Vivências de assédio moral na Pós-Graduação: relatos de docentes e discentes

Thiago Soares Nunes

Resumo


O meio acadêmico e de pesquisa são ambientes que manifestam situações de assédio moral, seja pelo abuso de poder, pressões e cobranças, vaidades/ego ou pela recusa de diferença. Esta pesquisa objetivou identificar as práticas de assédio moral vivenciadas por servidores docentes e discentes vinculados aos Programas de Pós-Graduação stricto sensu de uma Universidade da região sul brasileira. A pesquisa teve uma abordagem mista (quanti-quali). Para tanto foi aplicado um questionário online (126 respostas) e realizado entrevistas semiestruturadas (7) com docentes e discentes da Pós-Graduação. Foram realizadas análises descritivas dos dados e também análise de conteúdo. Verificou-se a ocorrência de situações de assédio relacionado ao trabalho (por exemplo, opiniões e pontos de vista ignorados, sobrecarga de trabalho), assédio pessoal (ser ignorado/excluído; humilhado ou ridicularizado; comentários ofensivos sobre o indivíduo) e, em menor escala, assédio por intimidações físicas ou sexual (gritaram com você/agressividade gratuita; comportamentos intimidativos). Tanto docentes quanto discentes experienciaram situações como estas de forma frequente. Observou-se que as agressões sofridas pelos discentes partem principalmente dos docentes durante a aula ou em orientações, sendo que no ambiente de aula as agressões são dirigidas aos alunos de forma geral. Já os docentes são alvos majoritariamente dos próprios colegas. Por fim, o assédio moral é uma prática frequente na Pós-Graduação, a qual naturaliza determinados comportamentos hostis pois estes fazem parte “da formação do discente”. Logo, cada vez mais deve-se debater sobre o tema neste ambiente com objetivo de reduzir e eliminar determinadas “crenças” e práticas.

Palavras-chave


Assédio moral; Universidade; Pós-Graduação; Docente; Discente.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

Barreto, M. (2005) Assédio Moral: a violência sutil. Análise epidemiológica e psicossocial no trabalho no Brasil (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

Barreto, M., & Heloani, R. (2015). A discussão do assédio moral em organizações públicas e sindicais: situando o debate. In M. L. Emmendoerfer, S. R., Tolfo, & T. S. Nunes (Org.). Assédio moral: em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 31-51). 1. Ed. Curitiba, PR: ed. CRV.

Coutinho, M. C., Magro, M. L. P. D., & Budde, C. (2011). Entre o prazer e o sofrimento: um estudo sobre os sentidos do trabalho para professores universitários. Psicologia: teoria e prática, 13(2), 154-167.

Creswell, J. W., & Clark, V. L. (2013). Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto Alegre: Penso.

Einarsen, S. (2005). The nature, causes and consequences of bullying at work: The Norwegian experience. Pistes, 7(3), 1-14.

Einarsen, S., Hoel, H., & Notelaers, G. (2009). Measuring exposure to bullying and harassment at work: Validity, factor structure and psychometric properties of the Negative Acts Questionnaire-Revised. Work & Stress, 23(1), 24-44.

Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (2003). The concept of bullying at work: the European tradition. In Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (Eds.). Bullying and Emotional Abuse in the Workplace: International perspectives in research and practice (pp. 3-30). London: Taylor & Francis.

Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (2011). The concept of bullying and harassment at work: The European tradition. In S. Einarsen, H. Hoel, D. Zapf, & C. L. Cooper (Eds.). Bullying and harassment in the workplace: Developments in theory, research, and practice (pp. 3-39). London: Taylor & Francis.

Freitas, M. E. (2001). Assédio Moral e Assédio Sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas – RAE, 41(2), 2001.

Freitas, M. E., Heloani, R., & Barreto, M. (2008). Assédio moral no trabalho. Cengage Learning, São Paulo.

Gosdal, T. C., Soboll, L. A. P., Schatzmam, M., & Eberle, A. D. (2009). Assédio Moral Organizacional: esclarecimentos conceituais e repercussões. In T. C. Gosdal & L. A. P. Soboll (Orgs.). Assédio Moral Interpessoal e Organizacional: um enfoque interdisciplinar (pp. 33-41). São Paulo: LTr.

Heloani, R., & Barreto, M. (2015). Assédio moral nas relações sociais no âmbito das instituições públicas. In: J. A. P. GEDIEL, E. F. Silva, F. Zanin, & L. E. Mello (Orgs). Estado, poder e assédio: relações de trabalho na administração pública (pp. 145-162). Curitiba: Kairós Edições

Heloani, R., & Barreto, M. (2018). Assédio moral: Gestão por humilhação. Curitiba, Juruá.

Hirigoyen, M-F. (2006). Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hirigoyen, M-F. (2008). Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Levecque, K., Anseel, A., Beuckelaer, A., Heyden, J. V. d., & Gislef, L. (2017). Work organization and mental health problems in PhD students. Research Policy, 46(4), 868-879.

Leymann, H. (1996). The Content and Development of Mobbing at Work. European Journal of Work and Organizational Psychology, 5(2), 165-184.

Martins, A. A. V., & Honorio, L. C. (2014). Prazer e sofrimento docente em uma instituição de ensino superior privada em Minas Gerais. Organizações & Sociedade, 21(68), 835-851.

Nielsen, M. B., & Einarsen, S. V. (2018). What we know, what we do not know, and what we should and could have known about workplace bullying: An overview of the literature and agenda for future research. Aggression and Violent Behavior, 42, 71-83.

Nunes, T. S. (2016). A influência da cultura organizacional na ocorrência do assédio moral no trabalho na Universidade Federal de Santa Catarina (Tese de Doutorado). Centro Sócio-Econômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Nunes, T. S., & Tolfo, S. R. (2015). Una reflexión sobre las investigaciones acerca del acoso moral en el trabajo en el entorno de la asociación nacional de postgrado e investigación en administración (ANPAD). In E. B. Villar, M. Caputo, E. A. Coria, & M. Gimenez (Orgs.). Hostigamiento Psicológico Laboral e Institucional en Iberoamérica: estado del arte y experiencias de intervención (651-668). 1 ed. Buenos Aires: Sb editorial.

Nunes, T. S., & Torga, E. M. M. (2020). Workplace bullying in postgraduate courses: The consequences experienced by teachers and students of a Brazilian state university. Education Policy Analysis Archives, 28(11), 1-27.

Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Espinosa, L. M. C. (2019). A percepção de servidores universitários sobre as políticas, ações e discursos institucionais sobre o assédio moral no trabalho. Organizações em Contexto, 15(29), 191-222.

Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Nunes, L. S. (2013). Assédio Moral em Universidade: a violência identificada por servidores docentes e técnico-administrativos. Organizações em Contexto, 9(18), 25-61.

Oliveira, M. E. (2017). História, memórias e cenário atual da intensificação do trabalho docente na educação básica paulista: apontamentos de pesquisa. História, 36(9), 1-26.

Pellegrini, P. G. (2016). Assédio moral no trabalho e repercussões na estrutura e dinâmica familiares (Dissertação de Mestrado). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Pheko, M. M., Monteiro, N. M., & Segopolo, M. T. (2017). When work hurts: a conceptual framework explaining how organizational culture may perpetuate workplace bullying. Journal of Human Behavior in the Social Environment, 27(6), 571-588.

Piñuel, I. (2013). Por si acaso te acosan…: 100 cosas que necesitas saber para salir del acoso psicológico en el trabajo. Buenos Aires: Códice.

Rates, A. C. F., & Leda, D. B. (2018). “Pau pra toda obra”: As vivências de prazer e sofrimento no trabalho de professores substitutos de uma Universidade Federal. Revista Trabalho (En)Cena, 3(3), 34-56.

Ribeiro, C. V. S., & Leda, D. B. (2016). O trabalho docente no enfrentamento do gerencialismo nas Universidades Federais brasileiras: Repercussões na subjetividade. Educação em Revista, 32(4), 97-117.

Salin, D. (2003). Workplace Bullying among Business Professionals: Prevalence, Organisational Antecedents and Gender Differences (Doctoral dissertation). Swedish School of Economics and Business Administration, Helsinki, Swedish.

Zapf, D., Escartín, J., Einarsen, S., Hoel, H., & Vartia, M. (2011). Empirical findings on prevalence and risk groups of bullying in workplace. In S. Einarsen, H. Hoel, D. Zapf, & C. L. Cooper (Eds.). Bullying and harassment in the workplace: Developments in theory, research, and practice (pp. 75-105). London: Taylor & Francis.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v11i3.1101

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Thiago Soares Nunes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia