Startups de gestão de pessoas no Brasil: um estudo exploratório sobre os seus propósitos e as soluções ofertadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1312

Palavras-chave:

Startups, Startups de RH, Inovação, Tecnologia

Resumo

O desenvolvimento do mercado de startups é uma realidade nacional e internacional, e as startups de RH também estão inseridas nesse contexto, fruto das práticas de empreendedorismo e inovação. O objetivo desta pesquisa consiste em analisar as possibilidades de atuação das startups de gestão de pessoas no Brasil. Para suportar o objetivo, utilizou-se no referencial teórico, o histórico e a conceituação das startups em geral, a contextualização das startups de RH e práticas que envolvem tecnologia no RH. A metodologia utilizada foi uma pesquisa qualitativa, na qual a base de dados foi um relatório realizado em 2019 pela aceleradora brasileira de startups, denominada Liga Ventures, que apresentou 274 startups de recursos humanos. Os resultados obtidos sugerem que os principais subsistemas de RH afetados pelas soluções oferecidas pelas startups de RH são o Recrutamento e Seleção, Treinamento e Desenvolvimento, Remuneração e Monitoramento de Pessoas. Os recursos mais encontrados relacionados a esses subsistemas envolvem People Analytics, plataformas de direcionamento para o público de possíveis candidatos que se deseja alcançar para o processo seletivo, Employee Experience, Employer Branding, inteligência de dados e gamificação para os treinamentos e remuneração, além de softwares com avaliação de performance para as práticas de monitoramento. Além disso, foi detectado que o estado de São Paulo se destaca com a significativa maioria dessas startups. Quanto ao porte, sobressaem-se aquelas que possuem de 11 a 50 funcionários. Verificou-se também que a maior parte das startups pesquisadas tem entre 3 a 4 anos de fundação. Este trabalho contribui para destacar o envolvimento do setor de recursos humanos com recursos tecnológicos por meio das startups de RH e evidencia que as soluções proporcionadas por elas já são uma realidade e possuem grande potencial de desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Associação Brasileira de Startups. (2017, julho). O que é uma startup. Recuperado em 19 de abril, 2020, de https://abstartups.com.br/o-que-e-uma-startup/

Associação Brasileira de Startups. (2020, junho). Startupbase. Recuperado em 11 de junho, 2020, de //startupbase.com.br/home

Arruda, C. (2013). O Ecossistema Empreendedor Brasileiro de Startups: Uma análise dos determinantes do empreendedorismo no Brasil a partir dos pilares da OCDE. Nova Lima: Fundação Dom Cabral.

Barbieri, U. F. (2016). Gestão de pessoas nas organizações: conceitos básicos e aplicações. São Paulo: Atlas.

Bergamini, C.W. (2018). Motivação nas organizações: nem todos fazem as mesmas coisas pelas mesmas razões (7. ed.). São Paulo: Atlas.

Bessant, J., & Tidd, J. (2019). Inovação e Empreendedorismo (3. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Bosma, N. (2019). Global Entrepreneurship Monitor 2019/2020 Global Report. Global Entrepreneurship Research Association, London Business School.

Brasil. (2019, abril). Lei nº 167, de 24 de Abril de 2019. Dispõe sobre a Empresa Simples de Crédito (ESC). Brasília, DF. Recuperado em 18 de abril, 2020, de http://www.in.gov.br/web/dou/-/lei-complementar-n%C2%BA-167-de-24-de-abril-de-2019-85051233

Deloitte. (2018). HR Technology Disruptions. Recuperado em 21 de junho, 2020, de https://www2.deloitte.com/content/dam/Deloitte/us/Documents/human-capital/us-hc-2018-hr-technology-disruptions.pdf

Dicionário Michaelis. Recuperado em 19 de abril, 2020, de https://michaelis.uol.com.br/

Dullius, A. C. (2016). As capacidades de inovação em Startups: Um estudo no Vale do Silício (Dissertação de Mestrado em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Dutra, J. S. (2016). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas (2. ed.). São Paulo: Atlas.

Endeavor. (2015). Vale do Silício: como fazer parte, mesmo não estando lá. Recuperado em 18 de abril, 2020, de https://endeavor.org.br/inovacao/vale-do-silicio/

Engel, J. (2015). Global clusters of innovation: Lessons from Silicon Valley. California Management Review, 57(2), 36-65.

FINEP. Finep Startup. Recuperado em 21 de abril, 2020, de http://www.finep.gov.br/apoio-e-financiamento-externa/programas-e-linhas/finep-startup

Fitz-Enz, J., & Mattox II, J. (2014). Predictive analytics for human resources. Wiley & SAS Business Series.

Leonardi, P., & Contractor, N. Better People Analytics. Recuperado em 24 de junho, 2020, de https://hbr.org/2018/11/better-people-analytics

Liga Ventures. Mapa das RH Techs 2019. Recuperado em 21 de maio, 2020, de https://insights.liga.ventures/estudos-completos/mapa-das-hrtechs-2019/

Lins, E. M. V., & Weber, C. G. (2019). Integração entre Bases de Casos e Machine Learning. Scientia cum Industria, 7(2). Recuperado em 5 de julho, 2020, de http://ucs.br/etc/revistas/index.php/scientiacumindustria/article/view/7738

Marras, J. P. (2011). Gestão de pessoas em empresas inovadoras (2. ed.). São Paulo: Saraiva.

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022. Brasília, 2016. Recuperado em 20 de julho, 2020, de http://www.finep.gov.br/images/a-finep/Politica/16_03_2018_Estrategia_Nacional_de_Ciencia_Tecnologia_e_Inovacao_2016_2022.pdf

Minayo, M. C. S. (2016). O desafio da pesquisa social. In: Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis – RJ, Editora Vozes.

Moraes, R. M. (2013). A questão da estratégia nas organizações amazônicas. Belém: Estácio.

Oliveira, L. O. (2017). Gestão estratégica de recursos humanos (2. ed.). Porto Alegre: Sagah.

Reis, T. (2019, maio 16). Bolha da internet: entenda as causas e consequências desse evento. Recuperado em 19 de abril, 2020, de https://www.sunoresearch.com.br/artigos/bolha-da-internet/

Ribeiro, A. L. (2019). Gestão de pessoas (3. ed.). São Paulo: Saraiva Educação.

Ribeiro, P. C. C., & Borges, L. (2016). Análise dos impactos gerados por um investimento anjo via indicadores de competitividade em uma startup brasileira do setor de educação. XII Congresso Nacional de Excelência em Gestão & III Inovarse – Responsabilidade social aplicada. Universidade Federal Fluminense.

Ries, E. (2012). A startup enxuta: como os empreendimentos atuais utilizam a inovação para criar empresas extremamente bem-sucedidas. Lua de Papel: São Paulo.

Sacilotti, A. C.; Furtado, A. M., & Madureira Júnior, J. R. (2019, dezembro) Inteligência artificial e desenvolvimento de um chatbot utilizando dialogflow e comparação de plataformas. Revista eletrônica de tecnologia e cultura, 25(25), 98-109. Recuperado em 5 de julho, 2020, de http://www.rafaelgross.com.br/retc/index.php/retc/article/view/26

Sarfati, G. Quem (e como) investe em startups brasileiras. Recuperado em 20 de abril, 2020, de https://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/gv_v17n3_ce1.pdf

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2020a). O que é uma startup. Recuperado em 19 de abril, 2020, de https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que-e-uma-startup,6979b2a178c83410VgnVCM1000003b74010aRCRD

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2020b). Critérios de classificação das empresas. Recuperado em 20 de julho, 2020, de http://www.sebrae-sc.com.br/leis/default.asp?vcdtexto=4154

Sherrington, A. O Relatório Global do Ecossistema de Inicialização de 2019 é lançado na TNW2019. Recuperado em 19 de abril, 2020, de https://thenextweb.com/tnw2019/2019/05/09/the-2019-global-startup-ecosystem-report-launches-at-tnw2019/

Souza, M. Z. A., Bittencourt, F. R., Cunha, J., & Ramos, S. C. P. (2016). Arquitetura de sistemas de remuneração. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Tigre, P. B. (2006). Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier.

Trevisan, N. (2019). Comunicação Interna. Porto Alegre: Sagah.

Trost, A. (2013). Employer Branding: Arbeitgeber positionieren und prãsentieren (2. ed.). Luchterhand Verlag GmbH.

Triviños, A. N. S. (2011). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Atlas.

Vergara, S. C. (2016). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (16. ed.). São Paulo: Atlas.

Waters Bret. (2019, janeiro). Innovation Trends Report, 2019. Stanford University. Recuperado em 20 de junho, 2020, de https://alchemistaccelerator.com/wp-content/uploads/InnovationTrendsReport2019.pdf

Downloads

Publicado

2022-10-18

Como Citar

Medeiros das Chagas, M., Costa, D. V. F., & Paradela, V. C. . (2022). Startups de gestão de pessoas no Brasil: um estudo exploratório sobre os seus propósitos e as soluções ofertadas. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 253–277. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1312