Empreender ou não? Eis a questão! Análise da Intenção Empreendedora dos universitários de uma Instituição Federal de Ensino

Autores

  • Laíse do Nascimento Silva MESTRANDA NO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CONTROLADORIA/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC. https://orcid.org/0000-0002-5512-5244
  • Elane dos Santos Silva Barroso Mestre em Administração e Controladoria e Professora efetiva do eixo de Gestão e Negócios do Instituto Federal do Piauí. https://orcid.org/0000-0002-3055-3840
  • Linnik Israel Lima Teixeira Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de São Paulo (PPGA-FEA/USP), Mestre em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Docente do eixo gestão e negócios no Instituto Federal do Piauí. https://orcid.org/0000-0002-5973-5373
  • Marcos Antonio Cavalcante de Oliveira Júnior Mestrando em Geografia pelo Programa de Mestrado em Análise e Planejamento Espacial - MAPEPROF, pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI. Atualmente é professor do Eixo de Gestão e Negócios do Instituto Federal do Piauí. https://orcid.org/0000-0003-0630-4913

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i1.1253

Palavras-chave:

Empreendedorismo. Modelo do Comportamento Planejado (TCP). Intenção Empreendedora. Ensino Superior

Resumo

O empreendedorismo tem se alavancado nas instituições de ensino cujo intuito consiste no incentivo das práticas empreendedoras junto aos discentes. Modelos teóricos como o da Intenção Empreendedora tem sido comumente aplicado com estudantes universitários na busca de investigar o seu comportamento empreendedor e sua ação empreendedora no âmbito universitário. Posto isto, o presente trabalho objetivou analisar a configuração da Intenção Empreendedora dos discentes dos cursos superiores do Instituto Federal do Piauí, contemplando o Bacharelado em Administração e Tecnólogo em Design de Moda do campus Piripiri a partir do modelo Teórico do Comportamento Planejado (TCP) desenvolvido por Ajzen (1991) e validado no Brasil por Hecke (2011). Para isso, utilizou-se uma metodologia de abordagem quantitativa e a pesquisa de campo enquanto procedimento técnico com uso das ferramentas excel, google forms e SPSS para investigação. Os resultados apontaram que os discentes possuem tendência a empreender. Os construtos Atitudes, Normas Subjetivas, Controle Comportamental Percebido e Intenção Empreendedora tiveram médias significativas. A análise fatorial revelou que o modelo possui potencial explicativo e o modelo de equação estrutural evidenciou relações positivas da Atitude e Comportamento sobre a Intenção Empreendedora. Conclui-se que as hipóteses H1 e H3 apresentadas foram confirmadas e a hipótese H2 rejeitada. A Intenção Empreendedora figura positivamente entre os discentes denotando a importância da disciplina de empreendedorismo e a perspectiva trazida para a prática empreendedora no interior das universidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laíse do Nascimento Silva, MESTRANDA NO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CONTROLADORIA/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC.

Mestranda no programa de pós-graduação em Administração e Controladoria na Universidade Federal do Ceará-UFC. Graduação no curso bacharelado em Administração pelo Instituto Federal do Piauí.

Elane dos Santos Silva Barroso, Mestre em Administração e Controladoria e Professora efetiva do eixo de Gestão e Negócios do Instituto Federal do Piauí.

Mestre em Administração e Controladoria e Professora efetiva do eixo de Gestão e Negócios do Instituto Federal do Piauí.

Linnik Israel Lima Teixeira, Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de São Paulo (PPGA-FEA/USP), Mestre em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Docente do eixo gestão e negócios no Instituto Federal do Piauí.

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de São Paulo (PPGA-FEA/USP), Mestre em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior pela Universidade Federal do Ceará - UFC,

Marcos Antonio Cavalcante de Oliveira Júnior, Mestrando em Geografia pelo Programa de Mestrado em Análise e Planejamento Espacial - MAPEPROF, pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI. Atualmente é professor do Eixo de Gestão e Negócios do Instituto Federal do Piauí.

Mestrando em Geografia pelo Programa de Mestrado em Análise e Planejamento Espacial - MAPEPROF, pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI. Atualmente é professor do Eixo de Gestão e Negócios do Instituto Federal do Piauí.

Referências

Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Orgnizational Behavior and Human Decision Processes, 50, 179–211.

Ajzen, I. (2011). A teoria do comportamento planejado: reações e reflexões. Psicologia e Saúde, v. 26, n. 9, p. 1113-112. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/08870446.2011.613995.

Bae, T. J., Qian, S., Miao, C., & Fiet, J. O. (2014). The relationship between entrepreneurship education and entrepreneurial intentions: A meta–analytic review. Entrepreneurship theory and practice, 38(2), 217-254.

Barral, M. R. M., Ribeiro, F. G., & Canever, M. D. (2018). Influence of the university environment in the entrepreneurial intention in public and private universities. RAUSP Management Journal, 53(1), 122-133.

Birchler, E. A., & Teixeira, A. (2018). A Intenção Empreendedora de Estudantes e os fatores que a influenciam. Revista de Negócios, 22(2), 7-22.

Borges, W. J., Mondo, T. S., & Machado, H. V. (2016). A influência do meio sobre o empreendedorimso a partir das dimensões normativa, regulativa e cognitiva. Revista Pretexto, 17(2), 66-80.

Cavazos-Arroyo, J., Puente-Díaz, R., & Agarwal, N. (2017). Análise de alguns antecedentes da intenção empreendedora social entre os residentes do México. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 19(64), 180-199.

Cruz, E. P., Falcão, R. P. D. Q., Barbosa, Y. O. F., & Paula, F. D. O. (2020). Análise de Variáveis Prescritoras da Intenção Empreendedora de Imigrantes Brasileiros em Portugal. Revista de Administração Contemporânea, 24(4), 349-368.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. D., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões.

Field, A. (2011). Descobrindo a Estatística usando o SPSS. 2a ed. Porto Alegre: Artmed.

Global Entrepreneurship Monitor (GEM). (2017).Brasília: SEBRAE. Disponível em: <https://datasebrae.com.br/wpcontent/uploads/2019/02/GEM2018Apresenta%C3%A7%C3%A3o- SEBRAE-Final-slide.pdf>. Acesso em: 28/10/2020.

Hair, J. F. J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. Análise Multivariada de Dados. 6ª ed. São Paulo: Bookman, 2009.

Hecke, A. P. (2011). A Intenção Empreendedora dos alunos concluintes dos cursos de graduação em administração em ciências contábeis das instituições de ensino superior de Curitiba-PR. Dissertação (Mestrado em contabilidade). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2011.Disponível em: <https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/25849>. Acesso em: 0482020.

IBGE.(2019).Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em <<&lt;cidades.ibge.gov.br&gt&gt>. Acesso em: 10/06/ 2020.

Krugër, C., Bürger, R. E., & Minello, I. F. (2019). O papel moderador da educação empreendedora diante da intenção empreendedora. Revista Economia & Gestão, 19(52), 61-81.

Krueger, N. F. (2017). Entrepreneurial intentions are dead: Long live entrepreneurial intentions. In Revisiting the entrepreneurial mind (pp. 13-34). Springer, Cham.

Lanero, A., Vázquez, J. L., & Muñoz-Adánez, A. (2015). Un modelo social cognitivo de intenciones emprendedoras en estudiantes universitarios. Anales de psicología, 31(1), 243-259.

Lima, E., Nassif, V. M. J., Lopes, R. M. A., & Silva, D. (2014). Educação Superior em Empreendedorismo e Intenções Empreendedoras dos Estudantes–Relatório do Estudo GUESSS Brasil 2013-2014. Grupo APOE–Grupo de Estudo sobre Administração de Pequenas Organizações e Empreendedorismo, PPGA-UNINOVE. Caderno de pesquisa, (2014-03).

Liñán, F., & Chen, Y. W. (2009). Development and cross–cultural application of a specific instrument to measure entrepreneurial intentions. Entrepreneurship theory and practice, 33(3), 593-617.

Liñán, F., & Fayolle, A. (2015). A systematic literature review on entrepreneurial intentions: citation, thematic analyses, and research agenda. International Entrepreneurship and Management Journal, 11(4), 907-933.

Lortie, J., & Castogiovanni, G. (2015). The theory of planned behavior in entrepreneurship research: what we know and future directions. International Entrepreneurship and Management Journal, 11(4), 935-957.

Oliveira, B. M. D. F., Vieira, D. A., Laguía, A., Moriano, J. A., & Salazar Soares, V. J. (2016). Entrepreneurial intention among university students: adaptation and validation of a scale (QIE). Avaliação Psicológica, 15(2), 187-196.

PPC-Plano Pedagógico de Curso. (2015). Instituto Federal do Piauí. Disponível em: < http://www.ifpi.edu.br/cursos/documentos-dos-cursos/ppc/ppc-adm-pir.pdf>. Acesso em: 02.07.2020.

PPC-Plano Pedagógico de Curso. (2015). Instituto Federal do Piauí. Disponível em: < http://www.ifpi.edu.br/cursos/documentos-dos-cursos/ppc/ppc-dsm-pir.pdf>. Acesso em: 02.07.2020.

Paiva, L. E. B., Lima, T. C. B. D., Rebouças, S. M. D. P., Ferreira, E. M. D. M., & Fontenele, R. E. S. (2018). Influência da sustentabilidade e da inovação na intenção empreendedora de universitários brasileiros e portugueses. Cadernos EBAPE. BR, 16(4), 732-747.

Paiva, L. E., Sousa, E. S., Lima, T. C., & Silva, D. D. (2020). Planned behavior and religious beliefs as antecedents to entrepreneurial intention: A study with university students. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 21(2).

Sieger, P.; & Minola, T. (2017). The family's financial support as a “Poisoned gift”: A family embeddedness perspective on entrepreneurial intentions. Journal of Small Business Management, (55), 179-204.

Soriano, D. R., Guzmán‐Alfonso, C., & Guzmán‐Cuevas, J. (2012). Entrepreneurial intention models as applied to Latin America. Journal of Organizational Change Management.

Soomro, B. A.; Shah, N. (2015). Developing attitudes and intentions among potential entrepreneurs. Journal of Enterprise Information Management, 28 (2), 304-322.

Sousa, E. S., Fontenele, R. E. S., Silva, Á. L. L., & de Sousa Filho, J. M. (2019). Mapeamento da produção científica internacional sobre intenção empreendedora. Revista de Gestão e Secretariado, 10(3), 114-139.

Schaefer, R., Nishi, J. M., Grohmann, M. Z., Löbler, M. L., & Minello, I. F. (2017). Valores Pessoais, Atitudes e Intenção Empreendedora: Um Estudo com Estudantes de Graduação em Administração.Revista Economia & Gestão, 17(47), 123-143. DOI.:http://dx.doi.org/10.5752/P.1984-6606.2017v17n47p123.

Schlaegel, C., & Koenig, M. (2014). Determinants of entrepreneurial intent: A meta–analytic test and integration of competing models. Entrepreneurship Theory and Practice, 38(2), 291-332.

Tornikoski, E., & Maalaoui, A. (2019). Critical reflections–The Theory of Planned Behaviour: An interview with Icek Ajzen with implications for entrepreneurship research. International Small Business Journal, 37(5), 536-550.

Vasconcelos, V. N. D. S. A., Silveira, A., Pedron, C. D., & de Andrade, D. C. T. (2020). Intenção Empreendedora, Comportamento Empreendedor Inicial e Teoria So-ciocognitiva do Desenvolvimento de Carreira. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(1), 159-188.

Zhang, Y., Duysters, G., & Cloodt, M. (2014). The role of entrepreneurship education as a predictor of university students’ entrepreneurial intention. International entrepreneurship and management journal, 10(3), 623-641.

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

do Nascimento Silva, L., dos Santos Silva Barroso, E., Israel Lima Teixeira, L., & Antonio Cavalcante de Oliveira Júnior, M. (2022). Empreender ou não? Eis a questão! Análise da Intenção Empreendedora dos universitários de uma Instituição Federal de Ensino. Revista De Gestão E Secretariado, 13(1), 94–119. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i1.1253

Edição

Seção

Artigos