Intenção empreendedora e a influência das teorias do comportamento planejado e dos valores humanos

Déborah Luiza Marcon, Amélia Silveira, Jucelia Appio Frizon

Resumo


Os empreendedores destacam-se como agentes de fortalecimento das economias locais pelo seu poder de promover o crescimento econômico ligado aos seus negócios. Investigar a formação da Intenção Empreendedora (IE) é determinante para o entendimento do processo de empreendedorismo. Baseando-se na Teoria do Comportamento Planejado (TCP) de Ajzen (1991) e na Teoria dos Valores Humanos de Schwartz (2001), este trabalho objetivou identificar a influência do comportamento planejado e dos valores humanos na IE de estudantes universitários de 11 instituições de ensino do Sudoeste do Paraná. O universo de pesquisa abrangeu os discentes do 3° e 4° anos dos cursos de Administração. Para coleta dos dados utilizou-se um questionário composto pelos itens: Sociodemográfico; Questionário de Perfis de Valores (QPV) de Schwartz (2001); Questionário de Intenção Empreendedora (QIE) de Liñán e Chen (2009); e três itens da Escala de Intenção Empreendedora de Thompson (2009). Por meio da análise de Regressão Linear Múltipla, os resultados evidenciaram que o constructo Atitudes Pessoais, da TCP, mostrou-se como o mais influente, na IE, em relação aos demais. Percepção de Controle do Comportamento posicionou-se em segundo lugar. Para os constructos da Teoria dos Valores Humanos, os valores de autopromoção se mostraram significativos, desempenhando influência positiva na IE dos alunos pesquisados. O modelo baseado na TCP permitiu explicar 51,1% da variância da IE, o que constitui um valor médio. O modelo dos valores humanos adicionados permitiu explicar 51,8% da variância na IE. Esta pesquisa evidenciou ainda, o fator regionalidade, possibilitando futuros estudos comparativos entre estados e regiões brasileiras.


Palavras-chave


Intenção Empreendedora; Teoria do Comportamento Planejado (TCP); Teoria dos Valores Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


Ajzen, I. (1987). Attitudes, traits, and actions: Dispositional prediction of behavior in social psychology. In L. Berkowitz (Ed.), Advances in experimental social psychology (v. 20, pp. 1-6). San Diego: Academic Press.

Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Organizational and Human Decision Processes, 50(12), 179-211.

Ajzen, I. (2001). Nature and operation of attitudes. Annual Review of Psychology, 52, 27-58.

Ajzen, I. (2002). Perceived behavioral control, self-efficacy, locus of control, and the theory of planned behavior. Journal of Applied Social Psychology, 32(1), 1-20.

Ajzen, I. (2005). Attitudes, personality and behavior (2nd ed.). England: Open University Press, McGraw-Hill.

Ajzen, I. (2011). Behavioral interventions: Design and evaluation guided by the theory of planned behavior. In M. M. Mark, S. I. Donaldson, & B. Campbel (Eds.), Social Psychology and Evaluation (pp. 72-100). New York: Guilford Press.

Ajzen, I., & Fishbein, M. (2000). Attitudes and the attitude-behavior relation: Reasoned and automatic processes. In E. W. Stroebe, & M. Hewstone (Orgs.), European Review of Social Psychology (v. 11, pp. 1-33). New York: John Wiley & Sons.

Almeida, G. O. (2013). Valores, atitudes e intenção empreendedora: Um estudo com universitários brasileiros e cabo-verdianos (Tese de Doutorado, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, Brasil).

Araújo, E. G., & Bayon, M. C. (2017). Fatores socioculturais e o empreendedorismo dos jovens nas regiões rurais. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 19(64), 200-218.

Arce, J. L. H. (2019). Propuesta y comprobación de una extensión del modelo de valores personales de Schwartz (1992) y evaluación de la utilidad predictiva en el consumo. (Tese de Doutorado, Universidad de Murcia, Múrcia, Espanha).

Bittencourt, A. C. (2019). A influência das práticas empreendedoras de uma universidade na formação de ecossistemas de inovação: Um estudo à luz da teoria do trabalho institucional. (Tese de Doutorado, Universidade do Vale dos Sinos, São Leopoldo, Brasil).

Corrêa, J. C. S., Silveira, R. L. L., & Brochier, R. B. (2019). Sobre o conceito de desenvolvimento regional: Notas para debate [Edição especial]. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional G&DR, 15(7), 3-15.

Couto, C. L. P., Mariano, S. R. H., & Mayer, V. F. (2010). Medição da intenção empreendedora no contexto brasileiro: Desafios da aplicação de um modelo internacional. Anais do Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, 34.

Elfving, J., Brännback, M., & Carsrud, A. (2009). Toward a contextual model of entrepreneurial intentions. In A. Carsrud, & M. Brännback (Eds.), Understanding the entrepreneurial mind: Opening the black box (pp. 23-33). New York: Springer.

Fayolle, A., & Liñán, F. (2014). The future of research on entrepreneurial intentions. Journal of Business Research, 67, 663-666.

Fernandes, N. P., D’Avila, L. C., Cruz, A. P. C., & Pereira, E. F. Z., Jr. (2020). Quem é o empreendedor? A busca por uma definição do conceito através da produção científica brasileira. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 7(3), 27-62.

Ferreira, A., Loiola, E., & Gondim, S. M. (2017). Preditores individuais e contextuais da intenção empreendedora entre universitários: Revisão de literatura. Cadernos Ebape.BR, 15(2), 292-308.

Fragoso, R., Rocha-Junior, W., & Xavier, A. (2019). Determinant factors of entrepreneurial intention among university students in Brazil and Portugal. Journal of Small Business & Entrepreneurship, 2169-2610. http://dx.doi.org/10.1080/08276331.2018.1551459

Franco, J. O. B., & Gouvêa, J. B. (2017). A cronologia dos estudos sobre o empreendedorismo. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(2), 553-574.

Galvão, A. R. (2019). A importância da formação em empreendedorismo no desenvolvimento regional: O programa de empreendedorismo na região do sabor. (Tese de Doutorado, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal).

Garcez, A. P. B. (2019). Efeitos dos fatores cognitivos e psicológicos em ambiente de praxe académica na intenção empreendedora: Um estudo aplicado à FCSH da UBI (versão final após defesa). (Dissertação de Mestrado, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal).

Jie, S., & Harms, R. (2017). Cross-cultural competences and international entrepreneurial intention: A study on entrepreneurship education. Education Research International, 17(1), 1-12.

Joseph, I. (2017). Factors influencing international student entrepreneurial intention in Malaysia. American Journal of Industrial and Business Management, 7, 424-428.

Kasuma, J., Sapenee, M. K., Naimullah, B. S. S., Rahman, D. H. A. A., & Adenan, M. A. B. (2019). Personal capabilities and social factor towards entrepreneurial intention: Empirical evidence of science and technology undergraduate students. Journal of International Business, Economics and Entrepreneurship, 4(1).

Krueger, N. F., Reilly, M. D., & Carsrud, A. L. (2000). Competing models of entrepreneurial intentions. Journal of Business Venturing, 15, 411-432.

Liñán, F., & Chen, Y. W. (2009). Development and cross-cultural application of a specific instrument to measure entrepreneurial intentions. Entrepreneurship Theory and Practice, 33 (3), 593-617.

Liñán, F., & Fayolle, A. (2015). A systematic literature review on entrepreneurial intentions: Citation, thematic analyses, and research agenda. International Entrepreneurship and Management Journal, 11(4), 907-933.

Liñán, F., Nabi, G., & Krueger, N. (2013). British and Spanish entrepreneurial intentions: A comparative study. Revista de Economia Mundial, 33, 73-103.

Liñán, F., Urbano, D., & Guerrero, M. (2011). Regional variations in entrepreneurial cognitions: Start-up intentions of university students in Spain. Entrepreneurship & Regional Development, 23(3/4), 187-215.

Marcon, D. L., Silveira, A., & Frizon, J. A. (2020). Empreender ou não? Fatores condicionantes da intenção empreendedora. Revista de Administração FACES Journal, 20(1). http://dx.doi.org/10.21714/1984-6975FACES2020V19N1ART7526

Martins, T. O., Sales, D. R., & Reis, M. T., Neto. (2020). A influência dos valores e crenças no comportamento humano. Brazilian Journal of Development, 6(1), 2698-2711.

Martins, F. S., Santos, E. B. A., & Silveira, A. (2019). Entrepreneurial intention: Categorization, classification of constructs and proposition of a model. Brazilian Business Review, 16, 46-62.

Melo, F. L. N. B., Silva, R. R., & Almeida, T. N. V. (2019). Gênero e empreendedorismo: Um estudo comparativo entre as abordagens ‘Causation e Effectuation’. Brazilian Business Review, 16(3). http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2019.16.3.5

Monteiro, M. M. L., Silva, G. B., Sousa, F. R. L., & Melo, C. X. (2020). Intenção empreendedora e formação acadêmica: Um estudo com acadêmicos de administração em uma instituição pública. Research, Society and Development, 9(1), e115911736.

Moriano, J. A., Gorgievski, M. J., Laguna, M., & Stephan, U. (2012). A cross-cultural approach to understanding entrepreneurial intention. Journal of Career Development, 39(2), 162-185.

Moriano, J. A., Palací, F. J., & Morales, J. F. (2006). Adaptación y validación en España de la escala de autoeficácia emprendedora. Revista de Psicología Social, 21(1), 51-64.

Nguyen, C. (2017). Entrepreneurial intention of international business students in Viet Nam: A survey of the country joining the trans-pacific partnership. Journal of Innovation and Entrepreneurship, 6(7), 1-13.

Oliveira, B. M. F., Vieira, D. A., Laguía, A., Moriano, J. A., & Soares, V. J. S. (2016). Intenção empreendedora em estudantes universitários: Adaptação e validação de uma escala (QIE). Avaliação Psicológica, 15(2), 187-196.

Olmos, R. E., & Castilho, A. S. (2015). Personality traits versus work values: Comparing psychological theories on entrepreneurial intention. Journal of Businees Research, 68(7), 1595-1598.

Ozaralli, N., & Rivenburgh, N. K. (2016). Intenção empreendedora: Antecedentes do comportamento empresarial nos EUA e na Turquia. Journal of Global Entrepreneurship Research, 6(3).

Paiva, L. E. B., Sousa, E. S., Lima, R. C. B., & Silva, D. (2020). Comportamento planejado e crenças religiosas como antecedentes da intenção empreendedora: Um estudo com universitários. Revista de Administração Mackenzie, 21(2).

Pecly, P. H. D., & Ribeiro, P. C. C. (2015). A influência da cultura empreendedora no empreendedorismo dos países do BRICS: Uma revisão bibliográfica. Anais do Congresso nacional de excelência em gestão, 11. Recuperado de http://www.inovarse.org/sites/default/files/T_15_443.pdf

Porto, J. B., & Tamayo, A. (2005). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes.

Renzi, A., Henz, A. P., & Rippel, R. (2019). Desenvolvimento econômico: Do crescimento à prosperidade. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional G&DR, 15(6), 65-77.

Rueda, S., Moriano, J. A., & Liñán, F. (2015). Validating a theory of planned behavior questionnaire to measure entrepreneurial intention. In A. Fayolle, P. Kyrö, & F. Liñán (Eds.), Developing, shaping and growing entrepreneurship (pp. 68-78). Cheltenham: Edward Elgar.

Saffu, K. (2003). The role and impact of culture on south pacific island entrepreneurs. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, 9(2), 55-73.

Santos, C. C., Teston, S. F., Zawadski, P., Lizote, S. A., & Machado, H. P. V. (2020). Capacidade absortiva individual e intenção empreendedora em sucessores de propriedades rurais. Revista de Administração Mackenzie, 21(3). http://dx.doi.org/10.1590/1678-6971/eramr200045

Santos, E. I., Sá Barreto, R. C., & Guzman, S. J. M. (2017). Modelo estrutural para os fatores determinantes da oferta de empreendedores criativos: Ilhéus e Itabuna. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(1), 160-195.

Schaefer, R., Nishi, J. M., Grohmann, M. Z., Löbler, M. L., & Minello, I. F. (2017). Valores pessoais, atitudes e intenção empreendedora: Um estudo com estudantes de graduação em administração. Revista Economia & Gestão, 17(47), 123-143.

Schumpeter, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico: Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Schwartz, S. H. (1994). Are there universal aspects in the structure and contents of human values? Journal of Social Issues, 50, 19-45.

Schwartz, S. H. (2001). ¿Existen aspectos universales en la estructura y contenido de los valores humanos? In M. Ros, & V. V. Gouveia (Coord.), Psicología social de los valores humanos (pp. 53-77). Madrid: Biblioteca Nueva.

Schwartz, S. H. (2005). Validade e aplicabilidade da teoria de valores. In J. B. Porto, & A. Tamayo (Orgs.), Valores e comportamentos nas organizações (pp. 56-92). Rio de Janeiro: Vozes.

Schwartz, S. H. (2006). Basic human values. An overview. Technical report. The Hebrew University of Jerusalem. Recuperado de http://www.yourmorals.org/schwartz.2006.basic%20human%20values.pdf

Schwartz, S. H. (2012). An overview of the Schwartz theory of basic values. Online Readings in Psychology and Culture, 2, 2012.

Schwartz, S. H., Cieciuch, J., Vecchione, M., Torres, C., Dirilemgumus, O., & Butenko, T. (2017). Value tradeoffs and behavior in five countries: Validating 19 refined values. European Journal of Social Psychology, 47(3), 241-258.

Silva, A. W. P., Oliveira, B. N. F., Castro, A. B. C., Silva, P. M. M., & Veiga, A. R., Neto. (2020). Comportamento empreendedor: Um mapeamento da produção científica nacional (2000-2020) e proposição de uma agenda de pesquisa. Revista de Administração Unimep, 18(1), 155-191.

Silveira, A., Bizarrias, F. S., & Carmo, H. M. O. (2017). Entrepreneurial intention of participants of the startup weekend: Longitudinal analysis. International Journal of Advances in Management and Economics, 6, 90-102.

Silveira, A., Ferreira, C. C., Silvente, G. A., & Cunha, J. J. C. (2017). Factors and approaches of entrepreneurial intention. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(2), 263-290.

Sousa, E. S. (2020). Orientação religiosa, valores pessoais e intenção empreendedora: evidências empíricas no Brasil e em Portugal. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil).

Sousa, E. S., Fontenele, R. E. S., Silva, A. L. L., & Sousa, J. M., Filho. (2019, setembro-dezembro). Mapeamento da produção científica internacional sobre intenção empreendedora. Revista GeSec, 10(3), 114-139. http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v10i3.901

Sousa, M. M. M. (2020). Valores humanos e jeitinho brasileiro: Uma análise da transmissão de pais para filhos. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil).

Souza, R. S., & Silveira, A. (2018). Intención emprendedora en contexto universitario brasileño. Revista Gestão Universitária da América Latina, 11, 297-318.

Souza, R. S., Silveira, A., & Nascimento, S. (2018). Ampliando a mensuração da intenção empreendedora. Revista de Administração Faces Journal, 17, 74-93.

Streiner, D. L. (2003). Being inconsistent about consistency: When coefficient alpha does and does not matter. Journal of Personality Assessment, 80, 217-222.

Thompson, E. R. (2009, May). Individual entrepreneurial intent: Construct clarification and development of an internationally reliable metric. Entrepreneurship Theory and Practice, 33(3), 669-694.

Vanevenhoven, J. (2013, July). Advances and challenges in entrepreneurship education. Journal of Small Business Management, 51 (3), 466-470.

Vasconcelos, V. N. S. A., Pedron, C. D., Silveira, A., & Andrade, D. C. T. (2020, janeiro). Intenção empreendedora, comportamento empreendedor inicial e Teoria Sociocognitiva do Desenvolvimento de Carreira. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(1), 159-188.

Watchravesringkan, K., Hodges, N. N., Yurchisin, J., Hegland, J., Karpova, E., Marcketti, S., & Yan, R.-n. (2014). Modeling entrepreneurial career intentions among undergraduates: An examination of the moderating role of entrepreneurial knowledge and skills. Family and Consumer Sciences Research Journal, 41(3), 325-342.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v12i1.1150

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Déborah Luiza Marcon, Amélia Silveira, Jucelia Appio Frizon

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia