídicas, enquanto as mulheres, do magistério, da economia doméstica e do secretariado. Entretanto, as teorizações dos gêneros são consideradas ferramentas utilizadas para indagarem esses “rótulos” naturalizados e cristalizados pela sociedade. Por esse motivo, essa pesquisa baseou-se em Michel Foucault (1978), Stuart Hall (2003) e Bordieu (2005) para se fazer uma reflexão sobre a pouca atuação masculina na área de Secretariado. Para isso, essa pesquisa científica tem por objetivo analisar a linguagem como ferramenta para a construção de ideias e concepções para servir a determinado propósito. Para alcançá-lo, essa investigação orientou-se pelo material de oferta de emprego divulgado no site Catho Online, referente ao período de 29 de janeiro a 23 de março de 2010, pela lei que criou o dia das Secretárias e pelo questionário aplicado aos estudantes e profissionais correlatos à área secretarial. Por último, examinaram-se, no campo da linguagem, os gêneros masculino e feminino para verificar o processo relacional de poder e saber considerando as distinções hierárquicas.

DOI:10.7769/gesec.v4i2.171


Palavras-chave


Linguagem; Gêneros; Masculinidade; Secretariado Executivo.

Texto completo:

PDF

Referências


Bourdier, P. (2005). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Casimiro, L. (2008) História da profissão de Secretariado. Recuperado em 24 março, 2010 de

Connell, R. W. (1995) Políticas da masculinidade. Educação e realidade. Porto Alegre: vol. 20, n. 2, pp. 156-206, jul./dez.

Dijk, T. A. V. (2008). Discurso e poder. São Paulo: Editora Contexto.

Fenasssec (2013). História da profissão de secretariado a saga dos secretários. Recuperado em 24 janeiro, 2013 de

Ferreira, R. (2010) De lap top e celular, secretária adquire perfil executivo. Recuperado em 29 abril, 2010 de .

Foucault, M. (1978). Historia de la sexualidad. Madrid: Siglo XVI Editores.

Hall, S. & Gay, P. (2003).Cuestiones de identidad cultural. (1a ed.) Buenos Aires: Amorrortu.

História da profissão de Secretariado. Recuperado em 14 setembro, 2010 de .

Lei n. 1.421 de 26 de outubro de 1977. Recuperado em 9 abril, 2010 de .

Marconi, M. A & Lakatos, E. M. (2008). Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. (7a ed.) São Paulo: Atlas.

Nonato Júnior, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em secretariado executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Oliveira, P. P. (2004). A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Iuperj.

Pereira, P. F. (2008). Homens na enfermagem: atravessamentos de gênero na escolha, formação e exercício profissional. Tese (mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v4i2.171

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Weidman Machado Bernardino, Warley Steffany Nunes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia