Os desafios de equipes multiculturais de trabalho: da liderança e influência da cultura nacional ao processo de aprendizagem organizacional

Fernanda Vicente Moraes, Janaína Maria Bueno, Carlos Roberto Domingues

Resumo


A formação de equipes multiculturais tem sido cada vez mais necessária e estimulada pelas organizações para construção de ambientes criativos e inovadores com intuito de responder a um contexto desafiador e em constante transformação (Bueno & Freitas, 2015). Este estudo teve como objetivo analisar os desafios de três equipes multiculturais em subsidiárias de duas empresas multinacionais quanto às questões de liderança, cultura nacional e aprendizagem. Por meio de uma pesquisa qualitativa, do tipo descritiva, foi adotado o método de estudo de casos múltiplos, sendo a coleta de dados baseada em entrevistas semiestruturadas. A partir de três categorias definidas a priori (Liderança; Influência da Cultura Nacional; e Aprendizagem Organizacional), identificou-se que a liderança das equipes é do tipo única e vertical, o que reflete o pouco tempo de existência dessas equipes aliado à dificuldade que alguns indivíduos (brasileiros) sentem em se expressar em ambientes culturalmente diversos reflexo de sua relação com traços culturais da gestão brasileira como distância do poder, postura de expectador, falta de planejamento e personalismo. As equipes aprenderam com base na interação cotidiana e troca de informações e opiniões, ressaltando a importância do ambiente multicultural e da adoção de algumas formas de registro do conhecimento que precisam ser aperfeiçoados e expandidos. Conclui-se que as equipes multiculturais estudadas foram responsáveis pela geração de novos conhecimentos para as empresas, obtiveram resultados além do esperado e ajudaram a projetar a carreira de seus membros, evidenciando que esta experiência pode ser enriquecedora para os profissionais envolvidos e para as organizações, sendo válido investir no amadurecimento do processo de liderança, entendimento das diferenças culturais e aperfeiçoamento do processo de aprendizagem organizacional.


Palavras-chave


Equipes Multiculturais. Ambiente Multicultural. Gestão Intercultural. Aprendizagem Organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Adler, N. J.; & Gundersen, A. (2008). International dimensions of organizational behavior. 5a ed. New York: South Western.

Algesheimer, R., Dholakia, M.; & Gurau, C. (2011). Virtual team performance in a highly competitive environment. Group & Organization Management, 36 (2), p. 161-190.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bento, J.; Urpia, A.; Bortolozzi, F.; & Massuda, E. (2017). Nível de implantação e alcance das práticas da gestão do conhecimento em base tecnológica e funcional de organização educacional. Revista Alcance, 24 (2), p. 243-257.

Blanche, C.; & Dupuis, J. P. (2019). From The Hague to Paris to Montreal: knowledge transfer and cultural synergy in a multicultural organization. International Journal of Cross Cultural Management, 19(1), pp. 27–46.

Bueno, J.; & Freitas, M. (2015). As equipes multiculturais em subsidiárias brasileiras de multinacionais: um estudo de casos múltiplos. Organizações & Sociedade, 72 (1), p. 15-34.

Bueno, J. M., & Freitas, M. E. (2018). Representações Sociais no Contexto Intercultural: O Cotidiano de Três Subsidiárias Brasileiras. Cadernos EBAPE.BR, 16(1), 101-118.

Cheng, C.; Chua, R.; Morris M.; & Lee, L. (2012). Finding the right mix: How the composition of self-managing multicultural teams’ cultural value orientation influences performance over time. Journal of Organizational Behavior. p. 389-411.

Chevrier, S. (2009). Is national culture still relevant to management in a global context? The case of Switzerland. International Journal of Cross-cultural Management, 9(2), pp. 169–184.

Chu, R. (2011). Modelo Contemporâneo da Gestão a Brasileira. São Paulo: Cengage Learning.

Connaughton, S.; & Shuffler, M. (2007). Multinacional and multicultural distribuited teams. Small Group Research, 38 (3), p. 387-412.

Davoine, E.; & Barmeyer, C. (2015). Intercultural competence of binational pairs as a supporting factor of negotiated culture in binational organisations: An analysis of the French-German case of Alleo. In: EGOS COLLOQUIUM, Atenas, Grécia, Anais.

Dewes, J. (2013). Amostragem em bola de neve e respondent-driven sampling: uma descrição dos métodos. p 53 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de Estatística, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Fleury, M.; Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência Revista de Administração Contemporânea, 5(1), p. 183-196.

Garvin, D.; Edmondson, A.; & Gino, F. (2008). Is yours a learning organization? Harvard business review, 86 (3), p. 1-10

Heinz, K. (2014). Multicultural team conflict management. Securitologia, 1(19), p.117-128.

Krumm, S., Terwiel, K.; & Hertel, G. (2013). Challenges in norm formation and adherence: The knowledge, skills, and ability requirements of virtual and traditional cross-cultural teams. Journal of Personnel Psychology, 12 (1), p. 33-44.

Leinonen, P.; Jarvela, S.; & Hakkinen, P. (2005). Conceptualizing the awareness of collaboration: a qualitative study of a global virtual team. The Journal of Collaborative Computing and Work Practices, 14(1), p. 301-322.

López, S.; Peón, J.; & Ordás, C. (2015). Organizational learning as a determining factor in business performance. The Learning Organization, 12(3), p.227-245.

Mannix, E.; & Neale, M. (2005). What differences make a difference? The promise and reality of diverse teams in organizations. Psychological Science in the Public Interest, 6 (2), p. 31-55.

Markovic, D; Radovic-Markovic, M.; & Minovic, J. (2015). A new virtual team competence defining model. Economic Research Istrazivanja. 28(1), p. 1034-1045.

Pudelko, M., Carr, C., & Henley, J. (2007). Globalization and its effects on international strategy and cross-cultural management. International Studies of Management and Organization, 36(4), pp. 3-8.

Schein, H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Silva, T.; & Burger, F. (2018). Aprendizagem organizacional e inovação: contribuições da Gestão do Conhecimento para propulsionar um ambiente corporativo focado em aprendizagem e inovação. Navus, 8(1), p.7-19.

Stahl, G.; Maznevski, M.; Voigt, A.; & Jonsen, K. (2010). Unraveling the effects of cultural diversity in teams: A meta-analysis of research on multicultural work groups. Journal of International Business Studies, 41(4), p. 690-709.

Strauhs, F.; Pietrovski, E.; Santos, G.; Carvalho, H.; Pimenta, R.; & Penteado, R. (2012). Gestão do Conhecimento nas Ogranizações. Curitiba: Ayamará Educação.

Takeuchi, H.; & Nonaka, I. (2008). Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22, (44), pp. 203-220, ago/dez.

Zander, L.; & Butler, C. L. (2010). Leadership modes: success strategies for multicultural teams. Scandinavian Journal of Management, 26, p. 258—267.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v11i2.1066

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Fernanda Vicente Moraes, Janaína Maria Bueno, Carlos Roberto Domingues

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia