Trocas de conhecimentos formada pelos funcionários de uma empresa de petróleo e gás com base nas análises de redes sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v12i3.1240

Palavras-chave:

Redes. Centralidade. Coesão. Densidade. Comunicação.

Resumo

A pesquisa teve como objetivo analisar como ocorre as trocas de conhecimentos na rede formada pelos funcionários da gerência de solicitação de bens de uma empresa de petróleo e gás sob a ótica da análise de redes sociais. Buscou-se investigar a centralidade que existe entre os funcionários; a qualidade de comunicação por meio da análise da densidade; a coesão entre os atores dos grupos e subgrupos dessa rede; bem como quais atores possuem posição central ou periférica na rede. Como método de pesquisa foi utilizado o estudo de caso único. Conclui-se que, o fato de se enxergar não mais o indivíduo e sim o grupo de indivíduos permite uma compreensão mais aprofundada do contexto ao qual o grupo está inserido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Liberal Acioly Santos, Universidade Federal de Sergipe -UFS

Graduado em Administração pela Universidade Federal de Sergipe - UFS

Rosângela Sarmento Silva, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Professora Dra. do Propgrama de Pós Graduação em Administração - PROPADM e do Departamento de Administração da Universidade Federal de Sergipe - UFS

Juliana Moreira dos Santos, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Mestranda em Administração do Propgrama de Pós Graduação em Administração - PROPADM  da Universidade Federal de Sergipe - UFS.

Juliana Alves Campos, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Mestranda em Administração do Propgrama de Pós Graduação em Administração - PROPADM  da Universidade Federal de Sergipe - UFS.

Referências

Akgün, A. E.; Keskin, H.; Ayar, H & Okunakol, Z. (2017). Knowledge sharing barriers in software development teams: a multiple case study in Turkey. Kybernetes, v. 46, n. 4, p. 603–620.

Araújo, M. F.; Farina, M. C.; Silva, R. S.; Dias, R. W. & Martins, G. T. (2014). Trocas de informações entre professores e a disseminação do conhecimento: uma discussão com base nas análises de redes sociais. In: XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA – CIGU. Anais... Florianópolis – SC.

Argote, L & Fahrenkopf, E. (2016). Knowledge transfer in organizations: The roles of members, tasks, tools, and networks. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v. 136, p. 146-159. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0749597816304903.

Azevedo, T. B & Rodrigues, M. V. R. (2012). Análise do conhecimento com o uso das redes sociais. n.11 Sustainable Business International Journal. pp.1-17.

Azevedo, I. M.; Brito, L. M. P. Neto, M. P. da R. & Araújo, M. V. O. (2020) Diagnóstico da gestão do conhecimento: um estudo em uma organização da sociedade civil de interesse público. Revista de Gestão e Secretariado (GeSec), São Paulo, SP, 11(2),., 2020, p. 75-97.

Balle, A. R & Oliveira, M. (2018). The life cycle process of knowledge sharing in free software

communities: Sharing profiles and motivations. Knowledge and Process Management, v. 25, n. 3, p. 143–152.

Bazanini, R.; Hayashi, A. A. O. Macau, F. R & Adra, R. D. (2020). Gestão do Conhecimento Em Redes de Relacionamento Interoganizacionais no Mercado de Jogos de Treinamento Corporativos: Estudo de Caso. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 42-66. DOI: http://dx.doi.org/10.21714/2236-417X2020v10n2p42.

Behfar, S. K.; Turkina, E & Burger-Helmchen, T. (2018). Knowledge management in OSS

communities: Relationship between dense and sparse network structures. International

Journal of Information Management, v. 38, n. 1, p. 167–174.

Binotto, E.; Nakayama, M. K & Siqueira, E. S. (2011). O Modelo de Cinco Fases do Processo de Criação de Conhecimento Organizacional: Uma Aplicação Prática. In: In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXXV, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, p.1-17.

Brauner, E & Becker, A. (2006). Beyond knowledge sharing: the management of transactive knowledge systems. Knowledge and Process Management, v. 13, n. 1, p. 62–71.

Callon, M. (1999). Actor-Network Theory: The Market Test. In J. Law and J. Hassard (Eds.) Actor Network and After. Oxford and Keele, Blackwell and the Sociological Review: p.181-195.

Chen, H.; Baptista Nunes, M & Ragsdell, G.; AN, X. (2018). Extrinsic and intrinsic

motivation for experience grounded tacit knowledge sharing in Chinese software organisations. Journal of Knowledge Management, v. 22, n. 2, p. 478–498.

Cross, R & Thomas, R. J. (2009). Redes Sociais - como empresários e executivos de vanguarda as utilizam para obtenção de resultados. São Paulo: Gente.

Cross, R.; Parker, A.; Prusak, L & Borgatti. S. (2001). Knowing what we know: supporting knowledge creation and sharing in social networks. Organizational Dynamics, v.30, n.2, pp.100-120.

Dalkir, K. (2005). Knowledge management in theory and practice. Burlington: Elsevier.

D'ávila, G. C.; Régis, H. P & Oliveira, L. M. B. de. (2010). Redes sociais e indicações para processos de recrutamento e seleção: uma análise pela perspectiva dos candidatos. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 10, n. 1, p. 65-80.

De Freitas, L. Q. (2010). Medidas de centralidade em grafos.. Tese de Doutorado. dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Donato, H. C. (2017). Os Aspectos Relacionais da Cocriação de Valor como uma Plataforma de Engajamento em Rede. 320 f Tese (doutorado) - USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração.

Farina, M. C.; Silva, R. S.; Silva Filho, J. R. T.; Da Silveira, M. A. P.; Ozaki, M. T.& Benevides, G. (2013). Uma investigação da centralidade e da densidade de uma rede de empresas que atuam na e realização de festas e de casamentos. Revista Alcance - Eletrônica, Vol. 20 - n. 02 - p. 170-185.

Farias, J. S.; De Farias, M. N & De Aquino, G. T. (2010). Análise sociométrica de uma rede de transferência de conhecimento. Revista de Administração FACES Journal, v. 9, n. 1.

Freeman, L. C. (1977). A set of measures of centrality based on betweenness. Sociometry, v. 40, p. 35–41.

Frogeri, R.; Vasconcelos, S.; França, J. S.S.P; Pardini, D. J & Ferreira, D. A.A. (2019) Aprendizagem organizacional, gestão do conhecimento e capacidades dinâmicas: proposta de um modelo teórico relacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v.9, n.2, p.24-29. Disponível em https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/41397/27434.

Flecha, A. C.; Bernardes, A. T & Silva, A. V. C. C. (2011). Medidas de centralidade como parâmetros para se avaliar os atores da rede de turismo: o caso da cidade de ouro preto, Anais... SIMPOI, São Paulo.

Freitas, C. R. (2017). Silêncio organizacional no contexto da gestão do Conhecimento. 118 fls Dissertação (Mestrado em Administração) pela Universidade Potiguar, Natal – Rio Grande do Norte.

Galaskiewicz, J & Burt, R.S. (1991). Interorganization contagion in corporate philanthropy. Administrative science quarterly, p. 88-105.

Gaspar, M. A. (2010). Gestão do conhecimento em empresas atuantes na indústria de software no Brasil: um estudo das práticas e suas influências na eficácia empresarial. 2010. 223 fls – Tese (Doutorado em Administração) pela Universidade de São Paulo, 2010.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA.

Granovetter, M. Business groups. In: Smelser, J. N & Swedberg, R. (1994). The Handbook of Economic Sociolog. Princeton: Princeton University Press, p. 453-475.

Grandori, A & Soda, G. (2000). A relational approach to organization design. Center for Research on Organization and Management, Milan: Bocconi University.

Ghobadi, S. (2015). What drives knowledge sharing in software development teams: a literature review and classification framework. Information and Management, v. 52, n. 1, p. 82–97.

Guimarães, F. J. Z & Melo, E. de S. (2005). Diagnóstico utilizando análise de redes sociais. Projeto final (especialização)–Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro.

Hatala, J. P. (2006). Social Analysis in Human Resource Development: A New Methodology. Human Resource Development Review. v 5, 1, p. 49-71.

Hanneman, R. A & Riddle M. (2005). Introduction to social network methods. Riverside, CA:University of California, Riverside. Disponível em: <http://faculty.ucr.edu/hanneman>Acesso em 06 nov 2019.

Lazega, E & Pattison, P. (2001). Social capital and social mechanisms and collective assets: The example of status auctions among colleagues. In N. Lin, K. Cook, & R. Burt (Eds.), Social capital: Theory and research, New York: Aldine-de Gruyter, 185-208.

Lengler, F. R.; Ilha, A. S & Lavarda, A. B. R. (2020). Gestão Do Conhecimento Tácito No Contexto Middle-Up-Down Da Gestão Estratégica. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 3-21.

Lima, R. H. P. (2012). Estudo exploratório sobre a gestão de desempenho e conhecimento em aglomerados industriais. 212 fls Tese (Doutorado em Engenharia) Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo/Usp. São Paulo, SP, Brasil.

Lyra, T. Fm & Oliveira, C. S. (2011). Um estudo sobre confiabilidade de redes e medidas de centralidade em uma rede de co-autoria. Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, v. 3, n. 2, p. 160-172.

Maffezzolli, E. C. F & Boehs, C. G. E. (2008) Uma reflexão sobre o estudo de caso como método de pesquisa. Revista da FAE, v. 11, n. 1.

Marteleto, R. M. (2001). Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da informação, v. 30, n. 1, p. 71-81.

Mollo Neto, M & Waker, R. A. (2011). Aplicação de ferramenta computacional baseada em redes sociais para análise de relacionamentos em organizações produtivas. Ubiquidade. TIC na Educação, [s.l.], v. 1, p. 69-78.

Nonaka, I & Takeuchi, H. (2004). A Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Pillania, R. K. (2009). Demystifying knowledge management. Business Strategy Series, v. 10, n. 2, p. 97-100.

Santos, A. R., Pacheco, F. F., Pereira, H. J & Bastos JR, P. (2001). Gestão do conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial. Curitiba: Champagnat.

Saxenian, A. L. (1994). Regional Advantage: Culture and Competition in Silicon Valley and Route 128. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Silveira, M. A. P & Farina, M. C. (2012). Análise de Redes Sociais como Ferramenta que

Contribui para a Melhoria das Relações Entre Empresas Participantes de um APL de eventos. Revista Redes, v. 17, n. 1, p. 33 – 54.

Silva, R. S.; Araujo, M.F.; Farina,M.C & Silveira, M.A.P. (2014). Ações conjuntas e trocas de informações existentes entre pequenas lojas de um shopping atacadista de moda. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 8, n. 2, p. 38-53.

Scott, J. (2000). Social network analysis: a handbook (2a ed.). London: Sage Publications.

Stake, R. E. (1995).The art of case study research. Sage.

Takeuchi, H & Nonaka, I. (2009). Gestão do conhecimento. Bookman editora.

Tonet, H. C & Paz, M. G. T. (2006). Um modelo para o compartilhamento de conhecimento no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 2, p. 75-94.

Wasserman, S & Faust, K. (1994). Social network analysis: methods and applications. New York: Cambridge University Press.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

Santos, A. L. A., Silva, R. S., dos Santos, J. M., & Campos, J. A. (2021). Trocas de conhecimentos formada pelos funcionários de uma empresa de petróleo e gás com base nas análises de redes sociais. Revista De Gestão E Secretariado, 12(3), 136–160. https://doi.org/10.7769/gesec.v12i3.1240