Informação prospectiva: estratégia de ação no comércio informal do vestuário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v12i3.1202

Palavras-chave:

Comércio Informal. Informação Prospectiva. Inteligência Competitiva. Vestuário feminino.

Resumo

A presente pesquisa dedicou-se à exploração de novos conhecimentos sobre a temática “informação prospectiva: estratégia de ação no comércio informal do vestuário feminino”. O trabalho foi realizado na cidade de Picuí/PB e região e se propôs a entender a percepção dos clientes atuais e potenciais com relação a essa estratégia de desenvolvimento. O objetivo de estudo é conhecer a influência que a informação prospectiva exerce sobre o mercado informal do vestuário feminino. Foi realizada revisão da literatura, tanto nacional quanto internacional. Este estudo representa um paradigma construtivista e de investigação qualitativa, possuindo um caráter descritivo e exploratório e utilizando-se de entrevistas semiestruturadas para a coleta de dados, a qual totalizou trinta entrevistados. As entrevistas ocorreram por meio de gravador de áudio e contaram com posterior transcrição para tratamento e análise das categorias temáticas, sugeridas por Bardin (2011), com a ajuda do software “NVivo 11”. Os resultados foram relacionados em quatro categorias: Informação prospectiva, Vestuário feminino, Comércio informal e Inteligência competitiva. Há também seis subcategorias: Moda e consumo, “Boca a boca” e redes sociais, Informação, Grau de satisfação, Processo de informação e Tomada de decisões. A análise dos resultados obtidos a partir do instrumento de pesquisa apresentou que os entrevistados consideram a informação prospectiva matéria-prima da Inteligência Competitiva, como estratégia de ação na tomada de decisão. Conclui-se que, na percepção dos respondentes, a informação prospectiva é considerada uma estratégia de ação no mercado informal de vestuário feminino. Por último, encontram-se limitações e sugestões futuras para essa temática. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara Santos Silva, Universidade Potiguar

Bacharel em Administração pela Universidade de Ensino Superior (UNESC), Campina Grande-PB, desde 2009; MBA em Gestão Hospitalar (UNI-RN), desde 2015; Mestre pelo Programa de Pós - Graduação da Universidade Potiguar (Mestrado Acadêmico em Administração). 

César Ricardo Maia de Vasconcelos, Universidade Potiguar, PPGA.

Doutor (Ph.D) em Administração pela Université Pierre Mendes France de Grenoble, França; Mestre em Gestão dos Sistemas de Informações Empresariais e Gerenciais (Diploma Europeu) pela Conférence Universitaire de Suisse Occidentale (CUSO) e Conférence Universitaire Rhône-Alpes (CURA) Suíça / França; Mestre em Sistema de Informação (Diploma Francês) pela École Supérieure des Affaires (ESA) - Université Pierre Mendes France de Grenoble, França; Graduado em Administração pela Faculdade Espirito-Santense de Administração e Licenciado em Letras pela Universidade Federal do Espírito Santo; Além de possuir vasta experiência acadêmica e em gestões públicas e privadas, tendo ocupado cargos executivos em Instituições de Ensino Superior, na Administração Pública estadual e federal e na Administração Privada; Consultor de Empresas em Estratégias Empresariais; Diretor Geral da SALEM Carreiras, Estratégia & Negócios Ltda.; Avaliador Institucional do BASIS MEC/SESU/INEP é Professor Colaborador do Programa de Mestrado Profissional em Administração (Disciplina ministrada: Comportamento Organizacional) e Professor Permanente dos Programas de Mestrado e Doutorado Acadêmico em Administração (Disciplinas ministradas: Inteligência Competitiva; Cultura, Sociedade e Organizações) da Universidade Potiguar/UnP.

Referências

Alonso-Almeida, M. D. M., Bremser, K.& Llach, J. (2015). Proactive and reactive strategies deployed by restaurants in times of crisis: effects on capabilities, organization and competitive advantage. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 27 (7), 1641-1661.

Andriotti, F. K., Freitas, H. & Muniz, J. R. (2008). Informação informal e a monitoração do ambiente organizacional: reflexões e sugestões para a área de TI. In: Encontro da ANPAD, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: ANPAD.

Antunes, R. (2010). Os modos de ser da informalidade: rumo a uma nova era da precarização estrutural do trabalho?. Configurações. Revista de sociologia, 7, 155-166.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bezerra, C. O. (2016). Marketing digital e comércio eletrônico na gestão social: estratégias para revitalizar as identidades e fazeres artesanais–o Website “Artesão Digital”.

Boddy, C. R. (2016). Sample size for qualitative research. Qualitative Market Research: An International Journal, 19 (4), 426-432.

Calazans, A. T. S. (2008). Qualidade da informação: conceitos e aplicações. TransInformação, 20(1), 29-45.

Corrar, L. J.; Paulo, E.; Dias Filho, J. M. (2009). Análise Multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas.

Coughlin, C., Lyons, K. E.& Ghetti, S. (2014). Remembering the past to envision the future in middle childhood: developmental linkages between prospection and episodic memory. Cognitive Development, 30, 96-110.

Chang, C. H. (2015). Proactive and reactive corporate social responsibility: antecedent and consequence. Management Decision, 53 (2), 451-468.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

da Silva, D. P. A., Figueiredo Filho, D. B., & da Silva, A. H. (2015). O poderoso NVivo: uma introdução a partir da análise de conteúdo. Revista política hoje, 24(2), 119-134.

Davison, R. M., Ou, C. X. J. & Martinsons, M. G. (2013). Information technology to support informal knowledge sharing. Information Systems Journal, 23 (1), 89-109.

Ding, Y. (2017). Modelling continued use of information systems from a forward-looking perspective: antecedents and consequences of hope and anticipated regret. Information & Management, 5 (4), 461-471.

Drucker, P. F. (1988). The coming of the new organization. Harvard Business Review, 66, 45-53.

Eidizadeh, R., Salehzadeh, R.& Esfahani, A. C. (2017). Analysing the role of business intelligence, knowledge sharing and organizational innovation on gaining competitive advantage. Journal of Workplace Learning, 29 (4), p. 250-267.

Farrow, D.; Reid, M. (2012). O contributo da informação de probabilidade situacional para a habilidade antecipatória. Journal of Science and Medicine in Sport, 15(4), 368-373.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitative. (3. ed). Porto Alegre: Artmed.

Fuller, T. (2016). Anxious relationships: the unmarked futures for post-normal scenarios in anticipatory systems. Technological Forecasting and Social Change, 124, 41-50.

Freitas, H.& Janissek-Muniz, R. (2006). Uma proposta de plataforma para Inteligência Estratégica. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA, 1., 2006, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: GeCIC.

Gatsoris, L. (2012). Competitive intelligence in Greek furniture retailing: a qualitative approach. EuroMed Journal of Business, 7 (3), 224-242.

Gallin, D. (2001). Propositions on trade unions and informal employment in times of globalization. Antipode, 33 (3), 531-549.

Guston, D. H. (2014). Understanding “anticipatory governance”. Social Studies of Science, 44(2), 218-242.

Hirata, H. S. (2004). O universo do trabalho e da cidadania das mulheres: um olhar do feminismo e do sindicalismo. Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT, 2004. 13-20.

Kaye, D. (1995). The importance of information. Management Decision, 33(5), 5-12.

Kestenbaum, N. (2008). Obrigado pela informação que você não me deu! Rio de Janeiro: Elsevier.

Lage, M. C. (2011). Utilização do software NVivo em pesquisa qualitativa: uma experiência em EaD. ETD-Educação Temática Digital, 12(esp.), 198-226.

Leone, E. T.; Baltar, P. (2008). A mulher na recuperação recente do mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Estudos de População, 25 (2), 233-249.

Levet, J. L. (2001). L’intelligence économique: mode de pensée, mode d´action. Paris: Economica, 2001.

Leavy, S. (2007). Análise prospectiva dos agronegócios no município de Pergamino, Buenos Aires, Argentina. 2007. 95 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Agronegócios, Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Lima, J. L. O., & Manini, M. P. (2017). Metodologia para análise de conteúdo qualitativa integrada à técnica de mapas mentais com o uso dos softwares Nvivo e Freemind. Informação & Informação, 21(3), 63-100.

Melo, M. A. N.; Medeiros, D. D. (2007). A model for analyzing the competitive strategy of health plan insurers using a system of competitive intelligence. The TQM Magazine, 19 (3), 206-216.

Menezes, W. F.; Dedecca, C. S. (2014). A informalidade no mercado de trabalho brasileiro: rendimentos e principais características. Revista Nexos Econômicos, 6 (2), 11-42.

Mozzato, A. R.; Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo: ampliando e aprofundando a reflexão sobre a técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 766-775.

Natividade, D. R. da. (2009). Empreendedorismo feminino no Brasil: políticas públicas sob análise. Revista de Administração Pública, 43 (1), 231-256.

Potrich, A. C. G.; Ruppenthal, J. E. (2013). Empreendedorismo na informalidade: um estudo de caso no Shopping Independência de Santa Maria/RS. Revista GEPROS, 9 (3), 145.

Porter, M. E.; Millar, V. E. (1985). How information gives you competitive advantage. Harvard Business Review, 63(4), 149-160.

PHELAN, S. T. (2002). Fads and fashions: the price women pay. Primary Care Update for OB/GYNS, 9 (4), 138-143.

Prescott, J. F.; Miller, S. H. (2002). Proven strategies in competitive intelligence: lessons from the trenches. Hoboken, USA: John Wiley & Sons.

Prodanov, C. C.; Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Rosen, R. (2012). Anticipatory systems: philosophical, mathematical, and methodological foundations. 2nd. ed. In: International Federation for Systems Research International Series on Systems Science and Engineering, 1, 3, 13-370.

Santos, S. M. G.; Gaspar, A. T. F. S.; Schiozer, D. J. (2017). Value of information in reservoir development projects: Technical indicators to prioritize uncertainties and information sources. Journal of Petroleum Science and Engineering, 157, 1179-1191.

Satur, R. V.; Paiva, S. B.; Duarte, E. N. (2017). Informação imperfeita e seu impacto nas estratégias empresariais. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, 11 (2).

Soda, G.; Zaheer, A. (2012). A network perspective on organizational architecture: performance effects of the interplay of formal and informal organization. Strategic Management Journal, 33 (6), 751-771.

Schenatto, F. J. A.; Polacinski, E.; De Abreu, A. F.; De Abreu, P. F. (2011). Análise crítica dos estudos do futuro: uma abordagem a partir do resgate histórico e conceitual do tema. Gestão & Produção, 739-754.

Tapinos, E.; Pyper, N. (2018). Forward looking analysis: Investigating how individuals “do” foresight and make sense of the future. Technological Forecasting and Social Change, 126, 292-302.

Torres, D. F. U. (2015). Análise prospectiva para o setor atacadista de flores e plantas ornamentais no Brasil e suas tecnologias da informação e comunicação. 2015. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Trim, P. R. J.; Lee, Y. I. The role of marketing intelligence officers in strategy formulation and implementation. Handbook of business strategy, 7 (1), 125-130.

TRUJILLO, V. (2003). Pesquisa de mercado qualitativa e quantitativa. São Paulo: Scortecci.

Villerd, S. M.; Hardill, I. (2010). Paris and fashion: reflections on the role of the Parisian fashion industry in the cultural economy. International Journal of Sociology and Social Policy, 30(9-10), 461-471.

Wright, S.; Calof, J. L. (2006). The quest for competitive, business and marketing intelligence: a country comparison of current practices. European Journal of Marketing, 40(5-6), 453-465.

Williams, C. C.; Martinez-Perez, A. (2014). Why do consumers purchase goods and services in the informal economy? Journal of Business Research, 67(5), 802-806.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

Silva, M. S., & de Vasconcelos, C. R. M. (2021). Informação prospectiva: estratégia de ação no comércio informal do vestuário. Revista De Gestão E Secretariado, 12(3), 64–88. https://doi.org/10.7769/gesec.v12i3.1202