A cadeia de suprimentos da indústria têxtil: compreendendo o arranjo e a sua inserção no campo da Administração

Fernanda Costa Silva, Uajará Pessoa Araújo, Lúcia Andréa Costa Silva

Resumo


O objetivo deste artigo foi compreender a cadeia de suprimentos da indústria têxtil e, de forma complementar: i) verificar as principais temáticas e teorias organizacionais que estão sendo aplicadas nos trabalhos acadêmicos, do campo da administração, sobre a indústria têxtil e a sua cadeia de suprimentos; ii) apontar trabalhos que tratam de iniciativas e estratégias de engajamento socioambiental do arranjo. Realizou-se uma pesquisa em formato “estado da arte” com a apreciação de 141 artigos científicos; 15 localizados no portal de periódicos Capes e 126 localizados diretamente nas páginas eletrônicas dos periódicos da área “Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo”, mais relevantes junto a Capes. A análise se concentrou na descrição da cadeia, na verificação de temas e teorias organizacionais aplicados para a compreensão do arranjo e na identificação de iniciativas de engajamento socioambiental. Após a análise, concluiu-se que foi possível entender a cadeia de suprimentos da indústria têxtil e apontar os temas/teorias organizacionais mais abordados na área analisada. As iniciativas socioambientais no arranjo foram evidenciadas, mas percebeu-se uma grande lacuna para pesquisas que podem envolver toda ou parte da cadeia do setor têxtil, ampliando a discussão dessa temática no campo da Administração.


Palavras-chave


Cadeia de suprimentos; Indústria Têxtil; Arranjo Organizacional; Estado da Arte; Administração.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, M. C. S. de, Rados, G. J. V., Figueiredo Junior, H. S. de. (2004). As Pressões Ambientais da Estrutura da Indústria. RAE - eletrônica, 3(2).

Abreu, M. C. S., Castro Junior, O. V. de C., Soares, F. de A., & Silva Filho, J. C. L. da S. (2009). Efeito da Conduta Social sobre a Performance. Contabilidade Vista & Revista, 20(1), 119-142.

Abreu, M. C. S. de, Santos, S. M. dos, & Rados, G. J. V. (2008). Modelo de avaliação da estratégia ambiental: estudos no setor têxtil. Cadernos EBAPE.BR, 6(1), 01-24. https://doi.org/10.1590/S1679-39512008000100007

Alves, A. P. F., Schultz, G., & Barcellos, M. D. (2018). Understanding Sustainable Supply Chain Coordination. Revista Ciências Administrativas, 24 (3), 1-17.

Alves, A.P. F., & Silva, M. E. (2017) Reflexões Empíricas Sobre a Dimensão Social da Sustentabilidade em Cadeias de Suprimento: O que Precisa Mudar? Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6(1).

Amado, E. (1976). A crise da indústria têxtil - proposta de uma solução. Revista de Administração Pública - RAP, 10(1), 69-84.

Amaral, M. C., Zonatti, W. F., Silva, K. L., Karam Junior, D., Amato Neto, J., & Ramos, J. B. Industrial textile recycling and reuse in Brazil. (2018). Rev. Gestão &. Produção, 25(3).

Antero, S. A. (2006) Articulação de políticas públicas a partir dos fóruns de competitividade setoriais. RAP-Revista de Administração Pública, 40(1), 57-79.

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica questões atuais. Em questão, 12(1).

Araújo, U. P., Ávila, G. E. O., Gomes, A. F. G., & Oliveira, R. F. (2011) Uma reflexão sobre agência e estrutura no ambiente organizacional. Educação e Tecnologia, 16(2).

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção - ABIT. (2018). O poder da moda: cenários, desafios, perspectivas, 2015-2018. Recuperado em 15 janeiro, 2020, de https://www.abit.org.br/conteudo/links/Poder_moda-cartilhabx.pdf

Back, L., Schrippe, P., Pazuch, C. M., Weise, A. D., & Kovaleski, J. L. (2015). Gestão da Cadeia de Suprimentos: análise de uma indústria noveleira do oeste do Paraná. Iberoamerican Journal of Industrial Engineering, 7(14).

Balestrin, A., Vargas, L. M., & Fayard, P. (2005). Criação de Conhecimento Redes Cooperação Interorganizacional. RAE, 45(3), 52-64.

Ballou, R. H. (2005). Gerenciamento da cadeia de suprimentos: Logística Empresarial. (5ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Batista, P. C. S., Lisboa, J. V. O., Augusto, M. G., & Almeida, F. E. B. (2016). Effectiveness of business strategies in Brazilian textile industry. RAUSP, 51(2), 225-239.

Berlin, L. G. Indústria têxtil brasileira e suas adequações na implementação do desenvolvimento sustentável. (2014). ModaPalavra e-periódico, 7(13).

Bertucci, J. L. O., Silva, E. A., Pimentel, T. D., & Pereira, R. D. (2009). Mecanismos de governança e processos de sucessão: um estudo sobre a influência dos elementos da governança na orientação do processo sucessório. Rev.Bras.GestãoNegócios, 11(31).

Beuren, I. M., Fachini, G. J., & Nascimento, S. (2010). Evidências de Isomorfismo nas Funções da Controladoria Empresas Familiares Têxteis de SC. Rev.Cont.de Contab., 1(13).

Beuren, I. M., & Almeida, D. M. (2012). Impactos da implantação das normas internacionais de contabilidade na controladoria: um estudo à luz da teoria da estruturação em uma empresa têxtil. Revista de Administração (São Paulo), 47(4), 653-670.

Beuren, I. M., & Oro, I. M. (2014). Relação entre estratégia de diferenciação e inovação, e sistemas de controle gerencial. Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 285-310.

Bossle, M. B.B., & Nascimento, L. F. M. do. (2014). As relações interorganizacionais na rede justa trama como um fator de sucesso na produção e comercialização dos produtos do algodão ecológico. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 4(2), 64-81.

Boyson, S., Corsi, T. M., Dresner, M. E., & Harrington, L. H. (1999). Logistics and the extended enterprise. New York: John Wiley.

Brasil, M. V. O., Abreu, M. C. S., Silva Filho, J. C. L., & Leocardio, A. L. (2016). Relationship between eco-innovations and the impact on business performance: an empirical survey research on the Brazilian textile industry. RAUSP, 51(3).

Brito, R. P., & Berardi, P. C. (2010). Vantagem competitiva na gestão sustentável da cadeia de suprimentos: um metaestudo. RAE, 50(2), 155-169.

Bubicz, M.E, Barbosa-Póvoa, A.P.F.D, &Carvalho, A. (2019). Incorporating social aspects in sustainable supply chains: Trends and future directions. J.Cleaner Production, 237.

Camargo, M.A.A. P., Rocha, T.V., & Silva, S.C. (2016). Estratégias de marketing no processo de internacionalização de franquias brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 18(62), 570-592. https://doi.org/10.7819/rbgn.v18i62.2804

Campos, T. L. C.(2006). Estrutura da propriedade e desempenho econômico: uma avaliação empírica para as empresas de capital aberto no Brasil. RAUSP Management Journal, 41(4), 360-380.

Carvalho, C. A., Goulart, S., & Vieira, M. M. F. (2004). A inflexão conservadora na trajetória histórica da teoria institucional. In Anais XXVIII Encontro da ANPAD, Curitiba.

Chanlat, J. F. (1992). A caminho de uma nova ética das relações nas organizações. RAE – Revista de Administração de Empresas, 32(3), 68-73.

Chen, I. J., & Paulraj, A. (2004). Towards a theory of supply chain management: the constructs and measurements. Journal of Operations Management, 22(2), 119-150.

Claro, P., Claro, D. P. E., & Amancio, R. (2008). Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. RAUSP-Revista de Administração, 43(4).

Cochia, C.B. R., & Machado-da-Silva, C.L. (2004). Ambiente, interpretação e estratégia em organizações paranaenses dos setores de vestuário e alimentos. Revista de Administração Contemporânea, 8(spe), 11-35. https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000500003

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2017). Considerações sobre Qualis Periódicos: Adm. Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo. Brasília: CAPES. Recuperado de http://www1.capes.gov.br/images/Qualis_periodicos_2017/Consideracoes_Qualis_Periodicos_Area_27_2017_-_final.pdf

Crubellate, J. M., Grave, P. S., & Mendes, A. (2004). A questão institucional e suas implicações para o pensamento estratégico. RAC, 8(spe), 37-60.

Dias, S. L. F. G., Labegalinib, L., & Csillagc, J. M. Sustentabilidade e cadeia de suprimentos. (2012). Revista Produção, 22(3), 517-533.

Dowbor, L. (2017). A Era do Capital Improdutivo. São Paulo: Autonomia Literária.

Durski, G. R.(2003). Avaliação do desempenho em cadeias de suprimentos. Rev.FAE, 6(1).

Dutra, I., Guagliardi, J.A., & Hernandes, J. P. (1986). A micro e pequena empresa industrial: diferenças e similaridades de marketing entre os setores metalúrgico, moveleiro, alimentício e de vestuário. Revista de Administração de Empresas, 26(2), 29-44.

Elkington, J. (1997). Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: Capstone Publishing.

Enriquez, E. (1997). Os desafios éticos nas organizações modernas. RAE-Revista de Administração de Empresas, 37(2), 6-17.

Farkas, F., & Avny, G. (2005). Cross-Cultural Issues of International Joint Ventures: A Viewpoint from Israel. Unpublished doctoral thesis, Budapest, Óbuda University.

Fayol, H. (2009). Administração industrial e geral. (10ed). São Paulo: Atlas.

Ferreira, N. S. de A. (2002). As pesquisas denominadas "estado da arte". Educação & Sociedade, 23(79).

Giddens, A. (2003). A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Gomes, A. P. M. (2016). Características da Governança Corporativa como Estímulo à Gestão Fiscal . Revista Contabilidade & Finanças, 27(71), 149-168.

Gomes, G., & Wojahn, R. M. (2017). Organizational learning capability, innovation and performance: study in small and medium-sized enterprises (SMES). RAUSP, 52(2).

Gutierrez, G.L. (1986). A metodologia científica e o estudo das organizações. RAE, 26 (1).

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística - IBGE. (2010). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45351.pdf

Jaques, C.G., Santos, M. J.N.dos, & Orchard, M. S. E. (2016). Responsabilidade Social das Empresas, Trabalho Decente e Acordos Marco Internacionais: um estudo de caso do setor têxtil. Política & Sociedade, 15(33). 160-193.

Kang, M., Yang, M.G., Park, Y. & Huo, B. (2018). Supply chain integration and its impact on sustainability. Industrial Management & Data Systems, 118(9), 1749-1765.

Kogut, C.S., & Fleck, D.(2017). Professional versus family management in Brazilian fashion retail companies: exploring value-investors’ perceptions. Cadernos EBAPE.BR, 15(3), 559-573.

Lado, A. A., Paulraj, A., & Chen, I. J. Customer focus, supply-chain relational capabilities and performance. The International Journal of Logistics Management, 22(2), 202-221.

Leão, A. L. M. S., Camargo, T. I., & Cavalcanti, R. C. T. (2013). Como uma onda no mar: a fluida personalidade da movimento. Brazilian Business Review, 10(3), 34-53.

Leão, A. L. M. S., Souza Neto, A. F., & Mello, S. C. B. (2007). Compreendendo os valores das marcas: aplicação da lista de valores em diferentes indústrias. Revista de Administração Contemporânea, 11(2), 27-48.

Lopes, F. D., & Baldi, M. (2005). Laços Sociais e Formação de Arranjos Organizacionais Cooperativos – Proposição de um Modelo de Análise. RAC, 9(2),81-101.

Lorencini, F. D., & Costa, F. M. (2012). Escolhas contábeis no Brasil: identificação das características das companhias. Revista de Contabilidade & Finanças, 23(58), 52-64.

Loyola, A. (1974). Trabalho e modernização na indústria têxtil. RAE, 14(5), 19-31.

Machado-Da-Silva, C. L., & Fonseca, V. S. (2010). Estruturação da Estrutura Organizacional: o Caso de uma Empresa Familiar. RAC, Edição Especial, 11-32.

Machado-Da-Silva, C. L., Fonseca, V. S., & Crubellate, J. M. (2010). Estrutura, agência e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva institucionalização. RAC, 14(spe).

Machado-da-Silva, C., & Vizeu, F. (2007). Análise institucional de práticas formais de estratégia. RAE, 47(4), 1-12.

Maciel, C. O., & Camargo, C. (2009). Competências e Desempenho de Organizações Varejistas. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(32), 308-321.

Mascarenhas, A. O., Dias, S. L. G., & Baptista, R. M. (2015). Elementos para discussão da escravidão contemporânea como prática de gestão. RAE-Revista de Administração de Empresas, 55(2), 175-187. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020150207

Oliveira, J. M., & Beuren, I. M. (2003). O Tratamento Contábil do Capital Intelectual em Empresas com Valor de Mercado Superior Contábil. Revista Cont. & Finanças, 14(32).

Oltramari, A. P., & Piccinini, V. C. (2006). Reestruturação produtiva e formas de flexibilização do trabalho. Organizações & Sociedade, 13(36), 85-106.

Parente, P.H. N., De Luca, M. M.M., Lima, G. A. S. F. de, & Vasconcelos, A.C.de. (2018). Cultura organizacional e desempenho nas empresas estrangeiras listadas na NYSE. Revista De Contabilidade E Organizações, 12, e139161.

Parmigiani, A., & Rivera-Santos, M. (2011). Clearing a Path Through the Forest: A Meta-Review of Interorganizational Relationships. Journal of Management, 37(4), 1108–1136.

