Redes solidárias de apoio ao autismo no Brasil: uma revisão sistemática da última década

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1350

Palavras-chave:

Redes Solidárias, Autismo, Redes de Apoio, Políticas Públicas, Análise de Redes Sociais

Resumo

Este artigo teve como o objetivo verificar a existência de redes solidárias de apoio a portadores do TEA e seus familiares no Brasil, por meio de uma Revisão Sistemática da literatura. Inicialmente elaborou-se um referencial teórico sobre o Transtorno de Espectro Autista e Redes Solidárias. Em seguida, descreveu-se a metodologia apresentando a questão norteadora: Existem redes solidárias de apoio a portadores do TEA e seus familiares no Brasil? De forma mais específica, buscou-se respostas a estes elementos: a) Quais são propriedades de redes existentes; b) Quais atores interagem nas redes do TEA; c) Que tipo de interação há entre os atores. Realizou-se um levantamento da produção científica dos últimos 10 anos utilizando os termos Autismo, Redes Solidárias, Redes de apoio, Organizações, Autistas, Transtorno do Espectro Autista. O resultado mostrou-se positivo para a existência de redes, porém, com poucos estudos científicos sobre a temática. Verificou-se que as redes têm propriedades centralizadas. Os atores das redes são pessoas jurídicas públicas e privadas, organizações não governamentais e pessoas físicas. Nas interações, verificou-se baixa conexão com atores do setor público devido à falta de políticas públicas envolvendo o autismo. Está pesquisa contribui ao constatar a necessidade da ampliação das Rede de Apoio ao TEA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDER-EGG, E. Introducción a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. Guidance Collection 6. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1972.

BERTOLINI, S.; BRAVO, G. Social capital, a multidimensional concept. 2004. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.197.1952&rep=rep1&type=pdf. Acesso em: 05 Dez. 2020.

BRITES, L.; BRITES, C. Mentes únicas. São Paulo: Editora Gente, 2019.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FARIA, D. R. Contribuições da teoria psicogenética de Henri Wallon à educação infantil. 2015. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/20861_8401.pdf. Acesso em: 19 out. 2020.

GAIATO, M. SOS autismo: guia completo para entender o Transtorno de Espectro Autista. São Paulo: nVersos: 2018.

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, I. L. M. Revisão sistemática da literatura: conceituação, produção e publicação .Logeion: filosofia da informação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 57-73, set.2019/fev. 2020 . Disponível em: https://sites.usp.br/dms/wp-content/uploads/sites/575/2019/12/Revis%C3%A3o-Sistem%C3%A1tica-de-Literatura.pdf. Acesso em: 05 dez. 2020.

MANCE, E. A. Redes de colaboração solidária. Cutitiba: Ufil, 2002. Disponível em: http://www.solidarius.net/mance/biblioteca/redecolaboracao-pt.pdf. Acesso em: 05 nov. 2020.

MINATEL, M. M; MATSUKURA, T. S. Famílias de crianças e adolescentes com autismo. Revista de Terapia Ocupacional da Univ. São Paulo. São Paulo, v. 25, n. 2, maio/ago. 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/65682/88132. Acesso em: 19 de out. 2020.

MONTARDO, S. P.; PASSERINO, L. M. Implicações de redes temáticas em blogs na Análise de Redes Sociais (ARS): estudo de caso de blogs sobre autismo e síndrome de Asperger. Interface. Botucatu, vol. 14, n. 35, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000017. Acesso em: 29 nov. 2020.

NAÇÕES UNIDAS (ONU). Especialistas da ONU em direitos humanos pedem fim da discriminação contra pessoas com autismo. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/69043-especialistas-da-onu-em-direitos-humanos-pedem-fim-da-discriminacao-contra-pessoas-com. Acesso em: 19 de out. 2020.

NAVARRO MONTAÑO, M. J.; TORRE, E. H. La colaboración en red entre profesorado de aulas específicas de autismo para promover el intercambio profesional para la inclusión educativa. Perfiles Educativos. México, v. XXXIX, n. 156, abr./jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/pdf/peredu/v39n156/0185-2698-peredu-39-156-00058.pdf. Acesso em: 05 dez. 2020.

NUNES, F.; ORTEGA, F. Ativismo político de pais de autistas no Rio de Janeiro: reflexões sobre o “direito ao tratamento”. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 25, n. 4, 2016, p. 964-975. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n4/1984-0470-sausoc-25-04-00964.pdf. Acesso em: 29 nov. 2020.

PORTAL de Periódicos da CAPES. Acervo. Disponível em: https://www-periodicos-capes-gov-br.ezl.periodicos.capes.gov.br/index.php?option=com_pcollection&Itemid=105. Acesso em: 05 dez. 2020.

RECUERO, R. Comunidades virtuais em redes sociais: uma proposta de estudo. E-Compós, v. 4, 2005. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/57. Acesso em: 05 dez. 2020.

ROCHA, G. Autismo: saiba como o distúrbio foi descoberto. 2016. Disponível em: https://www.altoastral.com.br/como-autismo-foi-descoberto. Acesso em: 19 de out. De 2020.

ROSSI, L. P. et al. Caminhos virtuais e autismo: acesso aos serviços de saúde na perspectiva da análise de redes sociais. Ciência e saúde coletiva. Rio de Janeiro, vol. 23, n. 10, Out. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v23n10/1413-8123-csc-23-10-3319.pdf. Acesso em: 29 nov. 2020.

SACOMANO NETO, M. Morfologia, propriedades e posicionamentos das redes: contribuições às análises interfirmas.. In: XI Simpósio de Engenharia de Produção - SIMPEP, 2004, Bauru - SP. Anais do XI SIMPEP. Bauru - SP: SIMPEP, 2004. v. 1.

SAMPAIO R.F.; MANCINI M.C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. Brasileira de Fisioterapia. São Carlos, v. 11, n. 1, jan./fev. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbfis/v11n1/12.pdf. Acesso em: 05 dez. 2020.

TORRENS, E. R. Atención a familias en los servicios para personas con trastornos del espectro autista. Educacion y futuro. n. 14, 2006, p. 109-130. https://sid.usal.es/articulos/discapacidad/11810/8-2-6/atencion-a-familias-en-los-servicios-para-personas-con-transtornos-del-espectro-autista.aspx

WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social network analysis: methods and applications. Cambridge University Press: Nova York, 1994.

ZANCO, A. M.; CORBARI, F.; ALVES, A. F.. Conexão entre as teorias de redes e as redes solidárias. Revista GeoPantanal, Corumbá/MS, n. 24, jan./jun. 2018.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

Neto, A. G. C. ., & Nascimento, D. T. do . (2022). Redes solidárias de apoio ao autismo no Brasil: uma revisão sistemática da última década. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 689–711. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1350