Engrenagens e extensões do corpo feminino: a mulher ciborgue no trabalho

Karine Freitas Souza

Resumo


Profissões “femininas” exigiram conhecimentos sobre as tecnologias dos escritórios nos séculos XX e XXI. As secretárias sempre foram representadas em relações “amorosas” com estas máquinas. Considerando tais informações, perguntamo-nos: quais as relações existentes entre mulheres trabalhadoras, em particular, secretárias, e as tecnologias em escritórios manifestas na ficção dos quadrinhos e filmes? Este trabalho objetiva realizar uma breve análise, a partir do Manifesto Ciborgue de Donna Haraway (2013), sobre como astecnologias atuaram na condição de engrenagens e extensões do corpo das secretárias nos quadrinhos e filmes.No tocante à abordagem, o estudo é qualitativo; quanto aos objetivos, ele é exploratório e, por fim, quanto aos procedimentos técnicos adotados, tem-se que ele é documental e bibliográfico. Com base nas análises realizadas, foi possível perceber que as mulheres representadas nas ficções gráficas e cinematográficas analisadas neste trabalho podem ser consideradas ícones ciborgues sob a perspectiva do Manifesto Ciborgue.


Palavras-chave


Mulheres; Ciborgue; Tecnologia; Quadrinhos e Filmes.

Texto completo:

PDF

Referências


Baudrillard, J. (1991). Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio d’Água.

BBC. (2013). The arrival of women in the office. Recuperado em 20 maio, 2020, de http://www.bbc.co.uk/news/magazine-23432653

Beauvoir, S. (1980). O Segundo sexo. v. 1. Fatos e mitos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Benét, M. K. (1975). El ghetto de las secretarias. Barcelona: Editorial Kairós S. A.

Cineclick. (2013). A Datilógrafa. Ficha do Filme. Recuperado em 10 maio, 2020 dehttp://www.cineclick.com.br/a-datilografa

Comicvine. (2013). Hello, Anita. Recuperado em 20 julho, 2013, dehttp://www.comicvine.com/hello-anita-1-hello-anita/4000-333675/

Crepax, G. (1980). Hello, Anita! Italia: Edizioni L´Isola Trovata.

Crepax, G. (1988). Anita in Diretta. Itália: Editora Olympia Press.

Estadão. (2019). Reclames do Estadão. Recuperado em 21 novembro, 2019, dehttp://blogs.estadao.com.br/reclames-do-estadao/tag/escrever/page/3/

Encantes. (2016). Filme: A Datilógrafa (Populaire, 2013). Recuperado em 05 junho, 2020, de https://encantes.blogspot.com/2016/06/filme-datilografa-populaire-2013.html

Garcia, C. C. (2011). Breve história do feminismo. São Paulo: Claridade.

Haraway, D. (2013). Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In Kunzru, H. (org.). Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica.

Lucchetti, M. A. (2001). As sedutoras dos quadrinhos. São Paulo: Editoractiva Produções Artísticas.

Marx, K. (1996). Os economistas. Recuperado em 21 abril, 2020, dehttp://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_fontes/acer_marx/ocapital-1.pdf

Montezuma, H. (1960). Manual da secretária moderna. Rio de Janeiro: Ediouro.

Moviepilot. (2013). Pôster do filme Populaire. Recuperado em 19 maio, 2020, dehttp://www.moviepilot.de/movies/mademoiselle-populaire/images

Natalense, L. (1998). A secretária do futuro. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Nye, A. (1995). Teorias feministas e as filosofias do homem. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos.

Parafilia. (2020). In Priberam da Língua Portuguesa, recuperado em 05 junho, 2020, de https://dicionario.priberam.org/parafilia

Plant, S. (1999). Mulher digital: o feminino e as novas tecnologias. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos tempos.

Peccin Junior, M. A. (2018). Revista Oitenta: Projeto Editorial e Cultura Política na Redemocratização (1979 – 1984). Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, SC, Brasil.

Perrot, M. (1998). Mulheres públicas. São Paulo: Fundação Editora da UNESP.

Perrot, M. (2005). As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru, SP: EDUSC.

Powertyping. (2013). Datilógrafa do início do Século XX. Recuperado em 25 maio, 2020, de http://www.powertyping.com/dvorak/keyboard.html

Puhl, P. & Amaral, A. (2008). O feminino na tecnologia: uma proposta de leitura dos androides de Blade Runner a partir de Donna Haraway. Recuperado em 20 maio, 2020, dehttp://www.bocc.ubi.pt/pag/puhl-paula-amaral-adriana-feminino-na-tecnologia.pdf

Rainho, O. (1970). Curso de Secretariado Executivo. Rio de Janeiro: Fórum Editora.

Roinsard, R. (Direção). (2013). Populaire. [Filme cinematográfico]. França. Bélgica: Les Productions du Tresor.

Scott, R. (Direção). (1991). Blade Runner: o caçador de andróides. [Filme cinematográfico]. Los Angeles: Warner Brothers.

Sousa, K. F. (2006). Secretariado Executivo: uma perspectiva histórica da profissão. Dissertação de mestrado, Universidade Salvador, Salvador, BA, Brasil.

Spivak, G. C. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.

Wolf, N. (1992). O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v12i1.1125

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Karine Freitas Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia