Relações entre a espiritualidade organizacional e o comprometimento organizacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v13i1.1225

Palavras-chave:

Organizational spirituality. Organizational commitment. Human capital.

Resumo

Este estudo objetivou identificar como as dimensões da espiritualidade organizacional se relacionam com as dimensões do comprometimento organizacional em uma instituição de ensino brasileira. Em relação aos procedimentos metodológicos, a pesquisa se configura como quantitativa e exploratória, tratando-se de uma survey. A amostra compreendeu o total de 588 servidores públicos da instituição pesquisada (IFRN). Os dados foram coletados por meio de escalas baseadas nos estudos de Rego, Cunha & Souto (2005), no caso da espiritualidade organizacional, e no modelo de conceitualização de três componentes de Meyer & Allen (1996), no caso do comprometimento organizacional. Os dados coletados foram tratados e analisados por meio da análise das medidas de posição, dispersão e do coeficiente de correlação de Pearson (r). Os achados do estudo apontam para a existência de correlações positivas e estatisticamente significantes entre duas dimensões da espiritualidade organizacional (as dimensões “alinhamento do indivíduo com os valores da organização” e “alegria no trabalho”) e uma dimensão do comprometimento organizacional (a dimensão “comprometimento organizacional afetivo”). Assim, obteve-se evidências que a implementação de modelos de gestão que considerem as dimensões da espiritualidade organizacional, podem contribuir para a melhoria do comprometimento organizacional afetivo dos colaboradoresEste estudo objetivou identificar como as dimensões da espiritualidade organizacional se relacionam com as dimensões do comprometimento organizacional em uma instituição de ensino brasileira. Em relação aos procedimentos metodológicos, a pesquisa se configura como quantitativa e exploratória, tratando-se de uma survey. A amostra compreendeu o total de 588 servidores públicos da instituição pesquisada (IFRN). Os dados foram coletados por meio de escalas baseadas nos estudos de Rego, Cunha & Souto (2005), no caso da espiritualidade organizacional, e no modelo de conceitualização de três componentes de Meyer & Allen (1996), no caso do comprometimento organizacional. Os dados coletados foram tratados e analisados por meio da análise das medidas de posição, dispersão e do coeficiente de correlação de Pearson (r). Os achados do estudo apontam para a existência de correlações positivas e estatisticamente significantes entre duas dimensões da espiritualidade organizacional (as dimensões “alinhamento do indivíduo com os valores da organização” e “alegria no trabalho”) e uma dimensão do comprometimento organizacional (a dimensão “comprometimento organizacional afetivo”). Assim, obteve-se evidências que a implementação de modelos de gestão que considerem as dimensões da espiritualidade organizacional, podem contribuir para a melhoria do comprometimento organizacional afetivo dos colaboradores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriane de Morais Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)

Mestrado em Administração pela Universidade Potiguar (UNP); Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e graduação em Administração também pela UFRN. Administradora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Walid Abbas El-Aouar, Universidade Potiguar - UNP

Doutor em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - URFN; Coordenador do Doutorado e mestrado acadêmico em administração da Universidade Potiguar - UNP.

Arthur William Pereira da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, Ceará

Doutor em Administração pela Universidade Potiguar (UNP); Mestre em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Mestre em Ambiente, Tecnologia e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA); Especialista em Gestão Empresarial pela Universidade Potiguar (UNP); Graduado em Administração pela Universidade Potiguar (UNP). Professor de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) - Campus Jaguaruana.

Ahiram Brunni Cartaxo de Castro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)

Doutor em Administração, Mestre em Administração e Graduado em Administração pela Universidade Potiguar (UNP) e Especialista em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Administrador no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Referências

Allen, N. J., & Meyer, J. P. (1990). The measurement and antecedents of affective, continuance and normative commitment to the organization. Journal of occupational and organizational psychology, 63(1), 1-18. doi: 10.1111/j.2044-8325.1990.tb00506.x

Allen, N. J., & Meyer, J. P. (1996). Affective, continuance, and normative commitment to the organization: An examination of construct validity. Journal of vocational behavior, 49(3), 252-276. doi: 10.1006/jvbe.1996.0043

Ashmos, D. P., & Duchon, D. (2000). Spirituality at work: A conceptualization and measure. Journal of management inquiry, 9(2), 134-145. doi: 10.1177/105649260092008

Bastos, A. V. B. (1993). Comprometimento organizacional: um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição de pesquisa. Revista de Administração de empresas, 33(3), 52-64. doi: 10.1590/s0034-75901993000300005

Bastos, A. V. B., Brandão, M. G., & Pinho, A. P. M. (1997). Comprometimento organizacional: uma análise do conceito expresso por servidores universitários no cotidiano de trabalho. Revista de Administração Contemporânea, 1(2), 97-120. doi: 10.1590/S1415-65551997000200006

Bastos, A. V. (1994). Comprometimento no trabalho: a estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. Comprometimento no trabalho: a estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato.

Cavanagh, G. F., Bandsuch, M. R. (2002). Virtue as a Benchmark Spirituality in Business. Journal of Business Ethics, p. 109–117. doi: 10.2307/25074782

Curtis, M. B., & Taylor, E. Z. (2018). Developmental mentoring, affective organizational commitment, and knowledge sharing in public accounting firms. Journal of Knowledge Management, 22(1), 142-161. doi:10.1108/JKM-03-2017-0097

Déniz-Déniz, M. L. C., Cabrera-Suárez, M. K., & Martín- Santana, J. D. (2018). Family firms and the interests of non-family stakeholders: The influence of family managers’ affective commitment and family salience in terms of power. Business Ethics: A European Review, 27(1), 15-28. doi:0.1111/beer.12155

Dogan, H., & Celik, K. (2019). The Relation between School Administrators’ Use of Power Styles and Teachers’ Organizational Commitment and Their Job Performance. Egitim Ve Bilim-Education and Science, 44(198), 37-55. doi:10.15390/EB.2019.7943

Duchon, D., & Plowman, D. A. (2005). Nurturing the spirit at work: Impact on work unit performance. The leadership quarterly, 16(5), 807-833. doi: 10.1016/j.leaqua.2005.07.008

El-Aouar, W., Patriota, R., Silva, A., Veiga Neto, A., Castro, A., Mesquita, R., & Barreto, L. (2020). New perspectives on mobbing in banking institutions. Revista de Administração da UFSM, 13(3), 463-482. doi:https://doi.org/10.5902/1983465929615

El-Aouar, W. A., Gallo, C. R., Castro, A. B. C., Silva, A. W. P., & Mesquita, R. F. (2019). Interpretações do olhar sindical sobre o assédio moral. Desafio Online, 7(1), 89-113. Recuperado de https://desafioonline.ufms.br/index.php/deson/article/view/6575/5605

Fink, A. (1955). How to measure survey reliability and validity. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Garg, N. (2017). Workplace spirituality and employee well-being: An empirical exploration. Journal of Human Values, 23(2), 129-147. doi:10.1177/0971685816689741

Hair, J., Babin, B., Money, A., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Bookman Companhia Ed.

Jiang, Z., Gollan, P. J., & Brooks, G. (2017). Relationships between organizational justice, organizational trust and organizational commitment: a cross-cultural study of China, South Korea and Australia. The International Journal of Human Resource Management, 28(7), 973-1004. doi:10.1080/09585192.2015.1128457

Jung, Y., & Takeuchi, N. (2019). Testing mediation effects of social and economic exchange in linking organizational training investment to employee outcomes. Personnel Review, 48(2), 306-323. doi:10.1108/PR-06-2017-0174

Jurkiewicz, C. L., & Giacalone, R. A. (2004). A values framework for measuring the impact of workplace spirituality on organizational performance. Journal of business ethics, 49(2), 129-142. doi: 10.1023/b:busi.0000015843.22195.b9

Karakas, F. (2010). Spirituality and performance in organizations: A literature review. Journal of business ethics, 94(1), 89-106. doi: 10.2307/40665201

Kim, S. H., Laffranchini, G., Wagstaff, M. F., & Jeung, W. (2017). Psychological contract congruence, distributive justice, and commitment. Journal of Managerial Psychology, 32(1), 45-60. doi:10.1108/JMP-05-2015-0182

Kinjerski, V., & Skrypnek, B. J. (2008). Four Paths to Spirit at Work: Journeys of Personal Meaning, Fulfillment, Well‐Being, and Transcendence Through Work. The Career Development Quarterly, 56(4), 319-329. doi: 10.1002/j.2161-0045.2008.tb00097.x

Medeiros, C. A. F. (2003). Comprometimento organizacional: um estudo de suas relações com características organizacionais e desempenho nas empresas hoteleiras. USP. Tese de Doutorado. doi: 10.11606/T.12.2004.tde-05042004-105813

Mesquita, R. F., & Matos, F. R. N. (2014). A abordagem qualitativa nas ciências administrativas: aspectos históricos, tipologias e perspectivas futuras. Revista Brasileira de Administração Científica, 5(1), 7-22. doi: 10.6008/SPC2179-684X.2014.001.0001

Mesquita, R. F., de Sousa, M. B., Martins, T. B., & Matos, F. R. N. (2014). Óbices metodológicos da prática de pesquisa nas ciências administrativas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(1), 50. doi: doi.org/10.12712/rpca.v8i1.387

Meyer, J. P.; Allen, N. J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, 1: 61-89, 1991. doi: 10.1016/1053-4822(91)90011-z

Meyer, J. P. Allen, N. J. (1997). Commitment in the workplace: Theory, research, and application. London: Sage Publications.

Meyer, J. P., Allen, N. J., & Smith, C. A. (1993). Commitment to organizations and occupations: Extension and test of a three-component conceptualization. Journal of applied psychology, 78(4), 538. doi: 10.1037/0021-9010.78.4.538

Milliman, J., Czaplewski, A. J., & Ferguson, J. (2003). Workplace spirituality and employee work attitudes: An exploratory empirical assessment. Journal of organizational change management, 16(4), 426-447. doi: 10.1108/09534810310484172

Mitroff, I. I., & Denton, E. A. (1999). A study of spirituality in the workplace. MIT Sloan Management Review, 40(4), 83. Disponível em: https://sloanreview.mit.edu/article/a-study-of-spirituality-in-the-workplace/

Neves, T., Graveto, J., Rodrigues, V., Marôco, J., & Parreira, P. (2018). Organizational commitment, psychometric qualities and invariance of the Meyer and Allen Questionnaire for Portuguese Nurses. Revista Latino- Americana de Enfermagem, 26(e-3021). doi:10.1590/1518- 8345.2407.3021

Paula, R. M., & Costa, D. L. (2008). A espiritualidade como diferencial competitivo para as organizações. Anais do XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação–Universidade do Vale do Paraíba.

Pawar, B. S. (2014). Leadership spiritual behaviors toward subordinates: An empirical examination of the effects of a leader’s individual spirituality and organizational spirituality. Journal of Business Ethics, 122(3), 439-452. doi: 10.1007/s10551-013-1772-5

Quratulain, S., Khan, A. K., Crawshaw, J. R., Arain, G. A., & Hameed, I. (2018). A study of employee affective organizational commitment and retention in Pakistan: the roles of psychological contract breach and norms of reciprocity. The International Journal of Human Resource Management, 29(17), 2552-2579. doi:10.1080/09585192.2016.1254099

Rego, A., Cunha, M. P., & Souto, S. (2005). Espiritualidade nas organizações e empenhamento organizacional: um estudo empírico. Área Científica de Gestão. G, (6), 4-5.

Rego, A., Pinha e Cunha, Miguel., & Souto, S. (2007). Espiritualidade nas organizações e comprometimento organizacional. RAE-eletrônica, 6(2). doi: 10.1590_S1676-56482007000200003

Robbins, S. P. (2005). Comportamento Organizacional. 11ª. ed. São Paulo: Pearson.

Silva, R., & Siqueira, D. (2009). Espiritualidade, religião e trabalho no contexto organizacional. Psicologia em Estudo, 14(3). doi: 10.1590/S1413-73722009000300017

Silva, A. W. P., Santos, H. C. C., Oliveira, B. N. F., Soares, F. I. L., & Coelho, A. L. A. L. (2017). Uma análise sobre aceitação de líderes: o caso da guarda civil de Mossoró-RN. Organizações em contexto, 13(26), 73-99. doi:10.15603/1982-8756/roc.v13n26p73-99

Silva, A. W. P., Veiga, A. R., Neto, Coelho, A. L. A. L., & Castro, A. B. C. (2019). Correlations between power and affective organizational commitment. Revista de Gestão e Secretariado, 10(1), 91-118. doi:10.7769/gesec.v10i1.843

Siqueira, M. M. M. (2014). Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Artmed Editora.

Siqueira, M. M. M; G. Júnior, S. (2014). Vínculos do indivíduo com o trabalho e a organização. In: Zanelli, J. C., Borges-Andrade, J. E., & Bastos, A. V. B. (2014). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil-2. AMGH Editora.

Straatmann, T., Nolte, J. K., & Seggewiss, B. J. (2018). Psychological processes linking organizational commitment and change-supportive intentions. Personnel Review, 47(2), 403-424. doi:10.1108/PR-09-2016-0230

Tecchio, E. L. (2015). A influência da espiritualidade no processo de gestão do conhecimento em empresas de base tecnológica. 2015. 193 f (Doctoral dissertation, Tese (Doutorado)-Curso de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/135510

Teixeira, A. I. C. (2015). A espiritualidade nas organizações: caso de estudo Bial (Master's thesis, FEUC). Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/29727

Woznyj, H. M., Heggestad, E. D., Kennerly, S., & Yap, T. L. (2019). Climate and organizational performance in longterm care facilities: The role of affective commitment. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 2(1), 122-143. doi:10.1111/joop.12235

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

Ferreira, A. de M., Abbas El-Aouar, W., Silva, A. W. P. da, & Brunni Cartaxo de Castro, A. (2022). Relações entre a espiritualidade organizacional e o comprometimento organizacional. Revista De Gestão E Secretariado, 13(1), 262–285. https://doi.org/10.7769/gesec.v13i1.1225

Edição

Seção

Artigos