Metodologia para o desenvolvimento de competências secretariais no contexto da gestão universitária

Katia Denise Moreira, Luci Mari Aparecida Rodrigues, Marcos Baptista Lopez Dalmau, Alexandre Marino Costa

Resumo


A transformação da carreira secretarial está associada, entre outros elementos, ao aperfeiçoamento de competências, que passaram de um status notadamente técnico, para outro mais complexo, o estratégico, fato que possibilitou a inserção do profissional secretário em ambientes diversos das organizações, entre eles o das Instituições de Ensino Superior Públicas Federais. No tocante à atuação do secretário nesse ambiente, verifica-se a singularidade das atividades a serem realizadas e, nesse sentido, a necessidade de competências secretariais específicas para a gestão universitária. Diante disso, este estudo tem como objetivo propor uma metodologia para o desenvolvimento de competências secretariais no contexto da gestão universitária. Naquilo que se refere à metodologia, o método utilizado foi o hipotético-dedutivo, complementado pela natureza aplicada. Quanto aos objetivos é descritivo e em relação a estratégia fez-se uso da pesquisa bibliográfica, documental e da pesquisa-ação. Os resultados, após aplicada a metodologia proposta, apontaram que o desenvolvimento de competências secretariais se deu por meio da aprendizagem colaborativa/coaprendizagem, associada a um curso de capacitação ofertado na modalidade a distância, por meio de plataforma online. Verificou-se ao final do curso que o compartilhamento de conhecimento e experiências promoveu, além do desenvolvimento de competências, a construção de concepções provindas da cooperação e do trabalho em equipe, fato que significa que, ao final, alcançou-se a efetividade daquilo que se buscava.


Palavras-chave


Desenvolvimento de Competências; Aprendizagem Colaborativa; Secretariado.

Texto completo:

PDF

Referências


Alles, M. A. (2006). Desarrollo del talento humano: basado em competencias. Buenos Aires: Granica, 2006.

Ausubel, D. (1983). Teoría del aprendizaje significativo. Fascículos de CEIF.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: 70, Edições.

Carvalho, A. I., Vieira, A. S., Bruno, F., Motta, J. I. J., Baroni, M., Macdowell, M. C., Salgado, R., & Côrtes, S. C. (2009). Escolas de Governo e Gestão por Competências: Mesa-redonda de Pesquisa-ação. Brasília, DF: ENAP.

Constituição da república federativa do Brasil. (1988). Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico.

Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006. (2006). Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Recuperado em 18 janeiro, 2019 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5707.htm

Decreto no 5.773, de 9 de maio de 2006. (2006). Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Recuperado em 18 janeiro, 2019 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/Decreto/D5773.htm

Decreto n.o 9.262, de 9 de janeiro de 2018. (2018). Extingue cargos efetivos vagos e que vierem a vagar dos quadros de pessoal da administração pública federal, e veda abertura de concurso público e provimento de vagas adicionais para os cargos que especifica. Recuperado em 18 janeiro, 2019 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/decreto/D9262.htm

Durand, T. (2000). Forms of Incompetence. (2000). In: Sanchez, R. & Heene, A. (Eds.). Theory Development for Competent-Based Management. Greenwich: JAI Press.

Dutra, J. S. (2007). Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas S.A.

Fleury, A. & Fleury, M. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, nº. Edição Especial, 183–196.

Freitas, I. A. & Brandão, H. P. (2005). Trilhas de Aprendizagem como Estratégia para Desenvolvimento de Competências. Anais do 29o Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração–ENANPAD. Brasília, DF: ENANPAD.

Girardi, D., Tosta, K. C. B. T., Tosta, H. T., Girardi, J. D. F., & Girardi, A. D. F. (2010). Considerações sobre a importância da aplicação da teoria dos sistemas nos processos de gestão de pessoas nas universidades: um estudo de caso na UFFS. Anais do X Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul. Mar Del Plata: CIGU.

Grillo, A. N. Política de recursos humanos nas Universidades Federais Brasileiras. (1991). In: Temas de administração universitária. Florianópolis: NUPEAU, 1991.

Grillo, A. N. (2001). Gestão de pessoas: princípios que mudam a administração universitária. Florianópolis: CAD-UFSC.

Grisales, R. M. (2011). El debate positivism-constructivismo en Francia: una mirada desde las ciências de la gestión. In: Formar en administración: por una nueva fundamentación filosófica. Bogotá: Siglo Del Hombre.

Lacombe, F. J. M. (2005). Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva.

Le Boterf, G. (1994). De la compétence. Essai sur un attracteur étrange. Paris: Les Éditions d’Organisation.

Leal, F. G. (2014). Competências secretariais requeridas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Leal, F. G., & Fiates, G. G. S. (2013). Competências dos Secretários-Executivos de uma Universidade Pública Federal: Uma Análise a partir da Perspectiva dos Gestores. Revista de Gestão e Secretariado, 4 (3), 30–57.

Leal, F. G., & Dalmau, M. B. (2014). Análise das competências secretariais requeridas pela Universidade Federal de Santa Catarina em comparação ao perfil profissiográfico do secretário executivo. Revista de Gestão e Secretariado, 5 (3), 143–174.

Leal, F. G., Silva, A. C. F., & Dalmau, M. B. L. (2014). Análise das Avaliações dos Concursos Públicos Realizados pelas IFES para o Cargo de Secretário-Executivo sob a Ótica da Gestão por Competência. Revista de Ciências da Administração, 16 (40), 191–207.

Leal, F., & Moraes, M. (2017). Perspectivas de atuação do secretário executivo na gestão da internacionalização da educação superior. Revista de Gestão e Secretariado, 8 (1), 138–167.

Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. (1990). Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Recuperado em 18 janeiro, 2019 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm

Lei no 11.091, de 12 de janeiro de 2005. (2005). Trata da estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-administrativos em educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da Educação (MEC). Recuperado em 18 janeiro, 2019 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11091.htm

Leite, C. L. K., Passos, M. D. A., Torres, P. L., & Alcântara, P. R. (2005). A Aprendizagem Colaborativa na Educação a Distância on-line. In Congresso Internacional de Educação a Distância (Vol. 12).

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas S.A.

Mcclelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than for" intelligence. American Psychologist, 28 (1).

Meyer Júnior, V., & Lopes, M. C. B. (2015). Administrando o imensurável: uma crítica às organizações acadêmicas. Cadernos EBAPE.BR, 13 (40).

Moreira, K. D., Rodrigues, L. M. A., Vale, J. C. F. do, & Rosa, M. H. da (2016). As competências contemporâneas do Secretário Executivo e a relação com as competências do Middle Manager. Revista de Gestão e Secretariado, 7(1), 45-66.

Moreira, K. D., & Olivo, L. C. C. (2012). O profissional de secretariado executivo como mediador de conflitos. Revista de Gestão e Secretariado, 3(1), 30-53.

Natalense, M. L. C. (1998). Secretária executiva: manual prático. São Paulo: IBO.

Nonato Junior, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em Secretariado Executivo: A fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Ofício Circular nº 015/2005/CGGP/SAA/SE/MEC. (2005). Descrição dos cargos técnico-administrativos em educação. 2005c. Recuperado em 20 janeiro, 2019 de http://prodegesp.ufsc.br/files/2010/03/Oficio015-2005MEC.pdf.

Okada, A. (2014). Competências chave para coaprendizagem na era digital: fundamentos, métodos e aplicações. Portugal: Whitebooks.

Oliveira, L. N. & Moares, G. C. (2014). O Panorama do Cargo de Secretário Executivo em uma Instituição Federal de Ensino Superior e as Implicações da Lei 11.091/2005. Revista de Gestão e Secretariado, 5(2).

Paes, R. V. O. (2017). Mapeamento e análise dos processos secretariais das unidades acadêmicas da Universidade Federal do Pará, Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Pará. Belém, Pará, Brasil.

Panitz, T. (1999). Collaborative versus cooperative learning- a comparison of the two concepts which will help us understand the underlying nature of interactive learning. Recuperado em 20 janeiro, 2019 de https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED448443.pdf

Pinheiro, V. F. (2012). Condições de trabalho do profissional de secretariado executivo no setor público: um estudo de caso na Universidade Federal do Ceará. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Raviani, C. (2015). Competências individuais: secretários executivos das universidades federais do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. (2005). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Recuperado em 20 janeiro, 2019 de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces003_05.pdf

Saunders, M., Lewis, P., & Thornhill, A. (2009). Research methods for business students. 5. ed. New York: Prentice Hall Inc.

Sousa, E. (2014). Perfil e realidade laboral do secretário executivo no contexto das universidades públicas federais brasileiras. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Souza, I. M. (2010). Contribuições para a construção de uma teoria de gestão universitária. In: Silveira, A., & Domingues, A. J. C. S. (Eds.). Reflexões sobre a administração universitária e ensino superior. Blumenau, SC: Edifurb.

Souza, S. (2017). O quadro de pessoal do cargo de secretário executivo da Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Thiollent, M. (2009). Metodologia de Pesquisa-ação. São Paulo: Saraiva.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas S.A.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v11i1.1043

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Katia Denise Moreira, Luci Mari Aparecida Rodrigues, Marcos Baptista Lopez Dalmau, Alexandre Marino Costa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia