Avaliação da produção cientifica sobre indicadores educacionais no Brasil entre 2011 e 2020

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1338

Palavras-chave:

Indicadores Educacionais, Métricas Educacionais, Índices Educacionais, Estudo bibliométrico, IDEB

Resumo

Analisando os artigos científicos, publicados no período entre 2011 e 2020, cuja temática abordam os indicadores educacionais, verificou-se que a obrigatoriedade legal da aplicabilidade de tais indicadores na gestão de instituições de ensino gera demanda sobre o tema, evidenciando sua relevância. O período compreendido pela pesquisa abarca dois terços do tempo desde o início das metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) até os dias atuais, haja vista que ocorreram mudanças na legislação sobre o tema. A seleção das publicações foi investigada na base de dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, por meio das expressões em português “indicadores educacionais, métricas educacionais e índices educacionais”, obtendo um total de 79 publicações com a abordagem pretendida. Para a análise das publicações foi utilizada a metodologia de estudo bibliométrico, com o apoio dos indicadores inerentes à classificação das publicações ao longo dos anos, das leis bibliométricas de Lotka e Bradford, da identificação dos periódicos, da autoria atrelada à sua produtividade, da relevância, das temáticas abordadas e da metodologia utilizada. De todos os artigos analisados, houve a vinculação de 164 autores, dentre os quais sete aparecem em mais de um artigo no período em análise. Os resultados dos últimos cinco anos indicam um crescimento do número de publicações, tanto que esse período atinge o percentual de 59,5% de todas as publicações analisadas. Apesar do aumento, significativo, de publicações nos últimos anos, o número de publicações analisadas não apresenta concentração em temáticas de estudo ou de pesquisadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antico, C., & Jannuzzi, P. D. M. (2014). Indicadores e a gestão de políticas públicas. Fundação do Desenvolvimento Administrativo–FUNDAP. São Paulo. Debates.

Araújo, R. F., & Alvarenga, L. (2011). A bibliometria na pesquisa científica da pós-graduação brasileira de 1987 a 2007. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 16(31), 51-70. Universidade Federal de Santa Catarina. Brasil.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977).

Bradford, S. C. (1934). Sources of Information on scientific subjects. Engineering, n. 137, p. 85-6. Cambridge, MA.

Brasil. (2009). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Gestão. Guia referencial para medição de desempenho e manual para construção de indicadores. Brasília, 2009a. Disponível em: http://www.gespublica.gov.br/sites/default/files/documentos/guia_indicadores_jun2010.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

Cândido, R.B., Garcia, F.G., Campos, A.L.S., & Tambosi Filho, E. (2018). Lei de Lotka: um olhar sobre a produtividade dos autores na literatura brasileira de finanças. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 23 (53), 01-15. Universidade Federal de Santa Catarina. Brasil.

Caridade, A. V. D. S. (2006). Práticas de gestão estratégica e aderência ao método sigma: um estudo de caso no setor de celulose e papel (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1934. (1934) Brasília. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/consti/1930-1939/constituicao-1934-16-julho-1934-365196-publicacaooriginal-1-pl.html

Decreto n. 1.917, de 27 de maio de 1996. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas do Ministério da Educação e do Desporto e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1996/decreto-1917-27-maio-1996-435693-publicacaooriginal-1-pe.html.

Decreto n. 19.560, de 5 de janeiro de 1931. Aprova o regulamento que organiza a Secretaria de Estado do Ministério da Educação e Saúde Pública. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19560-5-janeiro-1931-515777-publicacaooriginal-1-pe.html.

Decreto n. 2.146, de 14 de fevereiro de 1997. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP, e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1997/decreto-2146-14-fevereiro-1997-341858-publicacaooriginal-1-pe.html.

Decreto n. 24.609, de 6 de julho de 1934. Cria Instituto Nacional de Estatística e fixa disposições orgânicas para a execução e desenvolvimento dos serviços estatísticos. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-24609-6-julho-1934-515214-publicacaooriginal-1-pe.html.

Decreto n. 71.407, de 20 de novembro de 1972. Dispõe sobre o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, do Ministério da Educação e Cultura, e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-71407-20-novembro-1972-419786-publicacaooriginal-1-pe.html.

Decreto-Lei n. 580, de 30 de julho de 1938. Dispõe sobre a organização do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-580-30-julho-1938-350924-publicacaooriginal-1-pe.html.

Erasmo, L.E.A.L., Duarte, M.S.L.T., Nunes, B.E.L.L.O., & Mendes, R.N. (2018). Avaliação Institucional: uma análise de indicadores de desempenho educacional em uma IFES. Revista Observatório, 11(6), 845-877. Universidade Federal de Tocantins. Brasil.

Fonseca, G.L.S.B. (2010). Qualidade dos Indicadores Educacionais para Avaliação de Escolas e Redes Públicas de Ensino Básico no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

Guedes, V. L., & Borschiver, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Encontro Nacional de Ciência da Informação, 6(1), 1-18.

Hayashi, C. R. M. (2013). Apontamentos sobre a coleta de dados em estudos bibliométricos e cientométricos. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 89–102, 2013. DOI: 10.20396/rfe.v5i2.8635396.

Heck, M. F. (2018). Sistema nacional de avaliação da educação básica (SAEB): compreendendo a realidade educacional. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar. Mossoró, 4 (11), 410-422.

Horta, J. L., Neto. (2007). Um olhar retrospectivo sobre a avaliação externa no Brasil: das primeiras medições em educação até o SAEB de 2005. Revista Iberoamericana De Educación, 42(5), 1-14. https://doi.org/10.35362/rie4252398.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (2004). Dicionário de Indicadores Educacionais fórmulas de cálculo. Recuperado em 30 abril, 2020, de http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/486420.

Lei n. 1.920, de 25 de julho de 1953. Cria o Ministério da Saúde e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1950-1959/lei-1920-25-julho-1953-367058-publicacaooriginal-1-pl.html.

Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2001/lei-10172-9-janeiro-2001-359024-publicacaooriginal-1-pl.html.

Lei n. 13.796, de 3 de janeiro 2019. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para fixar, em virtude de escusa de consciência, prestações alternativas à aplicação de provas e à frequência a aulas realizadas em dia de guarda religiosa. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2019/lei-13796-3-janeiro-2019-787598-norma-pl.html.

Lei n. 378, de 13 de janeiro de 1937. Dá nova organização ao Ministério da educação e Saúde Pública. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-378-13-janeiro-1937-398059-publicacaooriginal-1-pl.html.

Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html.

Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-norma-pl.html.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-publicacaooriginal-1-pl.html.

Nascimento, F. P. D., & Sousa, F. L. L. (2016). Metodologia da pesquisa científica teoria e prática: como elaborar TCC. Brasília: Thesaurus.

Paraná. (2015). Secretaria da Educação. Semana Pedagógica: Anexo 2 – Indicadores Educacionais. Disponível em:http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/sem_pedagogica/fev_2015/anexo2_indicadores_educacionais_sp2015.pdf. Acesso em: 05 jun. 2020.

Ribeiro, K. C. et al. Indicadores bibliométricos na base SCOPUS sobre o tema “avaliação da educação” no Brasil e no mundo. R. Tecnol. Soc., Curitiba, v. 15, n. 37, p. 311-331, jul./set. 2019. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rts/article/view/8436. Acesso em: 15 de abril de 2020.

Richardson, R. J. (2012). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. revista e ampliada, 14. Reimpressão. São Paulo: Atlas.

Rios, D. R. (2009). Minidicionário escolar da língua portuguesa. São Paulo: DCL.

Santos, P. D. M. L. dos. (2008). Paul Otlet: um pioneiro da organização das redes mundiais de tratamento e difusão da informação registrada. Ciência Da Informação, 36(2). Recuperado de http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1176.

Santos, R. N. M. D. (2003). Produção científica: por que medir? O que medir? Revista digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 1(1).

Schultz, G. (2016). Introdução à gestão de organizações. Rio Grande do Sul. UFRGS.

Silva, C. R.; Gobbi, B. C.; Simão, A. A. (2005). O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais Agroindustriais, Lavras, 7 (1), 70-81.

Silva, D.C.V da & Vacovski, E (2015). A transparência na administração pública como instrumento facilitador para o controle social. Caderno Gestão Pública, 7 (4), 67-86. Recuperado em 9 junho, 2020, de https://www.uninter.com/cadernosuninter/index.php/gestao-publica/article/view/592/497.

Silva, M. D. (2004). Análise bibliométrica da produção científica docente do programa de pós-graduação em educação especial/UFSCar: 1998-2003 (Doctoral dissertation, Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos).

Zucolotto, V. (2012) Workshop de Capacitação em Escrita Científica. Disponível: http://www.escritacientifica.com/index.php?option=com_content&view=article&id=5&IteMID=110. Acesso em: 14 abril 2020.

Downloads

Publicado

2022-10-28

Como Citar

Souza , E. P. de ., & Forte, S. H. A. C. . (2022). Avaliação da produção cientifica sobre indicadores educacionais no Brasil entre 2011 e 2020. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 476–496. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1338