O trabalho dentro da casa ou a casa dentro do trabalho? Um estudo com mulheres (trabalhadoras em domicílio e empreendedoras) do setor de lingerie em Minas Gerais

Marina Kraiser, Carolina Maria Mota-Santos

Resumo


Este estudo tem como objetivo conhecer o trabalho de mulheres (faccionistas e empreendedoras) que vivem em um pequeno município produtor de moda íntima no Norte de Minas, buscando identificar questões relacionadas ao trabalho feminino. Para tal, foi feito um panorama teórico acerca do tema trabalho feminino, recorrendo a autores que consideram o trabalho a partir da dimensão social. A pesquisa é qualitativa, realizada por meio de estudos de casos múltiplos com dois grupos de mulheres: trabalhadoras em domicílio e empreendedoras da cadeia produtiva de moda íntima, todas no pequeno município de Taiobeiras/MG. Os resultados da pesquisa indicam que, nos dois grupos de mulheres, essas mulheres são marcadas por forte identificação com o trabalho, pela manutenção de papéis tradicionais da mulher, ligados ao casamento e à maternidade, além de sentimentos de sobrecarga e culpa. Entre as empreendedoras, destacam-se características como orgulho, satisfação e autoconfiança. Entre as trabalhadoras em domicílio, verificou-se identidades menos autônomas e dificuldade em conquistar independência financeira e emocional. Os resultados também demonstram que o trabalho passa a ser um propulsor para mudanças sociais e questionamentos acerca do lugar social da mulher em um ambiente de baixa escolaridade e economia pouco diversificada. Aos estudos sobre trabalho feminino, no campo da Administração, esta pesquisa contribui ao colocar em perspectiva discussões sobre o conflito trabalho-família. Ao jogar luz a uma experiência fora dos grandes centros e das empresas tradicionais, vê-se outra relação com a percepção do que seja o lugar social da mulher.


Palavras-chave


Trabalho domiciliar; Mulher empreendedora; Papéis sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes, C. V., Carvalho Neto, A. M., Lima-Souza, É. C. P., & Mota-Santos, C. M. (2018). O que eles pensam sobre elas? Representações sociais da mulher executiva. Revista Alcance, 25, 349–365.

Araújo, A. M. C., & Amorim, E. R. A. (2002). Redes de subcontratação e trabalho a domicílio na indústria de confecção: um estudo na região de campinas. Cadernos Pagu [Online], 17–18, 267–310

Barbosa, F. C., Carvalho, C. F. de, Simões, G. M. de M., & Teixeira, R. M. (2011). Empreendedorismo feminino e estilo de gestão feminina: estudo de casos múltiplos com empreendedoras na cidade de Aracajú – Sergipe. Rmpe - Faccamp, 5(2), 124–141.

Bardin, L. (2012). Análise de conteúdo. São Paulo. Edições 70.

Boris, E. (2014). Produção e reprodução, casa e trabalho. Tempo Social - Regista de Sociologia Da USP, 26(1).

Brandão, A. M., Marques, A. P., & Lamela, R. (2019). Gênero, empreendedorismo e autonomização profissional. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, 13(35), 2963–2991. https://doi.org/10.21171/ges.v13i35.2529

Carvalhal, T. B. (2005). Trabalho produtivo a domicílio e trabalho reprodutivo doméstico em Marechal Cândido Rondon (PR): horizontalização do capital e as novas expressões da dinâmica territorial do trabalho precarizado feminino no século XXI. Revista Pegada (Vol. 6).

Carvalhal, T. B. (2012). A descentralização da produção por meio do trabalho domiciliar em Terra Roxa/PR. Revista Pegada, 10(1).

Carvalhal, T. B., & Thomaz Júnior, A. (2012). O trabalho domiciliar das mulheres em Terra Roxa/PR: o caracol reencontra sua concha. Revista Pegada (Vol. 13). Presidente Prudente/SP.

Castells, M. (1999). Paraísos comunais: identidade e significado na sociedade em rede. In O poder da identidade - Volume II. São Paulo: Paz e Terra.

Cramer, L., Cappelle, M. C. A., Andrade, Á. L. S., & Brito, M. J. de. (2012). Representações femininas da ação empreendedora: uma análise da trajetória das mulheres no mundo dos negócios. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 1(1), 53–71.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review, 14(4).

Eisenhardt, K. M., & Graebner, M. E. (2007). Theory building from cases: Opportunities and challenges. Academy of management journal. Academy of Management Journal, 50(1), 25–32.

Enoque, A. G., Borges, A. F., & Saraiva, L. A. S. (2015). “Minha casa, meu trabalho...”: trabalho domiciliar na indústria de confecções de Goiás. Teoria e Prática Em Administração, 5(1), 130–158.

Ferreira, J. B., Sadiyama, A. S. P., Correia, A. F. C., & Gomes, P. A. T. de P. (2015). Diversidade e gênero no contexto organizacional: um estudo bibliométrico.

Ferreira, J. M., & Nogueira, E. E. S. (2012). Mulheres e suas histórias: razão, sensibilidade e subjetividade no empreendedorismo feminino. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 17(1), 398–417.

Gomes, A. F., Santana, W. G. P., & Araújo, U. P. (2009). Empreendedorismo feminino: o estado-da-arte. In XXXIII Encontro da Anpad (pp. 1–16). São Paulo.

Guiraldelli, R. (2012). Adeus à divisão sexual do trabalho?: desigualdade de gênero na cadeia produtiva da confecção. Sociedade e Estado, 27(3), 709–732. https://doi.org/10.1590/S0102-69922012000300014

Gupta, V. K., Turban, D. B., Wasti, S. A., & Sikdar, A. (2009). The role of gender stereotypes in perceptions of entrepreneurs and intentions to become an entrepreneur. Entrepreneurship: Theory and Practice, 33(2), 397–417. https://doi.org/10.1111/j.1540-6520.2009.00296.x

Greenhaus, J. H., & Beutell, N. J. (1985). Sources of conflict between work and family roles. The Academy of Management Review, 10(1), 76–88.

IDENE/SUDENE. (2013). PESI - NNE - Plano estratégico de integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais. Belo Horizonte.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Brasil em Síntese. Rio de Janeiro. Retrieved from https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/taiobeiras/panorama

Jazar, F. W., Ferreira, J. M., Rese, N., & Miliorini, L. K. (2013). O significado de ser mulher e empreendedora da área rural no Brasil. XL Encontro Da Anpad, 1–16.

Johnson, S. K., Murphy, S. E., Zewdie, S., & Reichard, R. J. (2008). The strong, sensitive type: effects of gender stereotypes and leadership prototypes on the evaluation of male and female leaders. Organizational Behavior Ans Human Decision Processes, 106, 39–60. https://doi.org/10.1016/j.obhdp.2007.12.002

Jonathan, E. G. (2005). Mulheres empreendedoras: medos, conquistas e qualidade de vida. Psicologia Em Estudo, 10(3), 373–382. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000300005

Korn/Ferry. (2002). What women want in business: a survey of executives and entrepreneurs. Retrieved from https://www8.gsb.columbia.edu/sites/entrepreneurship/files/files/kfstudy-2.pdf

Lavinas, L., Sorj, B., Barsted, L. L., & Jorge, A. (2000). Trabalho a domicílio: novas formas de contratualidade. In Texto para discussão no 177. Rio de Janeiro: IPEA.

Lima, G. S., Carvalho Neto, A. M., Lima, M. S., Tanure, B., & Versiani, F. (2014). O teto de vidro das executivas brasileiras. Revista Pretexto, 14(4), 65–80.

Lima, G. S., Lima, M. S., & Tanure, B. (2009). Os desafios da carreira da mulher executiva no Brasil. II Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, 1–15.

Machado, H. V. (2002). Identidade empreendedora de mulheres no Paraná. Universidade Federal de Santa Catarina.

Martins, F. R. (2013). Identidade e estudos organizacionais: em direção a um novo paradigma? Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 11, 62–82.

Melo, F. L. N. B., & Silva, Rafael Rodrigues; Almeida, T. N. V. (2019). Gênero e empreendedorismo: um estudo comparativo entre as abordagens causation e effectuation. Brazilian Business Review.

Mota-Santos, C. M., Carvalho Neto, A. M., Caeiro, M., Versiani, F., & Martins, M. G. (2016). As mulheres estão quebrando as três paredes de vidro? Um estudo com empreendedoras mineiras. E&G Economia e Gestão, 16.

Mota-Santos, C. M., Tanure, B., & Carvalho Neto, A. M. (2015). Fatores que interferem no crescimento das mulheres profissionais nas organizações: entre o prazer e a culpa. In Andrade, Juliana Oliveira Carvalho Neto, Antônio Moreira (org). Mulheres profissionais e suas carreiras sem sensura - estudos sob diferentes abordagens. São Paulo: Atlas.

Mota-Santos, C., Neto, A. C., Oliveira, P., & Andrade, J. (2019). Enforcing the social contribution of gender : the qualified female public servant versus the female executive, 53(1), 101–123.

Neves, M. de A. (2006). Trabalho e gênero: permanências e desafios. Sociedade e Cultura, 9(2), 257–266.

Neves, M. de A., & Pedrosa, C. M. (2007). Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicílio na indústria de confecções. Sociedade e Estado, 22(1), 11–34.

Nunes, J. H. (2006). Precarização, trabalho doméstico e trabalho domiciliar no setor de confecções em Goiânia. 30º Encontro Anual da ANPOCS.

Oliveira, A. R., Gaio, L. E., & Bonacim, C. A. G. (2009, October 14). Relações de gênero e ascensão feminina no ambiente organizacional: um ensaio teórico. Revista de Administração Da UFSM, 2(1), 80–97

OIT. (2016). Women at work. Geneva: ILO - International Labour Organization. Retrieved from http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_457317.pdf

Rocha-Coutinho, M. L. (1999). Behind Curtains and Closed Doors : Brazilian Women in Family Relations. Feminism & Psychology, 9(3), 373–380.

Mota-Santos, C. M., Tanure, B., & Carvalho Neto, A. M. (2014). Mulheres executivas brasileiras: o teto de vidro em questão. RAD - Revista Administração Em Diálogo, 16(3), 56–75.

Ridder, H., Hoon, C., & Mccandless, A. (2009). The theoretical contribution of case study research to the field of strategy and management. Research Methodology in Strategy and Management (Vol. 5). Elsevier. https://doi.org/10.1108/S1479-8387(2009)0000005007

Santos, H. B., Fernandes, T., & Mantovani, D. M. N. (2016). A inclinação do casal ante as demandas de carreira e femília: o que revela os dados da pesquisa nacional por amostra de domicílio (PNDA). XL Enanpad, 1–20.

Silva, J. V. A. (2006). A relação trabalho e família de mulheres empreendedoras. Revista Perspectivas Contemporaneas, 1(1), 1–18.

Souza, A. C. M. B. M., Sá, R. G. Q., & Lemos, A. H. C. (2019). Em Busca do Equilíbio: O Debate Atual sobre o Conflito Trabalho-Família nos Periódicos Científicos Brasileiros. Revista de Gestão e Secretariado, 10(3), 89-113.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22(44).

Whetten, D. A. (David A., & Godfrey, P. C. (1998). Identity in organizations: building theory through conversations. Sage Publications.

Yin, R. K. (2010). The Case Study Crisis: Some answers. Administrative Science Quarterly, 26.

Yip, C. M., & Wong, R. S.-K. (2014). Gender-oriented statistical discrimination theory: Empirical evidence from the Hong Kong labor market. Research in Social Stratification and Mobility, 37, 43–59. https://doi.org/10.1016/j.rssm.2013.11.004




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v12i1.1138

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Marina Kraiser, Carolina Maria Mota-Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia