De repente professor: uma análise sobre a dupla jornada dos Secretários Executivos atuando como docentes

Juliene do Socorro Cardoso Rodrigues, Raul Vitor Oliveira Paes, Wheeler Wallace Levy Sinezio Costa

Resumo


Para o profissional de secretariado, a docência tem emergido enquanto novo desafio. Considerando essa discussão, o presente trabalho objetivou analisar os benefícios, as dificuldades, semelhanças e diferenças da atuação paralela como secretário executivo (SE) e docente. O referencial teórico foi baseado nas temáticas sobre dupla jornada e trabalho docente, as vertentes de atuação do profissional de secretariado executivo contemporâneo, além de reflexões sobre a figura dos secretários-docentes. O estudo é de cunho exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa e técnica de análise de conteúdo. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário enviado a 11 (onze) profissionais de secretariado que atuam ou já atuaram em dupla jornada. Os resultados evidenciam que os principais benefícios são: intercâmbio de conhecimento, ampliação da rede de relacionamentos, atualização constante e transmissão de experiências profissionais. Entre as dificuldades estão a falta de tempo, desgaste psicológico, cansaço e acúmulo de funções. Quanto às semelhanças identificadas estão responsabilidade, comprometimento, gestão da informação e de pessoas, gestão do tempo e relacionamento interpessoal. As principais diferenças entre as duas atuações residem na flexibilidade da atuação docente e maior autonomia na docência.


Palavras-chave


Docência. Secretariado. Jornada de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, M. T. R. & Garbelini, V. M. P. (2015). O profissional de secretariado e as competências demandadas pela responsabilidade social. Revista Organização Sistêmica, 7(4), p. 22-41.

Ávila Assunção, A. & Andrade Oliveira, D. (2009). Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, 30(107), p. 349-372.

Barbosa, M. A. C. & Mendonça, J. R. C. O Professor-Gestor em Universidades Federais: alguns apontamentos e reflexões. (2014). Teoria e Prática em Administração, 4(2), p. 131-154.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barros, C. M. P., Silva, J. S. da & Lopes, D. M. (2014). A formação do secretário executivo que atua como professor universitário. Revista Capital Científico – Eletrônica (RCCe). 12(4), p. 62-77.

Barros, C. de M. P., Silva, J. S. da & Barros, A. P. da C. H. Ensino com Pesquisa: Contribuições para a Cientificidade na Formação em Secretariado Executivo. (2016). Revista de Gestão e Secretariado, 7(1), p. 67-84.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Brasil. (1989). Código de ética da profissão de secretariado executivo. Diário Oficial da União, 7 jun.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Darcy Ribeiro). Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996, Seção 1, p. 27833.

Brasil. (2005). Resolução n.º 3, de 23 de junho de 2005. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 de junho de 2005, Seção 1, p. 79.

Brasil. (2017). Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF.

Cajado, T. da S., Barros, C. de M. P. & Silva, J. S. da. (2018). Contribuições da monitoria em docência para a formação em secretariado executivo. Revista Expectativa, 17(2), p. 83-106.

Campos, D. C. da S., Sousa, N. B. de, Campos, A. B., Cunha, N. R. da S., Magalhães, E. M. de & Carvalho, R. M. M. A. (2008). Competências Gerenciais Necessárias aos Professores-Gerentes que Atuam em Pró-Reitorias: o caso de uma Instituição Federal de Ensino Superior de Minas Gerais. In: Encontro Nacional da Associação da Pesquisa e Pós-Graduação em Administração, 32, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos. p. 1-16. Recuperado de: www.anpad.org.br/admin/pdf/GPR-A2302.pdf em: 23 abr. 2019.

Chauí, M. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, (24), p. 5-15.

Costa, I. E. & Porto, B. de S. (2016). Formação didática de docentes de Secretariado Executivo nas instituições públicas de ensino superior no Brasil: um estudo observacional. In: Barros, C. de M. P., Silva, J. S. da & Dias, A. M. I. (Org.). Secretariado Executivo e Educação: Temas que se articulam pela formação, docência na Educação Superior e pesquisa científica. Fortaleza: Edições UFC.

Faria, D. S. & Reis, A. C. G. (2008). Docência em Secretariado Executivo. Fazu em Revista. Uberaba, (5), p. 169-174.

Freire, P. (2003). Educação e Atualidade Brasileira. 3. ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T (Org). (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Lima, M. de F. E. M. & Lima-Filho, D. de O. (2009). Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição, 14(3), p. 62-82.

Minayo, M. C. de S. (2004). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: HUCITEC.

Miranda, R. & Tonieto, C. (2018). A docência no Secretariado Executivo na Região Sul do Brasil: traçando um perfil docente. Secretariado Executivo em Revist@, 14, p. 5-15.

Moriconi, L. V. (2014). Pertencimento e identidade. Campinas, SP: [s.n.].

Müller, R., Stece, V. & Cegan, E. (2015). Perfil do (a) profissional de secretariado executivo na gestão contemporânea: evidências a partir dos ingressantes no mercado de trabalho na cidade de Curitiba, e das demandas empresariais. Revista de Gestão e Secretariado - GeSec, 6(3), p. 129-151.

Nóbrega, V. dos S. & Adelino, F. J. da S. (2013). A inclusão do docente de secretariado executivo em programas de pós-graduação stricto sensu: um estudo realizado junto à plataforma Lattes do CNPq. Secretariado Executivo em Revist@, 8, p. 76-88.

Nossa, V. (1999). Formação do corpo docente dos cursos de graduação em Contabilidade no Brasil: uma análise crítica. Caderno de Estudos, (21), p. 1-20.

Oliveira, V. S. & Silva, R. F. (2012). Ser bacharel e professor: dilemas na formação de docentes para a educação profissional e ensino superior. Holos, (2), p. 193-205.

Rasmussen, P. (2015). Professores inspiradores: como alguns educadores conseguem impactar nossas vidas mais do que podemos imaginar. 2015. Recuperado de: https://www.hypeness.com.br/2015/04/professores-inspiradores-como-alguns-educadores-conseguem-impactar-nossas-vidas-mais-do-que-podemos-imaginar/ em: 17 jul. 2019.

Rodrigues, L. M. A., Lavarda, R. A. B. & Martins, C. B. (2017). O profissional de secretariado executivo: gestor de informações no processo de formação da estratégia. Revista Capital Científico – Eletrônica (RCCe), 15(3), p. 1-16.

Sanches, F. C., Cielo, I. D. & Yaegashi, S. F. R. (2018). Formação didático-pedagógica dos bacharéis docentes: uma análise nos cursos de secretariado das instituições públicas de ensino superior do Brasil. Revista Capital Científico - Eletrônica, 16(4), p. 86-104.

Santiago, C. da S. & Silva, W. F. da. (2018). Secretários-docentes: sujeitos fundamentais à consolidação da docência secretarial. Secretariado Executivo em Revist@, 13, p. 143-164.

Silva, J. S., Barros, C. M. P. & Sousa, E. F. de. (2010). Docência em Secretariado Executivo: a valoração da experiência extraclasse. Revista Expectativa, Toledo, 9(9), p.43-60.

Vaz, C. de F. M. (2015). As experiências pedagógicas e a constituição do professor de secretariado executivo: narrativas de docentes. In: Encontro Nacional Acadêmico de Secretariado Executivo, 4., Londrina. Anais eletrônicos. p. 265-282. Recuperado de: https://abpsec.com.br/iv-enasec/anais/anais-do-iv-enasec-encontro-nacional-academico-de-secretariado/ em: 21 jun. 2019.

Tavares, E. D., Alves, F. A., Garbin, L. S., Silvestre, M. L. C. & Pacheco, R. D. (2007). Projeto de qualidade de vida: combate ao estresse do professor. Recuperado de: https://docplayer.com.br/11834444-Projeto-de-qualidade-de-vida-combate-ao-estresse-do-professor.html em: 03 jun. 2020.

Winkel, S., Cassimiro, P. & Scachetti, A. L. (2015). Professor de dia, gestor à noite: Atuação nas duas áreas colabora para que uma prática alimente a outra. Nova Escola, 286 Ed. Recuperado de: https://novaescola.org.br/conteudo/8495/professor-de-dia-gestor-a-noite em: 23 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v12i1.1178

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Juliene do Socorro Cardoso Rodrigues, Raul Vitor Oliveira Paes, Wheeler Wallace Levy Sinezio Costa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia