A influência das dimensões de governança regional no investimento de ativos intangíveis das empresas brasileiras: uma análise em nível de país

Authors

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v14i1.1580

Keywords:

Intangibilidade, Desempenho, Governança, Corrupção, Estado de Direito

Abstract

O trabalho busca identificar a relação entre intangibilidade e as dimensões de governança medida por controle de corrupção e o estado de direito das empresas brasileiras listadas na B3. Para tanto, foram estimados os modelos de regressão de dados em painel para 183 empresas não financeiras, no período de 2011 a 2019, por meio da base de dados Economática. Os resultados apontam que tanto o controle de corrupção quanto o estado de direito impactam positivamente no grau de intangibilidade das empresas. Esse resultado sugere que um maior controle da corrupção influencia positivamente o grau de intangibilidade das empresas. Conclui se também que a variável regionalidade não apresentou significância neste estudo, não é possível inferir que as empresas situadas no Triangulo Mineiro e Alto Paranaíba teriam mais acesso a inovar e que teriam um melhor resultado em relação ao grau de intangibilidade.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Albuquerque, A. R., Filho. (2020). Análise da composição dos intangíveis nas empresas de TI e telecomunicações da B3. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia, 10, 01-13. http://dx.doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-13.1084

Amavilah, V. H. (2009). Domestic Resources, Governance, Global Links, and the Economic Performance of Sub-Saharan Africa. Resource & Engineering Economics Publications Services. MPRA Paper 11193, University Library of Munich, Germany. https://core.ac.uk/download/pdf/211588509.pdf. Acesso em: 20 jan.2021.

Appelbaum, S. H., Calla, R., Desautels, D., & Hasan, L. N. (2017). The challenges of organizational agility: part 2. Industrial and Commercial Training, 49(2), 69-74. https://doi.org/10.1108/ICT-05-2016-0028

Banco Mundial. (2021). Worldwide Governance Indicators. In: The Worldwide Governance Indicators (WGI) project.. https://databank.worldbank.org/source/worldwide-governance-indicators

Barajas, A., Shakina, E., & Fernández-Jardón, C. (2017) Acceleration effect of intangibles in the recovery of corporate performance after-crisis. Research in International Business and Finance, 42, 1115-1122. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2017.07.046

Braune, E., Sahut, J. M., & Teulon, F. (2020) Intangible capital, governance and financial performance. Technological Forecasting and Social Change, 154, 1199-34. https://doi.org/10.1016/j.techfore.2020.119934

Callado, A. L. C., & Silva, A. R. (2018). Características da produção científica associada à intangibilidade e desempenho econômico-financeiro sob a perspectiva de redes sociais. Desafio Online, Campo Grande, 6(1), 122-140.

Campbell, K. (2013) A statistical analysis of public sector corruption and economic growth. LUX: A Journal of Transdisciplinary Writing and Research from Claremont Graduate University, 2(1), 1-19.

Carvalho, F. M. (2009) Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho superior e persistente de firmas brasileiras. (Tese de Doutorado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo/SP.

Dallabona, L. F., Kroetz, M., & Mascarello, G. (2014) Relação entre os indicadores de desempenho e o valor adicionado distribuído aos agentes colaboradores de empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 13(39), 49-63.

http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v13n39p49-63

Donadelli, M., Fasan, M., & Magnanelli, B. S. (2014). The Agency Problem, Financial Performance and Corruption: Country, Industry and Firm Level Perspectives. European Management Review, 11, 259-272. https://ssrn.com/abstract=2542401. Acesso em: 28 jun. 2021.

Faria, G. G., Carvalho, L., Peixoto, F. M., & Borsatto, J. M. L. S. (2020) Governança corporativa e a intangibilidade: um estudo em empresas brasileiras não financeiras da B3. Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM), 19(4), 58-75. https://doi.org/10.5585/riae.v19i4.16591

Fávero, M. T. M. (2004). Desenvolvimento psicomotor e aprendizagem da escrita. (Dissertação de Mestrado em Educação). Departamento de Teoria e Prática da Educação da Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR. http://www.ppe.uem.br/dissertacoes/2005/2005-Maria_Teresa. Acesso em: 21 jun.2021.

Galvão, N. M. dos S., & Dornelas, J. S. (2017). Análise de desempenho na geração de benefícios econômicos dos clubes de futebol brasileiros: o uso do atleta como recurso estratégico e ativo intangível. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(32), 21-47. http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n32p21

Görg, H., & Greenaway, D. (2004). Much Ado About Nothing? Do Domestic Firms Really Benefit from Foreign Direct Investment? The World Bank Research Observer, 19(2), 171-197.https://doi.org/10.1093/wbro/lkh019

Hoss, O., Rojo, C. A., & Grapeggia, M.(2017). Gestão de ativos intangíveis: da mensuração à competitividade por cenários. São Paulo: Atlas.

Kayo, E. K. (2002) A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas. (Tese de Doutorado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo/SP. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-05032003-194338/pt-br.php. Acesso em: 28 jun. 2021.

Liang, Y. (2021). Intangible capital in US manufacturing, Economics Letters. 199, 109697. https://doi.org/10.1016/j.econlet.2020.109697

Lauretti, C. M. (2012). A relação entre intangibilidade, desempenho financeiro e desempenho de mercado. (Tese de outorado em Administração de Empresas). Programa de Pós-Graduação em Adminsitração de Empresas. Universidade Mackenzie, São Paulo/SP.

Lev, B. (2021). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington, DC: Brookings Institution.

Machado, G. A., Carvalho, L., & Peixoto, F. M.(2017) A Relação Entre Intensidade Tecnológica E Grau De Intangibilidade No Desempenho Econômico-Financeiro Da Indústria Brasileira. Gestão & Regionalidade, 33(99), 1-18. https://doi.org/10.13037/gr.vol33n99.4167

Marino, P. B. L. P., Soares, R. A., Luca, M. M. M., & Vasconcelos, A. C. (2016). Indicadores de governança mundial e sua relação com os indicadores socioeconômicos dos países do Brics. Revista de Administração Pública, 50(5), 721-744. • https://doi.org/10.1590/0034-7612144359

Mazzioni, S., Rigo, V. P., Klann, R. C. & Silva, J. C. A., Junior. (2014). A relação entre a intangibilidade e o desempenho econômico: estudo com empresas de capital aberto do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS). Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(1), 122-148.

Mendonça, F. F. P., Martins, H. C., & Terra, P. R. S. (2019). Estrutura de Capital e Mecanismos de Governança Externos à Firma: Uma Análise Multipaís. Revista de Administração Contemporânea, 23(6), 765-785. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019190109

Moura, A. M. M., Gabriel, R. F., Junior, Magnus, A. P. M.; Boch, F. S., & Scartassini, V. B. (2019). Panorama das patentes depositadas no Brasil: uma análise a partir dos maiores depositantes de patentes na base Derwent Innovations Index. Brazilian Journal of Information Studies: Research Trends, 13(2), 59-68.https://doi.org/10.36311/1981-1640.2019.v13n2.06.p59

Moura, G. D., Mecking, D. V., & Scarpin, J. E. (2013). Competitividade de mercado, ativos intangíveis e eficiência na combinação dos ativos fixos em companhias abertas listadas na BM&Fbovespa. Enfoque Reflexão Contábil, 32(3), 19-35. https://doi.org/10.4025/enfoque.v32i3.18406

Nunes, D. M. S. (2017). Incerteza Política: Uma análise do impacto da incerteza política nacional e internacional no mercado de capitais brasileiros. (Tese de Doutorado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração - Universidade de Brasília, Brasília. https://repositorio.unb.br/handle/10482/24430. Acesso em: 17 mai.2021.

Padula, A. J. A., & Albuquerque, P. H. M. (2018). Corrupção governamental no mercado de capitais: um estudo acerca da operação lava jato. RAE-Revista de Administração de Empresas, 58(4), 405-417. https://doi.org/10.1590/S0034-759020180406

Pellicani, A. D. (2017). O Impacto da Corrupção nas Decisões de Investimento das Firmas Brasileiras de Capital Aberto. Rev. Bras. Econ., 71(2), 195-215. https://doi.org/10.5935/0034-7140.20170010

Perez, M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade & Finanças, 17(40), 7-24. https://doi.org/10.1590/S1519-70772006000100002

Perez, M. M., & Famá, R. (2015). Características estratégicas dos ativos intangíveis e o desempenho econômico da empresa. Unisanta Law and Social Science, 4(2), 107-123.