Pasdiora, M. A., & Brei, V. A. (2014). A formação do hábito de consumo infantil. Organizações & Sociedade, 21(68), 789-813.

Peci, A. (2006). A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, 4(1).

Peci, A., Vieira, M. M. F., & Clegg, S. (2006). A construção do "Real" e práticas discursivas: o poder nos processos de institucionaliz(ação). RAC, 10 (3).

Peixe, B.C.S, Trierweiller, A.C, Bornia, A.C., Tezza, R., & Campos, L. M. S. (2019). Fatores Relacionados com a Maturidade do Sistema de Gestão Ambiental de Empresas Industriais Brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 59(1), 29-42.

Powell, W. & Rerup, C. (2017). Opening the black box: the microfoundations of institutions. In R. GreenwoodC. Oliver & T. B. Lawrence The SAGE Handbook of organizational institutionalism (311-335). 55 City Road, London: SAGE Publications.

Ranson, S., Hinings, B., & Greenwood, R. (1980). The structuring of organizational structures. Administrative Science Quarterly, 25(1), 1-17.

Ribeiro, R. B., Araújo, A. O., Tavares, A. L., & Crystalino, C. M. (2010). Impacto da não-preservação ambiental no resultado de uma indústria têxtil de Natal. Rev. Universo Contábil, 6(3), 80-95.

Rivera, J. J., Bigne, E., & Curras-Perez, R. (2019). Efeitos da Responsabilidade Social Corporativa na lealdade do consumidor com a marca. RBGN, 21(3), 395-415.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educacional, 6(19), 37-50.

Sá, R. R. G., & Marcondes, R. C. (2010). O ponto de vendas de produtos de luxo da moda de vestuário feminino no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 8(3), 514-534.

Santos, E. S.; Ponte, V. M. R.; Mapurunga, P. V. R. (2014). Adoção obrigatória do IFRS no Brasil (2010). Revista Contabilidade & Finanças, 25(65), 161-176.

Santos, L., Silva, G., & Neves, J. (2011). Risco de sobrevivência de micro e pequenas empresas comerciais. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(11), 107-124.

Sarkis, J., Zhu, Q., & Lai, K. (2011). An organizational theoretic review of Green supply chain Management literature. Int. J. Production Economics, 130(1), 1-15.

Scussel, F., & Demo, G. (2019). Os Aspectos Relacionais do Consumo de Luxo no Brasil: O desenvolvimento da Escala de Percepção de Relacionamento de Consumidores de Luxo e a Análise da Influência da Personalidade de Marca sobre a Percepção de Relacionamento com Marcas de Moda de Luxo. BBR. Brazilian Business Review, 16(2), 174-190.

Silva, M., & Cândido, G. (2014). The Business contribution for sustainable consumption: A proposal of theoretical categories and analytical parameters. RECAdm., 13(1), 74-88.

Silva, R. R.; Rodrigues, F. T. R. L. (2015). Análise do ciclo de vida e da logística reversa como ferramentas de gestão sustentável. Iber. Journal of Industrial Engineering, 7(13).

Sonza, I. B., & Kloeckner, G.O. (2014). A Governança Corporativa Influencia a Eficiência das Empresas Brasileiras?. Revista Contabilidade & Finanças, 25(65), 145-160.

Souza, A.S., & Silva,C.P. (2006). O consumo na vida de adolescentes de diferentes condições socioeconômicas: uma reflexão para o marketing no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 4(1),01-18.

Teixeira, M., & Bessa, E. (2009). Estratégias para compatibilizar desenvolvimento econômico e gestão ambiental numa atividade produtiva local. RAC, 13(spe), 1-18.

Tenório, F. (1990). Tem razão a administração?. RAP, 24(2), 5-9.

Touboulic, A., & Walker, H. (2015). Theories in sustainable supply chain management. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 45(1/2), 16-42.

Viana,F.L.E.,Barros Neto, J. P., & Añez, M. E. M. (2014). Gestão da cadeia de suprimento e vantagem competitiva relacional nas indústrias têxtil e de calçados. Gest. & Prod., 21(4).

Villela, L. E., & Pinto, M. C. S. (2009). Governança e gestão social em redes empresariais: análise de três APLs de confecções no estado do RJ. RAP, 43(5), 1067-1089.

Vizeu, F., Meneghetti, F. K., & Seifert, R. E. (2012). Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 10(3), 569-583.

Wittstruck, D., & Teuteberg, F. (2012). Understanding the Success Factors of Sustainable Supply Chain Management. Corporate Social Responsability and Environmental, 19.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v12i2.1212

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Fernanda Costa Silva, Uajará Pessoa Araújo, Lúcia Andréa Costa Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia