Intensidade da orientação empreendedora em micro e pequenas empresas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1318

Palavras-chave:

Empreendedorismo, Orientação Empreendedora, Pequenas Empresas

Resumo

A orientação empreendedora no ambiente organizacional, desponta como um dos tópicos mais relevantes nos campos do empreendedorismo e da gestão. Este estudo teve como o objetivo verificar a intensidade da orientação empreendedora das pequenas e médias empresas vinculadas à uma Associação Empresarial do Sul do Brasil. Optou-se pela abordagem quantitativa, sendo os dados coletados com questionários de autopreenchimento com base no modelo de Miller (1983). O instrumento foi direcionado aos gestores das micro e pequenas empresas (MPEs) vinculadas à uma associação empresarial do Sul do Brasil, via correio eletrônico com auxílio da ferramenta do Google Docs. A população esteve composta por 296 MPEs resultando em uma amostra de 198 respondentes. Validou-se os indicadores por meio da Análise Fatorial Exploratória e utilizou-se estatística descritiva para verificar a intensidade das dimensões. Os resultados evidenciaram que, quando analisadas as dimensões da orientação empreendedora e ordenadas de maior a menor intensidade, se tem a proatividade, inovatividade e a assunção de riscos. Este estudo, aponta como uma das principais contribuições teóricas, estimular novos pesquisadores a investigar mais sobre a orientação empreendedora, e assim, contribuir com o desenvolvimento das organizações, auxiliando os gestores no processo de tomada decisões. Na amostra pesquisada, se verificou que os gestores possuem um perfil direcionado para a orientação empreendedora e, assim, a partir disto, poderão desenvolver habilidades e competências que proporcionem melhores resultados no desempenho da empresa, considerando-se assim, as contribuições gerenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acs, Z. J., Autio, E. & Szerb, L. (2014) National systems of entrepreneurship: measurement issues and policy implications. Research Policy, 43(3), 476-494.

Anderson, S. B., Kreiser, P. M., Kuratko, D. F., Hornsby, J. S. & Eshima, Y. (2015). Reconceptualizing entrepreneurial orientation. Strategic Management Journal, 36(2), 1579-1596.

Andrade, M. A., Lenzi, F. C., Rossetto, C. R. & Teston, S. F. (2020). Capacidade absortiva e orientação empreendedora dos jornais brasileiros. Revista de Ciências da Administração, 22(2), 63-80.

Bandeira, L. L., Mesquita, R. F., Araújo, M. K. F. & Matos, F. R. N. (2021). As dificuldades de percurso das mulheres empreendedora. Revista de Gestão e Secretariado, 12(3), 1-18.

Brasil. Casa Civil. Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Capturado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/l13979.htm.

Brown, T. (1996). Resource orientation, entrepreneurial orientation and growth: how the perception of resource availability affects small firm growth. 1996. Tese (Doutorado) - Rutgers University.

Carmona, V. C., Martens, C. D. P. & Freitas, H. M. R. de. (2020). Os antecedentes da orientação empreendedora em negócios sociais. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(2), 71-96.

Cassol, A., Meneghatti, M. R., Freitas, A. D. G. & Gubert, L. (2020). Análise da relação entre orientação empreendedora, ambiente organizacional e desempenho de empresas de pequeno porte (EPP). Revista Ciências Administrativas, 26 (Ed. Comemorativa 30 anos), 1-12.

Cerqueira, H. E. A. G., Paula, J. A. & Albuquerque, E. M. (2000). Teoria econômica, empresários e metamorfoses na empresa industrial, n. 133. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar.

Cho, Y. H. & Lee, J. H. (2018). Entrepreneurial orientation, entrepreneurial education and performance. Asia Pacific Journal of Innovation and Entrepreneurship, 12(2), 124-134.

Covin, G. & Slevin, P. (1989). Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic Management Journal, 10(2), 75-87.

Covin, J. G., Green, K. M. & Slevin, D. P. (2006). Strategic process effects on the entrepreneurial orientation-sales growth rate relationship. Entrepreneurship: Theory & Practice, 30(1), 57-82.

Deamer, I. & Earle, L. (2004). Searching for entrepreneurship. Industrial and Commercial Training, 36(3), 99-103.

Deepababu, K. G. & Manalel, J. (2016). Entrepreneurial orientation and firm performance: a critical examination, Journal of Business and Management, 18(4), 21-28.

Dias, C., Rodrigues, R. G. & Ferreira, J. J. (2021). Small agricultural businesses’ performance –What is the role of dynamic capabilities, entrepreneurial orientation, and environmental sustainability commitment? Business Strategy and the Environment. Ahead of print.

Escobar, M. A. R. (2012). Relação das capacidades dinâmicas e orientação empreendedora com o desempenho em agências de viagens moderada pelo ambiente organizacional. Tese (Doutorado em Administração e Turismo). Universidade do Vale do Itajaí.

Fávero, L. P,; Belfiore, P., Silva, P. & Chan, B. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários de pequenos negócios. Revista de Administração da USP, 34(2), 5-28.

Frare, A. B., Horz, V., Barbosa, M. A. G. & Cruz, A. P. C. da. (2019). Orientação empreendedora como antecedente do desempenho de MPEs. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 13(4), 67-80.

Frare, A. B., Horz, V., Barbosa, M. A. G. & Cruz, A. P. C. (2021). Interface entre orientação empreendedora, planejamento estratégico e orçamento: configurações para o alto desempenho. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 10(2), 1-20.

Freitas, H., Martens, C. D. P., Boissin, J-P. & Behr, A. (2012). Elementos para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software. Revista de Administração, 47(2), 163-179.

Gupta, K. V. & Batra, S. (2015). Entrepreneurial orientation and firm performance in Indian SMEs: universal and contingency perspectives. International Small Business Journal, 34(5), 1-23.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tham, R. L. & Black, W. C. (2009). Análise multivariada de dados. (6. ed.), Porto Alegre: Bookman.

Hodecker, G., Lana, J., Lizote. S. A. & Verdinelli, M. A. (2012). Associativismo como ferramenta de internacionalização de empresas: estudo de caso de uma associação comercial de Santa Catarina. Navus – Revista de Gestão e Tecnologia, 2(1), 15-27.

Horz, V., Frare, A. B., Cruz, A. P. C. & Barbosa, M. A. G. (2020). Orientação empreendedora em Instituições Públicas de Ensino Superior. Revista de Administração FACES Journal, 19(3), 86-102.

Johnson, D. (2001). What is innovation and entrepreneurship? Lessons for larger organisations. Industrial and Commercial Training, 33(4), 135-140.

Karmann, T., Mauer, R., Flaten, T. C. & Brettel, M. (2016). Entrepreneurial orientation and corruption. Journal of Business Ethics, 133(1), 223-234.

Kaur, G. & Mantok, S. (2015). Effects of entrepreneurial orientation on business performance: a study of issis in Ludhiana. Journal of Services Research, 15(1), 131-158.

Kim, H. J. (2018). Reconciling entrepreneurial orientation and dynamic capabilities: a strategic entrepreneurship perspective. The Journal of Entrepreneurship, 27(2), 180-208.

Kuratko, D. F., Hornsby, J. S. & Covin, J. G. (2014). Diagnosing a firm’s internal environment for corporate entrepreneurship. Business Horizons, 57(1), 37-47.

Lazzarotti, F., Silveira, A. L. T. Da, Carvalho, C. E., Rossetto, C. R. & Sychoski, J. C. (2015). Orientação empreendedora: um estudo das dimensões e sua relação com desempenho em empresas graduadas. Revista de Administração Contemporânea, 19(6), 673-695.

Lima, S. F. A., Dantas, C. F., Teixeira, R. M. & Almeida, M. A. Empreendedorismo público e orientação empreendedora em Instituições Federais de Ensino. Revista de Ciências da Administração, 20(50), 44-60.

Lizote, S. A., Teston, S. F., Zawadzki, P. & Alves, C. S. R. (2021). Ambientes incertos com gestores proativos pré-dispostos a riscos estão mais satisfeitos com desempenho: um estudo com pet shops. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 13(3), 409-434.

Lizote, S. A., Teston, S. F., Zawadzki, P. & Gupta, S. K. (2020). Entrepreneurial orientation and cost practice in the Brazilian South hotel chain. RACE - Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 19(1), 9-28.

Lopes Filho, R. F., Paiva, L. E. B. & Lima, T. C. B. (2019). Entrepreneurial behavior of mature firms in internationalization: evidence from a high-tech industry. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 16(4), 523-551.

Lorca, M. C. B. C. & Avrichir, I. (2020). Orientação empreendedora na captação de recursos internacionais das organizações da sociedade civil. Brazilian Business Review, 17(2), 169-191.

Lumpkin, G. T. & Dess, G. G. (1996). Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Review, 21(1), 135-172.

Lumpkin, G. T. & Dess, G. G. (2001). Linking two dimensions of entrepreneurial orientation to firm performance: The moderating role of environment and industry life cycle. Journal of Business Venturing, 16(2), 429-45.

Lumpkin, G. T. & Dess, G. G. (2005). The role of entrepreneurial orientation in stimulating effective corporate. Entrepreneurship the Academy of Management Executive, 19(1), 2005.

Lumpkin, G. T., Moss, T. W., Gras, D. M., Kato, S. & Amescua, A. S. (2013). Entrepreneurial processes in social contexts: how are they different, if at all? Small Business Economics, 40(2), 761-783.

Martens, C. D. P. & Freitas, H. (2008). Orientação empreendedora nas organizações e a busca de sua facilitação. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 6(1), 90-108.

Martens, C. D. P., Lacerda, F. M., Belfort, A. C. & Freitas, H. M. R. de. (2016). Research on entrepreneurial orientation: current status and future agenda. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 22(4), 556-583.

Martins, G. A. & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. (3. ed.), São Paulo: Atlas.

Mello, S. C., Paiva Jr., F. G., Neto, A. F. S. & Lubi, L. H. O. (2018) Maturidade empreendedora e expertise em compasso de inovação e risco: um estudo em empresas de base tecnológica. In: Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração, 2018, Curitiba/PR. Anais [...]. Enanpad: Curitiba.

Miller, D. (1983). The correlates of entrepreneurship in three types of firms. Management Science, 29(7), 770-791.

Mintzberg, H. & Watters, J. (1985). Of strategies deliberate and emergente. Strategic Management Journal, 6(2), 257-272.

Monteiro, A. P., Soares, A. M. & Rua, O. L. (2013). Desempenho das exportações: influência dos recursos intangíveis, capacidades dinâmicas e orientação empreendedora. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(3), 12-36.

Morris, M. H., Lewis, P. S. & Sexton, D. L. (1994). Reconceptualizing entrepreneurship: an input-output perspectives. Advanced of Management Journal, 59(1), 21-31.

Oliveira Junior, B. M. (2016). Impact of entrepreneurial orientation on strategic alliances and the role of top management. Revista de Administração de Empresas, 56(3), 315-329.

Oliveira, A. G. de & Oliveira, G. B. de. (2006). Um estudo sobre a contribuição das micro e pequenas empresas na geração de emprego e renda brasileira. Revista da FAE, 9(1), 95-105.

Penz, D., Amorim, B. C., Beuren, E. P., Nascimento, S. & Rossetto, C. R. (2019). Da crise à oportunidade: uma análise da orientação empreendedora de brasileiros nos EUA. Desenvolvimento em Questão, 17(46), 45-55.

Rauch, A., Wiklund, J., Lumpkin, G. & Frese, M. (2009). Entrepreneurial orientation and business performance: an assessment of past research and suggestions for the future. Entrepreneurship Theory and Practice, 33(3), 761-787.

Richardson, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. (2017). (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Santa Catarina. Decreto nº 562, de 17 de abril de 2020. Declara estado de calamidade pública em todo o território catarinense, nos termos do COBRADE nº 1.5.1.1.0 - doenças infecciosas virais, para fins de enfrentamento à COVID-19, e estabelece outras providências. Capturado de: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=393952

Santos, A. C., Alves, M. S. & Bitencourt, C. C. (2015). Dimensões da orientação empreendedora e o impacto no desempenho de empresas incubadas. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 12(3), 242-255.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development: an inquiry into profits, capital, credit, interest, and the business cycle. Harvard University Pres. Cambridge, MA, EUA.

Sebrae (a). Micro e pequenas empresas geram 27% do PIB do Brasil, Capturado de: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/mt/noticias/micro-e-pequenas-empresas-geram-27-do-pib-do-brasil, .

Sebrae (b). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. Capturado de: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/SP/Pesquisas/MPE_conceito_empregados.pdf

Semrau, T., Ambos, T. & Kraus, S. (2016). Entrepreneurial orientation and SME performance across societal cultures: an international study. Journal of Business Research, 69(5), 1928-1932.

Shan, P. & Song, M. (2016). Entrepreneurial orientation and performance: is innovation speed a missinglink? Journal of Business Research, Athens, 69, 683-690.

Silva, M. A., Gomes, L. F. & Correia, M. F. (2009). Cultura e orientação empreendedora: uma pesquisa comparativa entre empreendedores em incubadoras no Brasil e em Portugal. Revista de Administração Contemporânea, 1(1), 57-71.

Silva, L. N., Barroso, E. D. S. S., Teixeira, L. I. L, & Oliveira Júnior, M. A. C. (2022). Empreender ou não? Eis a questão! Análise da intenção empreendedora dos universitários de uma instituição federal de ensino. Revista de Gestão e Secretariado, 13(1), 94-119.

Talebi, K., Rezazadeh, A. & Najmabadi, A. (2015). SME alliance performance: the impacts of alliance entrepreneurship, entrepreneurial orientation, and intellectual capital. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 24(2), 187-207.

Teece, D. J. (2007). Explicating dynamic capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, 28(1), 1319-1350.

Terjesen, S., Hessels, J. & Li, D. (2016). Comparative international entrepreneurship: a review and research agenda. Journal of Management, 42(1), 299-344.

Wales, J. W. (2016). Entrepreneurial orientation: a review and synthesis of promising research directions. International Small Business Journal, 34(1), 3-15.

Wales, W. J., Covin, J. G. & Monsen, E. (2020). Entrepreneurial orientation: the necessity of a multilevel conceptualization. Strategic Entrepreneurship Journal, 14(4), 639-660.

Wales, W., Marino, V. K. G. L. & Shirokova, G. (2019). Entrepreneurial orientation: International, global and cross-cultural research. International Small Business Journal: Researching Entrepreneurship, 37(2), 95-104.

Wiklund, J. (1999). The sustainability of the entrepreneurial orientation-performance relationship. Entrepreneurship: Theory & Practice, 24(1), 37-48.

Zahra, S. A. & Covin, J. G. (1995). Contextual influences on the corporate entrepreneurship-performance relationship: a longitudinal analysis. Journal of Business Venturing, 10(1), 43-58.

Zahra, S. A., Kuratko, D. F. & Jennings, D. F. (1999). Guest editorial: entrepreneurship and the acquisition of dynamic organizational capabilities. Entrepreneurship: Theory and Practice, 23(3), 5-10.

Downloads

Publicado

2022-10-19

Como Citar

Lizote, S. A., Batista, M. A. ., da Luz, J., & Pauline Souza Felipe , C. (2022). Intensidade da orientação empreendedora em micro e pequenas empresas. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 331–351. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1318

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)