Pires, V. M. (2017). A influência do investimento em recursos intangíveis no desempenho das instituições financeiras estabelecidas no Brasil. (Tese de Doutorado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, São Leopoldo/RS. http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/6338. Acesso em: 1 jul. 2021.

Ritta, C. D. O., & Ensslin, S. R (2010). Investigação sobre a relação entre ativos intangíveis e variáveis financeiras: um estudo nas empresas brasileiras pertencentes ao Índice Ibovespa nos anos de 2007 e 2008. In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 10, 2010, São Paulo. Anais...São Paulo: USP, p. 1-16.

Ritta, C. O., Cunha, L. C., & Klann, R. C. (2017). Um estudo sobre causalidade entre ativos intangíveis e desempenho econômico de empresas (2010 - 2014) Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online), 22(2), 92-107. https://doi.org/10.12979/32389

Rodríguez-Masero, N., & López-Manjón, J. D. (2020). The Usefulness of Operating Cash Flow for Predicting Business Bankruptcy in Medium-Sized Firms. Review of Business Management, 22(4), 917-931. https://doi.org/10.7819/rbgn.v22i4.4079

Santos, L. F. D., Ferreira, M. A. M., & Salgado, R. J. D. S. F. (2017). Desenvolvimento Rural dos Municípios de Minas Gerais: Fatores Determinantes e Hierarquização. Gestão & Regionalidade, 33(97), 83-99. https://doi.org/10.13037/gr.vol33n97.3640

Silva, E. A., Junior, Fagundes, M. B. B., & Figueiredo, A. M. R. (2021). Economic Complexity: A Systematic Review of Literature. Desafio Online, 9(1), 116-137.

Silva, A., Souza, T. R., & Klann, R. C. (2017). A Influência dos Ativos Intangíveis na Relevância da Informação Contábil. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(31), 26-45. http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n31p26

Sprenger, K. B., Silvestre, A. O., Brunozi, A. C., Junior, & Kronbauer, C. A. (2017). Intensidade das intangibilidades e desempenhos econômico-financeiros em empresas dos países do GLENIF. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 121-148. https://doi.org/10.18028/rgfc.v7i1.2335

Tristão, P. A., & Sonza, I. B. (2021). Incremento na Alavancagem Impulsionado pela Adoção do Padrão Internacional Contábil. Revista de Administração Contemporânea, 25(4), e200157. http://dx.doi.org/10.159O/1982-7849rac2O2120O157.en

Viglioni, M. T. D., & Calegario, C. L. Leal. (2021). How firm size moderates the knowledge and affects the innovation performance? Evidence from Brazilian manufacturing firms. Revista Ibero Americana de Estratégia, 20(Special Issue), 1-20. https://doi.org/10.2285/riae.v20i1.15567

Vogt, M., Kreuzberg, F., Degenhart, L., Rodrigues, M. M. Jr., & Biavatti, V. T. (2016). Relação entre intangibilidade, desempenho econômico e social das empresas listadas na BM&Fbovespa. Gestão & Regionalidade, 32(95),71-89. https://doi.org/10.13037/gr.vol32n95.2741

Zhou, F., Zhang, Z., Yang, J., Su, Y., & An, Y.(2018). Delisting pressure, executive compensation, and corporate fraud: Evidence from China. Pacific-Basin Finance Journal, 48,17-34. https://doi.org/10.1016/j.pacfin.2018.01.003.

Published

2023-01-24

How to Cite

Barbosa, I., Carvalho, D. B. S., Pereira, V. S., Penedo, A. S. T., & Carvalho, L. (2023). A influência das dimensões de governança regional no investimento de ativos intangíveis das empresas brasileiras: uma análise em nível de país. Revista De Gestão E Secretariado (Management and Administrative Professional Review), 14(1), 1138–1157. https://doi.org/10.7769/gesec.v14i1.1580