A Dinâmica e os Fatores Organizacionais Propiciadores à Ocorrência do Assédio Moral no Trabalho

Thiago Soares Nunes, Suzana da Rosa Tolfo

Resumo


Neste artigo é apresentada uma revisão da literatura sobre o assédio moral, com uma abordagem voltada para a Ciência da Administração. Considera-se que no atual contexto existem alguns fatores organizacionais propiciadores à ocorrência do assédio moral, e que são importantes de ser compreendidos pelo administrador. O assédio moral trata-se de um processo complexo que inclui a interação de aspectos interpessoais, sociais (grupais) e organizacionais. A abordagem focada é a do assédio moral organizacional, cujo objetivo é fazer com que as agressões sirvam de exemplo para os membros organizacionais, para que estes alcancem as metas/objetivos estabelecidos pela organização a qualquer custo. Ressalta-se que existem alguns fatores organizacionais que podem propiciar o assédio, como a mudança da natureza e da organização do trabalho, cultura e clima organizacional, e liderança. Buscaram-se nos modelos propostos subsídios conceituais explicativos do fenômeno, os quais demonstram a interação dos diversos aspectos supracitados que influenciam na ocorrência.

DOI:10.7769/gesec.v4i2.161


Palavras-chave


Assédio moral no trabalho; Bullying; Violência no trabalho; Gestão de Pessoas

Texto completo:

PDF

Referências


Barreto, M. M. S. (2006). Violência, saúde e trabalho: uma jornada de humilhações. São Paulo: Educ.

Bradaschia, C. A. (2007). Assédio moral no trabalho: a sistematização dos estudos sobre um campo em construção. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, Brasil.

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. 7a ed. Rio de Janeiro: FGV.

Di Martino, V.; Hoel, H. & Cooper, C. L. (2003). Preventing violence and Harassment in the workplace. Dublin: European Foundation for the Improvement of Living and Working Conditions.

Einarsen, S. (2005). The nature, causes and consequences of bullying at work: The Norwegian experience. Pistes, 7(3), pp. 1-14.

Einarsen, S.; Hoel, H.; Zapf, D. & Cooper, C. L. (2011). The concept of bullying and harassment at work: the European tradition. In: Idem (orgs.). Bullying and harassment in the workplace: Developments in theory, research, and practice. London: Taylor & Francis, pp. 3-39.

Einarsen, S.; Hoel, H.; Zapf, D. & Cooper, C. L. (2003). The concept of bullying at work: the European tradition. In: Idem (orgs.). Bullying and emotional abuse in the workplace: International perspectives in research and practice. London: Taylor & Francis, pp. 3-30.

Einarsen, S.; Hoel, H.; Zapf, D. & Cooper, C. L. (2005). Workplace Bullying: individual pathology or organizational culture? In Bowie, V.; Fischer B. S. & Cooper C. L. (orgs.). Workplace violence: issues, trends, strategies. Devon: Willian Publishing, pp. 229-247.

Freitas, M. E. (2001). Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas. São Paulo: FGV, 41 (2), pp. 8-19.

Freitas, M. E. (2007). Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning.

Freitas, M. E.; Heloani, J. R. & Barreto, M. M. S. (2008). Assédio moral no trabalho. São Paulo: Cengage Learning.

Gosdal, T. C.; Soboll, L. A.; Schatzmam, M. & Eberle, A. D. (2009). Assédio moral organizacional: esclarecimentos conceituais e repercussões. In: Gosdal, T. C. & Soboll, L. A. (orgs.). Assédio moral interpessoal e organizacional: Um enfoque interdisciplinar. São Paulo: LTr, pp. 33-41.

Heloani, J. R. (2005). Assédio moral: a dignidade violada. Aletheia, 22, pp. 101-108.

Hirigoyen, M.-F. (2008). Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hoel, H. & Salin, D. (2003). Organisational antecedents of workplace bullying. In: Einarsen, S.; Hoel, H.; Zapf D. & Cooper C. L. (orgs). Bullying and emotional abuse in the workplace: International perspectives in research and practice. London: Taylor & Francis, pp. 203-218.

Leymann, H. (1990). Mobbing and Psychological Terror at Workplaces. Violence and Victims, 5(2), pp. 119-126.

Leymann, H. (1996). The Content and Development of Mobbing at Work. European Journal of Work and Organizational Psychology, 5(2), pp. 165-184.

Lubit, R. (2002). O impacto dos gestores narcisistas nas organizações. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, 42(3), pp. 66-77.

Martiningo Filho, A. (2007). Assédio moral e gestão de pessoas: Uma análise do assédio moral no trabalho e o papel da área de gestão de pessoas. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Morgan, G. (2009). Imagens da organização. São Paulo (SP): Atlas.

Nunes, T. S. (2011). Assédio moral no trabalho: o contexto dos servidores da Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Nunes, T. S. & Tolfo, S. R. (2012a). Políticas y prácticas de prevención y combate al acoso moral en una universidad brasileña. Salud de los Trabajadores, 20(1), pp. 61-73.

Nunes, T. S. & Tolfo, S. R. (2012b). Prevenção e desenvolvimento de uma política anti-assédio moral no trabalho. Anais do XXXVI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, Brasil.

Oliveira, D. P. R. (2008). Teoria geral da administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas.

Ramos, A. G. (1989). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2a ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Salin, D. (2003a). Ways of explaining workplace bullying: a review of enabling, motivating and precipitating structures and processes in the work environment. Human Relations, 56, pp. 1.213-1.232.

Salin, D. (2003b). Workplace bullying among business professionals: Prevalence, organisational antecedents and gender differences. Doctoral dissertation. Research Reports, Serie A, no 117. Helsinki: Swedish School of Economics and Business Administration.

Selfridge, R. J. & Sokolik, S. L. (1975). A comprehensive view of organizational management. MSU Business Topics, 23(1), pp. 46-61.

Sina, A. (2007). A outra face do poder. São Paulo: Saraiva.

Skogstad, A.; Matthiesen, S. B. & Einarsen, S. (2007). Organizational changes: A precursor of bullying at work?. International Journal of Organization Theory and Behavior, 10, pp. 58-94.

Tachizawa, T.; Cruz Júnior, J. B. & Rocha, J. A. O. (2006). Gestão de negócios: visões e dimensões empresariais da organização. São Paulo: Atlas.

Vartia, M. (2003). Workplace bullying: A study on the work environment. well-being and health. Doctoral Dissertation. People and Work Research Reports 56. Helsinki: Finnish Institute of Occupational Health.

Zapf, D. & Einarsen, S. (2003). Individual antecedents of bullying: victims and perpetrators. In: Einarsen, H.; Hoel, D.; Zapf D. & Cooper, C. L. (orgs.). Bullying and emotional abuse in the workplace: International perspectives in research and practice. London: Taylor & Francis, pp. 165-184.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v4i2.161

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Thiago Soares Nunes, Suzana da Rosa Tolfo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia