As Dificuldades de Percurso das Mulheres Empreendedoras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v12i3.1213

Palavras-chave:

Empreendedorismo, Mulheres Empreendedoras, Gênero

Resumo

O aumento no número de empresas criadas por mulheres vem ganhando destaque nos últimos anos. De acordo com o Global Entrepreneurship Monitor, 50,7% das mulheres concordaram que o medo de fracassar não as impediria de começar um novo negócio. Mas não é só o medo que deve ser enfrentado por elas. Outras dificuldades para a atividade empreendedora são apontadas na literatura, como: barreiras de gênero, conflito família e trabalho, financeiras, de apoio familiar, de gerência de negócio, disponibilidade de tempo e qualificação. Este artigo objetivou analisar as dificuldades enfrentadas pelas mulheres no desenvolvimento empreendedor na cidade de Campo Maior - PI. Optou-se por utilizar uma abordagem qualitativa e de cunho descritivo. As mulheres pesquisadas são jovens com idade entre 22 e 34 anos, com formação concluída ou em cursos de graduação em outras áreas, que não a de gestão, que resolveram empreender pela percepção de oportunidade. A realidade empreendedora das mulheres na cidade se aproxima da caracterização sintetizada a partir da leitura, à exceção da captação de recursos financeiros que não aparentou ser influenciada por barreiras de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Lima Bandeira, Instituto Federal do Piauí – Campus Piripiri

Bacharela em Administração de Empresas pelo Instituto Federal do Piauí – Campus Piripiri

Rafael Fernandes de Mesquita, Instituto Federal do Piauí - IFPI

Doutor em Administração de Empresas pela Universidade Potiguar - UnP. Professor do Instituto Federal do Piauí (IFPI) e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Piauí - UFPI.

Maria Kélvia Ferreira de Araújo, Instituto Federal do Piauí – Campus Piripiri

Bacharela em Administração de Empresas pelo Instituto Federal do Piauí – Campus Piripiri.

Fátima Regina Ney Matos, Instituto Superior Miguel Torga - ISMT/Coimbra-Portugal.

Doutora em Administração de Empresas (UFPE) com estágio pós-doutoral na Universidade de Aveiro – Portugal. Professora do Instituto Superior Miguel Torga - ISMT/Coimbra-Portugal.

Referências

Almeida, I. C., Antonialli, L. M., & Gomes, A. F. (2011). Comportamento estratégico de mulheres empresárias: estudo baseado na tipologia de Miles e Snow. Revista Ibero Americana de Estratégia, 10(1), 102-127.

Alperstedt, G. D., Ferreira, J. B., & Serafim, M. C. (2014). Empreendedorismo feminino: dificuldades relatadas em histórias de vida. Revista de Ciências da Administração, 16(40), 221-234.

Araújo, M. K. F., Silva, R. L. S., de Mesquita, R. F., & Matos, F. R. N.(2020). May That Nothing Limit Us, May That Nothing Define Us: The Context of Women Entrepreneurs in Startups. In: Handbook of Research on Approaches to Alternative Entrepreneurship Opportunities (pp. 395-409). IGI Global.

Araújo, U. P.; Gomes, A. F.; Santana, W. G. P. (2009). Empreendedorismo Feminino: O Estado-da-arte. In: ENANPAD- Encontro Nacional da ANPAD, 33, São Paulo. Anais...RJ: ANPAD.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições.Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70 LDA.

Barone, F. M.; Zouain, D. M. (2019). Empreendedorismo feminino no Brasil: políticas públicas sob análise. RAP-Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro. Jan./Fev.

Barros, G. V. D., Palhano, D. Y. M., & Machado, H. V. (2003). Conhecendo a empreendedora norte paranaense: perfil, porte das empresas e dificuldades de gerenciamento. Caderno de Administração UEM, 11(1), 51-67.

Bomfim, L. C. S., & Teixeira, R. M. (2015). Empreendedorismo feminino: desafios enfrentados por empreendedoras na gestão de pequenos negócios no setor de turismo. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(2), 48-69.

Cararo, W. R., Becker, A., de Guimarães, J. C. F., & Severo, E. (2018). Empreendedorismo e inovação como estratégia organizacional: Um caso de ensino. Revista Eletrônica de Administração e Turismo-ReAT, 12(7), 1736-1749.

Cavazotte, F. D. S. C. N., Oliveira, L. B & Paciello, R. R. (2013). Antecedentes e consequências dos conflitos entre trabalho e família. Revista de administração contemporânea, 17(4), 418-437.

Cruz, M. T. S, & de Moraes, I. M. M. (2013). Empreendedorismo e Resiliência: mapeamento das competências técnicas e comportamentais exigidas na atualidade. Pensamento & Realidade, 28(2).

Ferreira, J. M., & Nogueira, E. E. S. (2013). Mulheres e suas histórias: razão, sensibilidade e subjetividade no empreendedorismo feminino. Revista de Administração Contemporânea, 17(4), 398-417.

Figueiredo, M. D.; Machado, D. Q.; Matos, F. R. N.; Melo, A. N. (2015). Empreendedorismo feminino no artesanato: uma análise crítica do caso das rendeiras dos morros da Mariana. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 14(2), 110-123.

Figueiredo, M. D.; Mesquita, R. F. (2016). A norma masculina do empreendedorismo e as possibilidades de emancipação feminina. In: Vieira, A.; Carrieri, A. P. (Org.). Gênero e saúde na dinâmica do trabalho: a saúde da mulher em foco. 1. ed. Curitiba: Juruá,177-198.

GEM – Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil – 2013: relatório executivo. (2013). Curitiba: IBQP/SEBRAE. Disponível em: https://ibqp.org.br/wp-content/uploads/2017/07/GEM_2013_Livro_Empreendedorismo_no_Brasil.pdf.pdf. Acesso em: 10/09/2020.

GEM – Global Entrepreneurship Monitor. (2019). Empreendedorismo no Brasil – 2019: relatório executivo. Curitiba: IBQP/SEBRAE, 2019. Disponível em: https://ibqp.org.br/gem/. Acesso em: 10/09/2020.

Gouvêa, A. B. C. T., Silveira, A., & Machado, H. P. V. (2013). Mulheres empreendedoras: compreensões do empreendedorismo e do exercício do papel desempenhado por homens e mulheres em organizações. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 2(2), 32-54.

Hussey, R., &COllINS, J. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). v4.3.46. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/campo-maior/panorama. Acesso em: 10/09/2020.

Lindo, M. R., Cardoso, P. M., Rodrigues, M. E., & Wetzel, U(2007). Vida pessoal e vida profissional: os desafios de equilíbrio para mulheres empreendedoras do Rio de Janeiro. RAC-Eletrônica, 1(1), 1-15.

Machado, H. P. V., Gazola, S., Fabricio, J. D. S., & Anez, M. E(2016). Women entrepreneurs: Reasons and difficulties for starting in business. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 17(3), 15-38.

Machado, H. P. V., Guedes, A., & Gazola, S. (2017). Determinantes e dificuldades de crescimento para mulheres empreendedoras. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(1), 85-99.

Mesquita, R. F., & Matos, F. R. N. (2014). A abordagem qualitativa nas ciências administrativas: aspectos históricos, tipologias e perspectivas futuras. Revista Brasileira de Administração Científica, 5(1), 7-22.

Mattos, P. L. C. L. (2010). Análise de entrevistas não estruturadas: da formalização à programática da linguagem. In: Silva, A. B.; Godoi, C. K.; Mello, R. DE B. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Merriam, S. B. (1998). Qualitative Research and Case Study Applications in Education. Revised and Expanded from "Case Study Research in Education". Jossey-Bass Publishers, 350 Sansome St, San Francisco, CA 94104.

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, 5(7), 1-12.

Schumpeter, J. A. (1997). A Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Nova Cultura.

SEBRAE. Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas do Piauí. Empreendedorismo feminino no Brasil. (2019). Disponível em: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/GO/Sebrae%20de%20A%20a%20Z/Empreendedorismo%20Feminino%20no%20Brasil%202019_v5.pdf. Acesso em: 20/08/2020.

Silva, P. M. M., El-Aouar, W. A., da Silva, A. W. P., & de Sousa, J. C. (2019). A resiliência no empreendedorismo feminino. Gestão e Sociedade, 13(34).

Strobino, M. R.C., & Teixeira, R. M. (2014). Empreendedorismo feminino e o conflito trabalho-família: estudo de multicasos no setor de comércio de material de construção da cidade de Curitiba. Revista de Administração, 49(1), 59-76.

Teixeira, T. S., Andrade, D. M., de Castro Alcântara, V., & de Oliveira, N. K. (2019). Inovação e Empreendedorismo: Um caso no setor público. Revista Pretexto, 20(1), 57-71.

Teixeira, R. M., & Bomfim, L. C. S. (2016). Empreendedorismo feminino e os desafios enfrentados pelas empreendedoras para conciliar os conflitos trabalho e família: estudo de casos múltiplos em agências de viagens. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(1), 44-64.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

Bandeira, L. L., Mesquita, R. F. de, Araújo, M. K. F. de, & Matos, F. R. N. (2021). As Dificuldades de Percurso das Mulheres Empreendedoras. Revista De Gestão E Secretariado, 12(3), 1–18. https://doi.org/10.7769/gesec.v12i3.1213