Os limites da educação financeira sob a perspectiva da economia comportamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1365

Palavras-chave:

Educação Financeira, Racionalidade Econômica, Economia Comportamental

Resumo

A educação financeira vem ganhando espaço nos debates contemporâneos. Seus princípios afirmam que o indivíduo com pleno conhecimento financeiro tem capacidade de utilizar informações para decidir de maneira ótima. A ortodoxia econômica buscou analisar o comportamento dos indivíduos sob uma perspectiva de racionalidade maximizadora. Contrariando tal perspectiva, autores da Economia Comportamental desenvolveram estudos, considerando, fatores cognitivos. A partir desse debate, o presente trabalho tem por objetivo analisar as limitações do homem racional e da educação financeira no processo de tomada de decisões econômicas, demonstrando, através da economia comportamental, como fatores psicológicos constrangem resultados da educação financeira nas decisões de consumo. Desenvolvida no plano teórico, a pesquisa utiliza do método bibliográfico. Concluiu-se pela insuficiência da educação financeira como garantia à racionalidade nas decisões de consumo, pois os seres humanos são influenciados por fatores limitadores de ordem psicológicas, culminando em decisões não racionais, por vezes, mesmo sujeitos à educação financeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, F. de P. Um ensaio sobre a racionalidade em economia: considerações acerca de concepções neoclássicas e Herbert Simon. 153 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Faculdade de Ciências e Letras, São Paulo, 2009.

ÁVILA, F.; AVILA, M. Como e quando surgiu a Economia Comportamental. [S.l.]. 2014. Disponível em: <http://www.economiacomportamental.org/como-e-quando-surgiu/>. Acesso em: 02 jun. 2021.

BERGER, B.; PESSALI, H. F. A teoria da perspectiva e as mudanças de preferência no mainstream: um prospecto lakatoseano. Revista de Economia Política, vol. 30, n. 2, p. 340-356, abr./jun. 2010.

CERBASI, G. Como organizar sua vida financeira. [s. n.]. Rio de Janeiro, 2009.

COSTA, F. N. da. Economia comportamental: de volta à filosofia, sociologia e psicologia. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 173, dez. 2009.

FERNANDEZ, R. G; STEINGRABER, R. A racionalidade limitada de Herbert Simon na Microeconomia. Revista Soc. Bras. Economia Política, São Paulo, nº 34, p. 123-162, fev. 2013.

FERREIRA, V. R. de M. Psicologia econômica: origens, modelos, propostas. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

FIGUEIREDO, M. V. P. Para além do homo economicus: as contribuições da economia comportamental e institucional para a compreensão do comportamento econômico humano. 2013. 48f. Graduação (Ciências Econômicas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. Métodos de Pesquisa. Editora da UFRGS, 2009.

HUSTON, S. J. Measuring Financial Literacy. The Journal of Consumer Affairs, Vol. 44, 2010.

JEVONS, W. S. (1871). A Teoria da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

KAHNEMAN, D. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Objetiva, 2012.

KAHNEMAN, D.; TVERSKY, A. (1979). Teoria da perspectiva: uma análise da decisão sob risco. Econometrica, p. 263-291, 1979.

KIYOSAKI, R. T.; FLEMING J.; KIYOSAKI, K. Pai rico: o negócio do século XXI. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Editora Perspectiva S.A, 1997.

LEITE, J. H. B. Nudge: uma revisão teórica acerca do arquiteto de escolhas. 2019. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

LOPES, C. M. Os Novos Clássicos e o Método. [S.I.], v. 11, n. 19, 1993.

MATTOZINHOS, A. Nudge, Sludge: pensando intervenções no ambiente. [S.I.]. 2018. Disponível em: <https://geekonomics.com.br/2018/12/nudge-sludge-ambiente/>. Acesso em: 09 jun. 2021.

MENA, I. Verbete draft: o que é economia comportamental. 2016. Disponível em: <https://projetodraft.com/verbete-draft-o-que-e-economia-comportamental/>. Acesso em: 07 maio 2021.

NUNES, B. F. Mapas de precificação de ativos no mercado de capitais: uma análise do poder prescritivo da behavioral finance. 2008. 161 f. Dissertação (Pós-graduação em Economia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Recomendação sobre os Princípios e as Boas Práticas de Educação e Conscientização Financeira. 2005.

PAIVA, F. S. O processo de decisão sob a perspectiva da economia comportamental e da neurociência. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia) - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa, Lisboa, 2013.

PASSOS, E. S. "Das Adam Smith Problem" - Uma análise comparativa das obras a teoria dos sentimentos morais e a riqueza das nações de Adam Smith. 2006. 75 f. Graduação (Ciências Econômicas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

PINHO, D. B. A racionalidade econômica: abordagem histórica. Revista de história. [S.I.]. v. 54 n. 107, 1976.

PLOUS, S. The psychology of judgment and decision making. New York: McGraw-Hill. 1993.

RAMOS, J. P. Uma discussão sobre o comportamento de consumo das famílias à luz das teorias do consumidor e da economia comportamental. 2019. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas) - Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2019.

SBICCA, A. Heurísticas no Estudo das Decisões Econômicas: contribuições de Herbert Simon, Daniel Kahneman e Amos Tversky. Estudos Econômicos, São Paulo, vol.44, n.3, p.579-603, jul./set. 2014.

SIMON, H. A. A Behavioral Model of Rational Choice. Quarterly Journal of Economics, v. 69, n. 1, p. 99-118, 1957.

SMITH, A. (1776). A Riqueza das Nações: Investigação sobre sua Natureza e suas Causas. Coleção: Os Economistas. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

THALER, R. H. Nudge: como tomar melhores decisões sobre saúde, dinheiro e felicidade. Tradução de Ângelo Lessa. — 1ª ed. — Rio de Janeiro: Objetiva, 2019.

TONETTO, L. M. et. al. O papel das heurísticas no julgamento e na tomada de decisão sob incerteza. Estudos de Psicologia, Campinas. p. 181-189. Abr./jun, 2006.

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. (1974). Judgment under uncertainty: heuristics and biases. Science, 185 (4157), 1974.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

Mira, E. C. ., & Diniz, M. de F. . (2022). Os limites da educação financeira sob a perspectiva da economia comportamental. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 756–775. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1365