O efeito da adoção do accountability no contexto das organizações sem fins lucrativos: um experimento no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1315

Palavras-chave:

Terceiro Setor, Transparência , Prestação de Contas, Responsabilidade Voluntária, Experimento

Resumo

As organizações sem fins lucrativos possuem um papel central na prestação de serviços à população. Como essas organizações dependem de recursos externos, especialmente doações, a transparência das ruas ações é central. Nesse sentido accountability é visto como uma das principais externalizações da transparência aos interessados dessas organizações. Este estudo tem como objetivo analisar a influência do accountability na percepção de confiança pública, reputação, qualidade percebida e intenção de doação, das instituições sem fins lucrativos. Para tal, foi aplicado um experimento baseado em vinheta com potenciais doadores de organizações sem fins lucrativos. Com base em Becker (2018), a variável accountability foi manipulada em 4 níveis distintos: “Com certificação externa”, “Responsabilização interna”, “Responsabilidade mínima legal” e “Sem padrão de certificação”.  Com as seguintes variáveis dependentes: confiança, reputação, qualidade e intenção de doação. Para todos os níveis de accountability, foram feitas as análises das variáveis dependentes por meio da ANOVA. Os resultados indicam que o accountability influencia na confiança pública, na reputação, na qualidade percebida e também na intenção de doação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abbey, J. D., Meloy, M. G. (2017). Attention by design: Using attention checks to detect inattentive respondents and improve data quality. Journal of Operations Management, 53–56(1), 63–70.

Almeida, M. C., Ferreira, E. S. (2006). Terceiro Setor: Prestação de contas e suas implicações. (Disponível em: <http://www.horizontecientifico.propp.ufu.br>. Acesso em: 10 ago 2021.

Amorim, A. F. A., Mendes, J. D. S., Pereira, L. M. L., & Cavalcante, C. E. (2018). A regra do Jogo: relação entre estado e terceiro setor. Revista de Gestão e Secretariado, 9(1), 236–264. https://doi.org/10.7769/gesec.v9i1.771

Araújo, O. C. (2005) Contabilidade para organizações do Terceiro Setor. São Paulo: Atlas.

Armani, D. (2008). Mobilizar para transformar: a mobilização de recursos nas organizações da sociedade civil. 1. ed. São Paulo: Peirópolis.

Becker, A. (2018). An Experimental Study of Voluntary Nonprofit Accountability and Effects on Public Trust, Reputation, Perceived Quality, and Donation Behavior. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly,47(3), 562 –582.

Benjamin, L., Voida, A., & Bopp, C. (2018). Campos de política, sistemas de dados e o desempenho organização sem fins lucrativos de serviços humanos. Gestão Humana, Liderança e Governança, 42(2), 185-204.

Buchheit, S., Parsons, L. M. (2006). Uma investigação experimental de informações contábeis influência sobre o processo de doação individual. Jornal de Contabilidade e Políticas Públicas, 25, 666-686.

Cooper, D. R., e Schindler, P. S. (2016). Métodos de pesquisa em administração. 12. ed. Porto Alegre: AMGH, 2016.

Dall’agnol, C. F., Tondolo, R. R. P., Tondolo, V. A. G., Sarquis, A. B. (2017). Transparência e Prestação de Contas na Mobilização de Recursos no Terceiro Setor: Um Estudo de Casos Múltiplos Realizado no Sul do Brasil. Revista Universo Contábil, 13(2), 187-203.

Decreto n. 3.100, de 30 de junho de 1999. Regulamenta a Lei no 9.790 de 23/03/1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3100.htm. Acesso em: 10 jun 2021.

Drucker, P. F. (2002). Administração de organizações sem fins lucrativos: princípios e práticas. São Paulo: Pioneira Thomsom Learning.

Eckerd, S. (2016). Experiments in purchasing and supply management research. Journal of Purchasing and Supply Management, 22(4), 258–261.

França, R. D. (2007). Sistemas de controle no terceiro setor: Um estudo exploratório das Igrejas Batistas da Grande João Pessoa. Dissertação de Mestrado. Paraíba. UNB/UFPB/UFRN.

Fernandes, R. C. (1994). Privado porém público: o terceiro setor na América Latina. Rio de Janeiro. Relume-Dumar.

Gugerty, M. K. (2009) Signaling virtue: Voluntary accountability programs among nonprofit organizations. Policy Sciences, 42, 243-273.

Guimarães, L. S. R. (2008). Governança no terceiro setor: estudo descritivo-exploratório do comportamento de conselhos curadores de fundações empresariais no Brasil. 2008. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-13052008-100642/>. Acesso em: 13 jun 2021.

Hudson, M. (1999). Administrando organizações do terceiro setor: o desafio de administrar sem receita. São Paulo: Makron Books, 1999.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2004). As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil 2002. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2010) Código das melhores práticas de governança corporativa. São Paulo. Disponível em: <http://www.ibgc.org.br>. Acesso em: 11 jun 2021.

_______. (2011). Governança corporativa.Disponível em: http://www.ibgc.org.br/Secao.aspx?CodSecao=17>. Acesso em: 29 jun 2021.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2015). Mapa das Organizações da Sociedade Civil - 2015. Recuperado em junho de 2021. Disponível em: <https://mapaosc.ipea.gov.br/dados-indicadores.html/> Acesso em: 15 jun 2021.

Kearns, K. P. (1994). The strategic management of accountability in nonprofit organizations: an analytical framework. Public Administration Review, 54(2), 185-192.

Marcuello, C., Salas, V. (2001). Nonprofit organizations, monopolistic competition, and private donations: evidence from Spain. Public Finance Review, 29(3), 183-207.

Medeiros, P. M. (2016) Doações no terceiro setor brasileiro: uma análise sobre o impacto das informações contábeis. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Universidade Federal de Pernambuco. CCSA.

Mendonça, L. R., Machado Filho, C. A. P. (2004). Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), São Paulo, 39(4), 302-308.

Milani Filho, M. A. F. (2021). A função controladoria em entidades filantrópicas: uma contribuição para a avaliação de desempenho. 140p. Dissertação (Mestrado), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004. Disponível em: . Acesso em junho 2021.

Mindlin, S. E. (2009). A governança de fundações e institutos empresariais: um estudo exploratório. 2009. 229 f. Tese (Doutorado em Administração). Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

Montgomery, D. E. (1991). Design and Analysis of Experiments. New York: John Wiley and Sons, 1991.

Morrison, J., Salipante, P. (2007). Governance for Broadened Accountability: Blending Deliberate and Emergent Strategizing. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly - nonprofit volunt Sector.

Olak, P. A., Nascimento, D. T. (2006). Contabilidade para Entidades Sem Fins Lucrativos (Terceiro Setor). São Paulo: Atlas.

_______.,______ (2010). Contabilidade para entidades sem fins lucrativos (Terceiro setor). 3. ed. São Paulo: Atlas.

Paese, C., Caten, T. C., Ribeiro, J. L. D. (2001). Aplicação da Análise de Variância na Implantação do CEP. Revista Produção, 11(1), 17-26.

Parsons, L. M. (2007). The impact of financial information and voluntary disclosures on contributions to not-for-profit organizations. Behavioral Research in Accounting, 19, 179-196.

Quiroz-García, J., Sánchez-Fernández, M. D., Ríos-Manríquez, M., & Shiomara del Carpio Ovando, P. (2020). Factores que influyen en la imagen de los Organismos Públicos. Un caso empírico desde la percepción de los ciudadanos. Revista de Gestão e Secretariado, 11(3), 90–108. https://doi.org/10.7769/gesec.v11i3.1196

Salamon, L. M. A emergência do terceiro setor - Uma revolução associativa global. (1998) Revista de Administração, 33(1), 5-1.

Salamon, L.M., Sokolowski, S. W. (2016). Além das organizações sem fins lucrativos: reconceituando o terceiro setor. Voluntas: International Journal of Voluntary and Organizations, 27(4), 1515-1545.

Salamon, L., Anheier, H. (1992). In search of the nonprofit sector I: the question of definitions. Voluntas: International Journal of Voluntary and Organizations. 3(2), 125-151.

Sathler, L. (2008). Governança no terceiro setor: Estudo descritivo-exploratório do comportamento de Conselhos Curadores de Fundações Empresariais no Brasil. Tese.

Savage, G. T., Nix, T. W., Whitehead, C. J., e Blair, J. D. (1991). Strategies for assessing and managing organizational stakeholders. Academy of Management Executive, 5(2), 61-75.

Saxton, G. D., Kuo, J. S., e Ho, Y. C. (2012). The determinants of voluntary financial disclo- sure by nonprofit organizations. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 41, 1051-1071.

Szper, R., e Prakash, A. (2011). Charity watchdogs and the limits of information-based regulation. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 22, 112-141.

Tondolo, R. R. P., Tondolo, V. A. G., Camargo, M. E., Sarquis, A. B. (2016). Transparência no Terceiro Setor: Uma proposta de construto e mensuração. Espaços Públicos, 19(47), 7-25.

Tondolo, R. R. P., Tondolo, V. A. G., Bitencourt, C. C., Paiva, E. L. (no prelo). Efeito da transparência e do capital social na intenção de mobilizar recursos. Cadernos-EBAPE.

Tribunal de Contas da União. (2008). Boas práticas em segurança da informação. Brasília: TCU.

Tsang, E. W. K., & Kwan, K.-M. (1999). Replication and Theory Development in Organizational Science: A Critical Realist Perspective. The Academy of Management Review, 24(4), 759. https://doi.org/10.2307/259353

Valencia, L., Queiruga, D., Gonzalez-Benito, J. (2015). Relação entre transparência e eficiência na alocação de recursos em organizações não governamentais de desenvolvimento. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 26(6), 2517- 2535.

Vargas, S. I. (2008). Governança nas entidades do terceiro setor: uma análise dos princípios de boa governança definidos pelo IBGC nas ONG’s associadas à ABONG, sediadas nas regiões sul e sudeste do Brasil. 2008. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade: Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-14052008-122702/>. Acesso em: 09 jun 2021.

Wason, K. D., Polonsky, M. J., Hyman, M. R. (2002). Designing Vignette Studies in Marketing. Australasian Marketing Journal, 10(3), 41-58.

Willems, J., Waldner, C. J., Dere, Y. I., Matsuo, Y., e Högy, K. (2017). The role of formal third-party endorsements and informal self-proclaiming signals in nonprofit reputation building. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 46, 1092-1105.

Zizzo, D. J. (2010). Experimenter demand effects in economic experiments. Experimental Economics, 13(1), 75–98. https://doi.org/10.1007/s10683-009-9230-z

Downloads

Publicado

2022-10-18

Como Citar

dos Santos Rodrigues, A., Gonçalves Tondolo, V. A., Lerch Lunardi, G., & Régio Brambilla, F. (2022). O efeito da adoção do accountability no contexto das organizações sem fins lucrativos: um experimento no Brasil. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 278–299. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1315