Pensar globalmente e agir institucionalmente: um estudo da consciência, do comportamento e das competências pró-ambientais dos Secretários-Executivos da Reitoria de um Instituto Federal de Ensino Superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1310

Palavras-chave:

Consciência, Comportamento Ecológico no Trabalho, Competências, Secretariado Executivo, Sustentabilidade

Resumo

Os padrões inadequados de consumo e os efeitos nocivos acarretados ao meio ambiente têm desafiado as Instituições Públicas a melhorarem constantemente o valor público a ser agregado à sociedade e ao meio ambiente por meio de resultados ecoeficientes nos serviços prestados à sociedade. Nesse contexto, está inserido o Secretário Executivo na Administração Pública como agente estratégico junto a executivos e subordinados. Todavia, tais mudanças devem vir materializadas no desenvolvimento da consciência e de comportamento pró-ambiental dos servidores que a compõem, de modo a desenvolver competências que os tornem aptos a contribuir com a sustentabilidade organizacional. Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar a consciência sustentável, o comportamento ecológico no trabalho e o domínio das competências para a sustentabilidade organizacional dos Secretários-Executivos de uma Instituição Federal de Ensino Superior. Para isso, foi realizada uma pesquisa descritiva, tipo survey, com dados obtidos por meio da aplicação de questionários fechados, analisados por meio da estatística descritiva. Os resultados encontrados indicaram que há uma consciência ecológica nos secretári-os executivos, mas que ela não se materializa na mesma intensidade em relação ao comportamento no trabalho. Observou-se que as competências para a sustentabilidade identificadas nesses profissionais, foram a normativa e a preventiva, mas, que necessitam desenvolver as competências sistêmica e interpessoal, pela sua capacidade e abrangência de intervenção na Instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

, 2013. Disponível em: <http://www.mdpi.com/2071-1050/5/2/711>. Acesso em 15 jul 2021.

Afonso, m. H. F., Bornia, a. C., Echegaray, f., Andrade, D. F. (2016). Comportamento de consumo sustentável: mensuração com o uso da teoria da resposta ao item. Revista Gestão.Org, v.14, Edição Especial, p 16-29.

Aguero, C. F. R. (2012). La secretaria sustentable. Posadas: Creativa.

Barros, R. T. V. (2012). Elementos de gestão de resíduos sólidos. Belo Horizonte: Tessitura Editora.

Bíscoli, F.R.V; Durante, D.G; Bulgacov, Y. L.M (2016). Prática profissional do secretariado executivo em organizações: Indícios de uma prática no contexto social brasileiro. Revista ESPACIOS, v.37, n. 11, p.16.

Braga, S. S., Silva, D., Aquino, N. S. (2015). Comportamento do consumidor: há recompensa às empresas socioambientalmente responsáveis? Revista de Administração da UFSM, v. 8, n. 3, p. 384-396.

Bursztyn, M.; Bursztyn, M. A. (2013). Fundamentos de política e gestão ambiental –Caminhos para a sustentabilidade. Rio de Janeiro: Garamond, 604 p.

Caixeta. D. M. (2010). Atitudes e comportamentos ambientais: um estudo comparativo entre servidores de instituições públicas federais. 69 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

Carvalho, Denis Barros de; Sousa, Evangelina da Silva. (2013). Agenda Ambiental da Administração Pública (A3P) e licitações sustentáveis: um estudo no restaurante universitário da Universidade Federal do Piauí. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO UNIVERSITÁRIA NAS AMÉRICAS, 8., 2013, Buenos Aires. Anais..., Florianópolis: Inpeau (instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária), p. 1 - 16.

Collis, J.; Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2a ed. Porto Alegre: Bookman.

Ed. Garamond.

Ferreira, F. D. (2011). A ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO NO SETOR PÚBLICO: o caso da Universidade Federal do Ceará. Dissertação). Mestrado em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. Acesso em: 17 jul. 2021.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, G., Gorni, P. M., Dreher, M. T.(2011). Consumo sustentável e o comportamento de universitários: discurso e práxis! Revista Eletrônica de Ciência Administrativa. v.10, n.2, p. 80-92.

Guler, M. P. D., & Afacan, O. (2012). A study on developing a behaviour scale towards sustainable environmental education. Journal of Baltic Science Education, Journal of Baltic Science Education, 11(3). presented at the September/2012.

Hahn, Ivanete Schneider et al. (2015). A consciência ecológica e as atitudes de consumo de status. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental – ReGet, Rio Grande do Sul, V. 19, n. 1, p.139-151, jan. /abr.

Lakatos, E.M.; Marconi, M. de A. (2017). Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Leff, E. (2019). Saber Ambiental. Petropólis: Vozes, 2019, 11 Edição 494p.

Lizote, S. A.; Verdinelli, M. A.; Nascimento, S. (2017). Relação do comprometimento organizacional e da satisfação no trabalho de funcionários públicos municipais. Revista de Administração Pública, v. 51, n. 6, p. 947-967.

Locatelli, R. L., & Salomon, S. V. (2016). Geração de energia com reaproveitamento de resíduos sólidos urbanos – valuation e análise de impacto de um projeto piloto em Belo Horizonte, Anais do V Simpósio Internacional de Gestão de Projetos e Meio Ambiente – Singep, São Paulo, SP, Brasil.

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3a ed. Porto Alegre: Bookman.

Martins, C. B., Terra, P. M., Maccari, E. A., & Vicente, I. (2010). A formação do profissional em secretariado executivo no mercado de trabalho globalizado. Revista de Gestão e Secretariado, v.1(1), p.69-89.

Miranda, R.; Sbeghen, T; VAZ, C. (2014). O secretário executivo como consultor na área de eventos. Secretariado Executivo em Revist@, v. 4, n.10, p. 33-44.

Munck, L.; Galleli, B.; Souza, R. B. (2013). Competências para a sustentabilidade organizacional: a proposição de um framework representativo do acontecimento da ecoeficiência. Produção. Produção, v. 23, n. 3, p. 652-669, jul. /set.

Nonato Júnior, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em secretariado executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Oliveira, G. C; Pagani, C. (2016). Gestão Universitária: o perfil e as competências do Profissional de Secretariado nas Instituições Federais e Ensino Superior. In: XVI COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTION UNIVERSITARIA – CIGU, 2013, Peru. Anais..., Florianópolis: Inpeau (instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária). p. 7.

Pro-Ecological, Frugal, Altruistic and Equitable Actions. Sustainability, v. 5, p. 711-

Ribeiro, J. A.; Veiga, R. T. (2011). Proposição de uma escala de consumo sustentável. RAUSP Management Journal, v. 46, n. 1, art. 4, p. 45-60.

Ribeiro, M. J. F. X; Carvalho, A. B. G. C.; Oliveira, A. C. B (2004). O estudo do comportamento pró-ambiental em uma perspectiva behaviorista. Disponível em: <http://www.unitau.br/scripts/prppg/humanas/download/behaviorista_v.10,n. 2. PDF>. Acesso em: 15 jul. 2021.

Sachs, I (2006). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Coleção Ideias Sustentáveis.

Santiago, C. da S., Silva, W. F. (2017). da. Secretários-docentes: sujeitos fundamentais à consolidação da docência secretarial. Revista do Secretariado Executivo, Passo Fundo, p. 143-164, n. 13.

Savitz, a. W.; weber, K. (2007). A empresa sustentável: o verdadeiro sucesso é lucro com responsabilidade social e ambiental. Rio de Janeiro: Elsevier.

Silva, F. C. A. (2020). Competências organizacionais para sustentabilidade socioambiental em empresas hoteleiras. 2020. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Sergipe, Sergipe.

Steg, l.; Vlek, C. (2009). Encouraging pro-environmental behavior: An integrative review and research agenda. Journal of Environmental Psychology, v. 29, p. 309-317.

Tapia-fonllem, c.; Corral-verdugo, v.; Fraijo-sing, b.; Durón- ramos, m. F. (2021). Assessing Sustainable Behavior and its Correlates: A Measure of

Torodov, M.C.A; Kniess, C. T; Chaves, M. S. (2013). As competências do profissional de secretariado na implantação de projetos sustentáveis. Revista de Gestão Secretarial – GeSec, v. 4, n. 3, p 189-209.

Wiek, A.; Withycombe, L.; Redman, C. Key. (2011). competencies in sustainability: a reference framework for academic program development. Sustainability science. v. 6, 203-218.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2022-10-19

Como Citar

da Silva, W. F., Brito , M. M. de L. L. ., França , K. D. . L. de, & Batista , R. F. de M. N. (2022). Pensar globalmente e agir institucionalmente: um estudo da consciência, do comportamento e das competências pró-ambientais dos Secretários-Executivos da Reitoria de um Instituto Federal de Ensino Superior. Revista De Gestão E Secretariado, 13(3), 408–430. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i3.1310